A EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO SUS

Maria Lima Alves, Maria de Fátima Feire Melo Ximenes, Magnólia Florêncio Fernandes Araújo

Resumo


A necessidade de transcender os limites da sala de aula mediante o exercício de atividades educacionais desenvolvidas em ambientes diversos deve ser pautada considerando-se as particularidades e necessidades que configuram cada ambiente. Assim sendo, a implementação de ações educativas na perspectiva da saúde ambiental nas instituições de saúde são necessárias diante da crescente demanda que envolve questões ambientais nestes serviços. O objetivo do estudo consistiu em difundir os princípios da educação em saúde ambiental em estabelecimentos de saúde do SUS no município de Mossoró-RN. Elencou-se como público alvo profissionais da área e como estratégia pedagógica a metodologia da pesquisa-ação. Diferentes fases metodológicas foram percorridas possibilitando a interação entre os sujeitos da pesquisa e a pesquisadora. As discussões envolvendo a temática da educação em saúde ambiental favoreceram a construção de debates reflexivos acerca das responsabilidades individuais e coletivas que refletem nas questões ambientais em saúde e, sobretudo da necessidade de mudanças de comportamentos e atitudes que promovam a saúde coletiva e a qualidade do ambiente nos serviços de saúde do SUS.


 


Palavras-chave


Educação; Saúde Ambiental; Pesquisa; SUS; Instituições de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. L. (2008). A saúde ambiental e os resíduos de serviços de saúde nos três níveis de complexidade do Sistema Único de Saúde – SUS. [Dissertação de Mestrado]. Natal: Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente/PRODEMA. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

AUGUSTO, L.G.S. (2002). A construção de indicadores em saúde ambiental: desafios conceituais. In: MINAYO, M.C.C., MIRANDA, A.C; (org.). Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; p. 291-312.

AUGUSTO, L.G.S.; FLORÊNCIO, L.; CARNEIRO, R. M. (2001). Pesquisa (ação) em Saúde Ambiental: contexto, complexidade, compromisso social. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

BENEVIDES, R. & PASSOS, E. (2005). Humanização na saúde: um novo modismo? Revista Interface, Comunic., Saúde e Educ. 9(17): 389-406.

BRASIL. (2000). Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21 Brasileira. Bases para Discussão. Brasília: MMA.

BRASIL. (2004).Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 306 de 07 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde. Diário Oficial da União 2004; 10 dez.

BRASIL. (2005). Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 358 de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e Disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União 2005; 4 mai.

BRASIL. (2006). Ministério da Saúde. Pactos pela vida, em defesa do SUS e de Gestão – diretrizes operacionais. Série Pactos pala saúde 2006. Vol. 1. Departamento de Apoio a Descentralização/Secretaria Executiva, Brasília.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Lei No. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.mma.gov.br. Acesso: 08 nov. de 2012.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 485, de 11 de Novembro de 2005. NR 32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 nov. 2005. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C812D36A280000138812EAFCE19E1/NR-32%20%28atualizada%202011%29.pdf . Acesso em: 20 fev. 2013.

ENGEL, G.I. (2000). Pesquisa-ação. Educar, Curitiba, n. 16, p. 181-191. Editora da UFPR.

FRANCO, M.A.S. (2005). Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.31, n.3, p. 483-502, set/dez.

FREIRE, P. (1993). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

FUNASA. (2000). Fundação Nacional de Saúde. Curso básico de vigilância ambiental. Módulo I. Brasília: Funasa.

GARCÍA, R. (1999). Interdisciplinaridad y sistemas complejos. In: Confederación de Trabajadores de la Educación de La Republica Argentina. Educación en Ambiente para El Desarrollo Sostenible. Buenos Aires. p. 39-66.

GATTI, B. (2002). A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: 2002, Plano. (Série Pesquisa em educação, v.1).

GRITTEM, L.; MÉIER, M. J.; ZAGONEL, I.P.S. (2008). Pesquisa-ação: uma alternativa metodológica para pesquisa em enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, Out-Dez; 17(4): 765-70.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb2008. Acesso em: 18 ago. 2012.

KETELE, J.; ROEGIERS, X. (1993). Méthodologie du recueil d’informations: fondements de méthodes d’observations de questionaires, d’interviews et d’étude de documents. 2. ed. Bruxelles: De Boeck Université. p. 99.

LAVOE, L. MARQUIS, D. LAURIN, P. (1996). La recherché-action: théorie et pratique. (Manuel d’autoformation). Canadá: Presses de l’Université du Québec.

LIEBER, R. R. (1998) Teoria e metateoria na investigação da causalidade: o caso do acidente de trabalho. São Paulo (SP): USP.

MOLINA, R. (2007). A pesquisa-ação/investigação-ação no Brasil: mapeamento da produção (1966-2002) e os indicadores internos da pesquisa-ação colaborativa. (Tese) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007.

MOREIRA, A.F. (2007). Ambientes de Aprendizagem no Ensino de Ciência e Tecnologia. Belo Horizonte: CEFET-MG. Notas de aula.

NUNAN, D. (1993). Action research in language education. In: EDGE, J.; RICHARDS, K. (Ed.). Teachers develop teachers research. Papers on classroom research and teacher development. Oxford: Heinemann, p. 4l.

SAMAJA, J. (2000). A reprodução social e a saúde: elementos metodológicos sobre a questão das relações entre saúde e condições de vida. Salvador, Ed. ISC-UFBA /Casa da saúde.

SCHALL, V.T. & STUCHINER, M. (1999). Editorial: Educação em saúde: novas perspectivas. Cad. Saúde Pública; 15(2): 4-5.

THIOLLENTE, M. (2009). Metodologia da pesquisa-ação. 17. ed. São Paulo: Cortez, 112p.

TRIPP, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez.

UNESCO (2005). Década da Educação das Nações Unidas para um desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília: UNESCO, 2005. 120p.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.1547



 

HOLOS IN THE WORLD