EDUCAÇÃO E SOCIEDADE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO ACERCA DOS MEANDROS DA VIOLÊNCIA JUVENIL

Autores

  • Adriana Aparecida Souza Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3197

Palavras-chave:

Educação, Violência, Juventude, Socialização, Práticas violentas

Resumo

A proposição básica deste artigo é apresentar um estudo exploratório acerca de violência e sociedade com ênfase em estudos sobre violência juvenil. Objetiva-se, assim, compreender o fenômeno da violência de forma situada nos espaços nos quais os jovens se inserem no Brasil, visando detectar os prolegômenos que incidem sobre as práticas de violência: sofrida e cometida por jovens. Assim, apreende-se a problemática que envolve a violência em suas diversas modalidades e dimensões, inserida no contexto histórico das sociedades do Século XXI, por meio de estudos em autores que discutem sobre o tema no cenário mundial e brasileiro; bem como apresentando dados disponibilizados em domínio público sobre violência e sociedade no Brasil. Considera-se que, a violência vivenciada pelos jovens tem consequências e repercussões em suas vidas e na sociedade. Desse modo, requer compreendê-la como prática social aética, como um impedimento de fato; uma ação contrária a qualquer processo socializador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adriana Aparecida Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em Ciências Sociais, no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, da UFRN em 2013. Mestre em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, da UFRN (2009). Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2005). Tem experiência em pesquisa na área de Direitos Humanos e Violência, com ênfase em Ciência Política, Antropologia e Sociologia e é professora convidada da Universidade Estadual Vale do Acaraú, no curso de Pedagogia, desde 2008.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam. Violência nas escolas. Abramovay, M. etall. Brasília: UNESCO, Coordenação DST/AIDS do Ministério da Saúde, a Secretaria de Estado dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça, CNPq, Instituto Ayrton Senna, UNAIDS, Banco Mundial, USAID, Fundação Ford, CONSED, UNDIME, 2002.

ABRAMOVAY, Miriam; FEFFERMANN, Marisa. Juventude e sociabilidade vivendo uma cultura de violência. Disponível em: file:///C:/Users/usuario/Downloads/Juventude%20e%20sociabilidade,%20vivendo%20uma%20cultura%20de%20viol%C3%AAncia%20-%20artigo%20revista-%20miriam%20e%20marisa1.pdf. Acesso em outubro de 2014.

ADORNO, S. Violência e educação. Trabalho apresentado no 5º Simpósio Municipal de Educação, mimeo, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, 1988.

AGUDELO, S. F. La Violência: um problema de salud pública que se agrava em laregión. BoletinEpideniologico de la OPS, 1990.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Tradução de André Duarte. Rio de Janeiro: Relume-Damara, 1994.

BAUMAN, L. J.; FRIEDMAN, S.B. Corporal punishment. In: Pediatric clinics of north America. v. 45, n 2, 1998.

BLOCH, Ernest. O princípio esperança. 1. ed. Rio de Janeiro, EDUERJ: Contraponto; 2005, v.1.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude.A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. São Paulo: Francisco Alves, 1992.

CHAUÍ, M. Participando do debate sobre mulher e violência. In_. CARDOSO, R. (Org.) Perspectivas antropológicas da mulher: sobre mulher e violência. Rio de Janeiro: Zahar, v. 4. p. 25-62, 1997.

______. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez, 2006.

DESLANDES, S. F. Atenção a crianças e adolescentes vítimas de violência doméstica. Análise de um serviço. Cadernos de Saúde Pública, 1994, 10: 177-187.

EVANGELISTA, Dalmo de Oliveira. Sem eira, nem beira: adolescentes em conflito com a lei e as políticas públicas de atendimento. Revista Inter-legere; ano 1; nº1; Jan/jul, 2007.

FERREIRA, Ruth Vasconcellos Lopes. A cultura da violência em Alagoas: Um estudo em Representação Social. Tese de Doutorado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Sociologia, 2002.

FALLUH, Santiago. O levantamento de informações sobre direitos violados de crianças e adolescentes no Sistema de Informações para Infância e Adolescência (SIPIA – módulo I): conteúdo e metodologia. Texto para discussão n. 1012 – IPEA, Brasília, março de 2004.

KAUFMAN, Michael. The construction of masculinity and the triado f men’s violence.In_.Gender violence: interdisciplinary perspectives. (Org.) Laura L. O’toole, Jessica R. Schiffman. New York: New York Universitypress, 1997.

MALDONADO, Daniela P. A.; WILLIAMS, Lúcia C. de A. O comportamento agressivo de crianças do sexo masculino na escola e sua relação com a violência doméstica. Psicologia e Estudos. v. 10, n. 03, Maringá, set/dez, 2005.

MINAYO, M. C. S. & ASSIS, S. G. Violência e saúde na infância e adolescência: uma agenda de investigação estratégica. Saúde em Debate, 39: 58-63, 1993.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Conhecimento prudente para uma vidadecente: Um discurso sobre a ciência revisitado. São Paulo, Cortez; 2004.

SOUZA, Adriana A. de. As vivências da violência intrafamiliar: Osimbolismo dos desenhos infantis. Tese. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Natal, 2013, 189 f.

TAKEUTI, Norma Missae. No outro lado do espelho: a fratura social e as pulsões juvenis. Rio de janeiro: RelumeDumará; Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2002.

WAISELFISZ, JulioJacobo. Mapa da violência 2013 Mortes Matadas por Armas de Fogo. Centro Brasileiro de Estudos Latinos-Americanos/FRACSO, 2013. Disponível em: www. fracso.org.br. Acesso em: maio de 2014.

Downloads

Publicado

2015-08-03

Como Citar

Souza, A. A. (2015). EDUCAÇÃO E SOCIEDADE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO ACERCA DOS MEANDROS DA VIOLÊNCIA JUVENIL. HOLOS, 4, 52–62. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3197