EXPANSÃO DA LESÃO DA HELMINTOSPORIOSE EM DIFERENTES HÍBRIDOS DE MILHO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9937

Palavras-chave:

Exserohilum turcicum, epidemiologia, inoculação.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi quantificar a área e a taxa de expansão de lesão da helmintosporiose em diferentes híbridos de milho. As plantas foram cultivadas em casa-de-vegetação, utilizou-se os híbridos: Pioneer (30F53, P1630H, P2530), Monsanto (AG 8045, AG 9045), Dow AgroSciences (2A550, 2A106 e 2B587) e Syngenta (SYN7205 VIPTERA, SW 3949 TL), o delineamento experimental foi de blocos casualizados com três repetições. As plantas foram inoculadas com uma suspensão de 20x103 conídios/mL por meio da deposição de 0,5 mL do inóculo no cartucho das plantas no estádio V4. A partir do surgimento das lesões, 7 dias após a inoculação, as lesões foram identificada com marcador permanente, as lesões foram mensuradas quanto ao seu tamanho, com auxílio de um paquímetro digital com intervalo de dois ou três dias, foram realizadas um total de cinco avaliações. Como as lesões não são retangulares utilizou-se um fator de correção (0,76) obtido através da comparação da área real da lesão com as medidas de largura e comprimento. Híbridos de milho diferem na taxa de expansão da lesão.  Os híbridos 2A550, AG9045, P2530 e AG8025 apresentaram a menor taxa de expansão de lesão, podendo ser uma alternativa par o produtor rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliane Nicolodi Camera, UNICRUZ

Doutora em Fitopatolgoia, professora no curso de Agronomia e Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural/ Universidade de Cruz Alta.

Jana Koefender, Unicruz

Doutora em Agronomia, professora no curso de Agronomia e Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural/ Universidade de Cruz Alta.

André Schoffel, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Estudante de Pós-Doutorado/ UFSM

DANIELE Mariath Bassuino, UNICRUZ

Doutora em Ciências Veterinárias. Professora no curso de Medicina Veterinária e no Curso de Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural/ Universudas de Cruz Alta.

RODRIGO ORLANDI, UNICRUZ

Engenheiro Agrônomo, discente no curso de Mestrado Profissinal em Desenvolvimento Rural/ Unicruz

LETICIA Colvero Panazollo, UNICRUZ

Discente no curso de Agronomia/ Universidade de Cruz Alta

CAROLINA CARDOSO DEUNER, UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

Doutora em Fitopatologia, docente na Graduação e Pós-graduação em Agronomia na Universidade de Passo Fundo.

Referências

ALFENAS, A. C., MAFIA, R. G. (2007). Métodos em Fitopatologia. Viçosa: Editora UFV, 382 p.

ARTUZO, F. D., FOGUESATTO, C. R., SOUZA, A. R. L., SILVA, L. X. (2018). Gestão de custos na produção de milho e soja. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20, 2, 273-294. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbgn/v20n2/1983-0807-rbgn-20-02-273.pdf>. doi: 10.7819/rbgn.v20i2.3192.

BERGAMIM FILHO, A. (1995). A epidemia como um sistema. In: Bergamim Filho, A.; Kimati, H.; Amorim, L. Manual de Fitopatologia: princípios e conceitos, v.1, p. 574-597.

BERGAMIN FILHO, A., AMORIM, L. (1996). Doenças de plantas tropicais e controle econômico. São Paulo: Ed. Agronômica Ceres, 289p.

BERGER, R. D. (1973). Helminthosporium turcicum lesion numbers related to numbers of trapped spores and fungicide sprays. Phytopathology, St. Paul, v.63, p. 930-933.

BERGER, R. D., BERGAMIM FILHO, A., AMORIM, L. (1997). Lesion expansion as an epidemic component. Phytopatology, St. Paul, v.87, p.1005-1013.

BOOSALIS, M. G., SUMMER, D. R., RAO, A. S. (1967). Overwintering of conidia de Helminthosporium turcicum on corn residues and in the soil in Nebraska. Phytopathology, St. Paul, v. 57, p. 990-996.

BRITO, A. H., VON PINHO, R. G., PEREIRA, J. L. A. R., BALESTRE, M. (2013). Controle químico da Cercosporiose, Mancha-Branca e dos Grãos Ardidos em milho. Revista Ceres, 60, 5, 629- 635. http://dx.doi.org/10.1590/S0034- 737X2013000500005

CARSON, M. L., VAN DYKE, C. G. (1994). Effect of light and temperature on expression of partial resistance of maize to Exserohilum turcicum. Plant Disease, St. Paul, v. 78, p. 519-522.

DEGEFU, Y., LOHTANDER, K., PAULIN, L. (2004). Expression patterns and phylogenetic analysis of two xylanase genes (htxyl1 and htxyl2) from Helminthosporium turcicum, the cause of northern corn leaf blight of maize. Biochimie, v. 86, p. 83-90.

DUARTE, J. O., MATTOSO, M. J., GARCIA, J. C. (2018). Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Árvore do conhecimento: Milho, Embrapa.

FANCELLI, A. L., DOURADO-NETO, D. (2003). Milho: estratégias de manejo para alta produtividade. Piracicaba: ESALQ/USP. 208p.

JOHNSON, R., TAYLOR, A. J. (1976). Spore yield of pathogens in investigations of the racespecificity of host resistance. Annual Review Phytopatology, Palo Alto, v.14, p. 97-119.

MENEGON, A. P., FORCELINI, C. A., FERNANDES, J. M. C. (2005). Expansão de lesão por manchas foliares em cevada e sua interação com a aplicação foliar de fungicidas. Fitopatologia Brasileira, Brasilia, v. 30, p.134-138.

MUELLER, D.S, WISE, K. A, SISSON, A. J,, ALLEN, T. W., BERGSTROM, G. C., BOSLEY, D. B., BRADLEY, C. A., BRODERS, K. D., BYAMUKAMA, E., CHILVERS, M. I. (2016). Corn yield loss estimates due to diseases in the United States and Ontario, Canada from 2012 to 2015. Plant Health Progress. 17(3):211–22.

RAYMUNDO, A. D., HOOKER, A. L. (1982). Single and combined effects of monogenic and polygenic resistance on certain components of northern corn leaf blight development. Phytopathology, St. Paul, v. 72, p. 99-103.

RIBEIRO DO VALE, F. X., JÚNIOR, W. C. J., ZAMBOLIM, L. (2004). Epidemiologia aplicada ao manejo de doenças de plantas. Belo Horizonte: Editora Perfil, 531p.

RITCHIE, S. W., HANWAY, J. J., BENSON, G. O. (1993). HOW a corn plant develops. Ames: Iowa State University of Science and Technology, 26 p. (Special Report, 48).

SARTORI M., A. NESCI, J. GARCÍA, M. A. PASSONE, A. MONTEMARANI, AND M. ETCHEVERRY. 2017. Efficacy of epiphytic bacteria to prevent northern leaf blight caused by Exserohilum turcicum in maize. Rev. Arg. Microbiol. 1: 75-82.

SILVA, B. E. C., SILVA, M. R. J. (2017). Viabilidade econômico-financeira da implantação da cultura do milho no município de Santa Teresa-ES. Revista Univap, 23, 43, 17-25.Disponível em:< https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/article/view/1773>. doi: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v23i43.1773.

SILVA, H. P. (1997). Incidência de doenças fúngicas na “safrinha”. In: Seminário sobre acultura do milho “safrinha”, Campinas.Anais... Campinas: IAC/CDV, 1997. p. 81-86.

TOMAZELA, L. T. (2005). Adubação nitrogenada e de nutrientes na produtividade e incidência de doenças foliares em milho. 57 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia)- Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz . Universidade de São Paulo.Piracicaba.

TUITE, J. (1969). Plant Pathological Methods – Fungi and Bacterial.. 5. ed. Minneapolis: Burgess Publishing Company,. 239 p.

VITTI, A. J. (1993). Epimiologia comparativa entre ferrugem comum (puccinia sorgui Schweinitz) e queima de turcicum (Exserohilum turcicum (Pass.) Leonard & Suggs do milho (Zea mays L.). Piracicaba, 1993. Dissertação (Mestrado) - ESALQ.

WARWICK, D. R. N., WARREN, H. (1981). Fontes de resistência de queima de turcicum em milho. Pesquisa agropecuária brasileira. Brasília, v.16, p. 659-664, set./out.

ZADOKS, J. C. ( 1971). Systems analysis and the dynamics of epidemics. Phytopathology, St. Paul, v. 61, p. 600-610.

Downloads

Publicado

31/12/2020

Como Citar

Camera, J. N., Koefender, J., Schoffel, A., Mariath Bassuino, D., ORLANDI, R., Colvero Panazollo, L., & CARDOSO DEUNER, C. (2020). EXPANSÃO DA LESÃO DA HELMINTOSPORIOSE EM DIFERENTES HÍBRIDOS DE MILHO. HOLOS, 8, 1–12. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9937

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)