PERCEPÇÃO SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ENTRE PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO QUE ABORDAM A TEMÁTICA EM SUAS PRÁTICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.8349

Palavras-chave:

Sustentabilidade, Prática docente, Políticas públicas

Resumo

Compreendendo que as concepções de Educação Ambiental entre os docentes guiam suas práticas profissionais, buscamos reconhecer como professores de ensino médio visualizam a Educação Ambiental, como as inserem em seus planos e se sua prática se orienta para a mudança de paradigmas, protagonismo e pensamento crítico entre os discentes. Delineou-se a pesquisa numa abordagem qualitativa-descritiva, utilizando-se de questionário e entrevista semiestruturada junto a professores de escolas públicas e privadas da cidade do Recife – PE. Percebeu-se o predomínio de uma visão pragmática e naturalista da Educação Ambiental, que guarda relação com a noção presente nos discursos oficiais, e uma atuação tradicional-conservadora em sua prática como culminância de um conjunto de problemas implicados em seu fazer docente desde a formação inicial, gerando insegurança ou fuga da atuação interdisciplinar e para a educação ambiental. Tais profissionais precisam ser devidamente formados, instrumentalizados, e inseridos no centro dos debates, para que uma saída para a atual crise socioambiental se torne uma possibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Marques da Silva, UPE - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Graduado em Psicologia pela Faculdade Estácio do Recife (2012), especialização em Psicologia do Trabalho (2016) e Mestrado em Gestão do Desenvolvimento Local Sustentável pela Universidade de Pernambuco (2018).

Simone Ferreira Teixeira, UPE - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Possui graduação em Oceanologia pela Universidade Federal do Rio Grande (1990), mestrado em Oceanografia pela Universidade Federal de Pernambuco (1998) e doutorado em Oceanografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2004). Atualmente está como professora adjunta da Universidade de Pernambuco, no curso de Ciências Biológicas/ICB. Esteve como professora permanente do Mestrado em Gestão do Desenvolvimento Local Sustentável/FCAP (2013 a 2019) e atuou como Vice-Coordenadora (2015 a 2016) e Coordenadora (2016 a 2019) do Mestrado GDLS/FCAP. Desde 2019 está como Coordenadora de Pesquisa da REDE RILCO Brasil - Red de Investigación Latinoamericana en Competitividad de Organizaciones. Tem experiência na área de Oceanografia, com ênfase em ecologia de peixes, dinâmica e manejo dos recursos pesqueiros, conhecimento ecológico local (etnoecologia e etnoictiologia) e educação ambiental. Atua desde 1996 em programas/projetos ambientais relacionados a recursos pesqueiros, levantamento da ictiofauna, etnobiologia/etnoecologia e monitoramento biológico e ambiental, principalmente na área do Pina e Brasília Teimosa/PE e do baixo rio Capibaribe/PE, como também na área marinho-estuarina da bacia de Suape/PE e no canal de Santa Cruz - Itapissuma/PE, bem como no rio Parnaíba, na área do reservatório de Boa Esperança/PI. Atua ainda na área de Educação Ambiental, como Coordenadora do Programa de Extensão PROSA (Projeto de Sensibilização Ambiental), atuando junto a comunidades pesqueiras, educandários, exposições e sociedade civil

Referências

ABEP (2016). Critério Brasil. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil. Acesso em 24 fevereiro 2019.

Araújo, M. F. F. D., & Pedrosa, M. A. (2014). Ensinar ciências na perspectiva da sustentabilidade: barreiras e dificuldades reveladas por professores de biologia em formação. Educar em Revista, (52), 305-318. https://doi.org/10.1590/0104-4060.35890

Barcellos, P. A. D. O., Azevedo Júnior, S. M. D., De Musis, C. R., & Bastos, H. F. B. N. (2005). As representações sociais dos professores e alunos da Escola Municipal Karla Patrícia, Recife, Pernambuco, sobre o manguezal. Ciência & Educação (Bauru), 11(2), 213-222. https://doi.org/10.1590/S1516-73132005000200005

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. 1ª ed. São Paulo: Edições, 70.

Brasil (1981). Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981: Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em 20 fevereiro 2019.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 20 fevereiro 2019.

Brasil (2015). Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Recuperado a 20 de fevereiro de 2019 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documento/BNCC-APRESENTACAO.pdf.

Gómez, J. A. C. (2005). In the Name of Environmental Education: Words and Things in the Complex Territory of Education—Environment—Development Relations. Policy futures in education, 3(3), 260-270. https://doi.org/10.2304/pfie.2005.3.3.4

Carneiro, S. M. M. (1999). A dimensão ambiental da educação escolar de 1. ª-4. ª séries do ensino fundamental na rede escolar pública da cidade de Paranaguá. Educar em Revista, (15), 1-8. https://doi.org/10.1590/0104-4060.199

Carvalho, A. M. P. D., & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de professores de ciências: tendências e inovações. Cortez.

Carvalho, L. M (2006). A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In Cinquetti, H. C. S.; Logarezzi, A. (Orgs.), Consumo e Resíduo – Fundamentos para o trabalho educativo (pp. 19-41). São Carlos: EdUFScar.

Cortes Junior, L. P., & Fernandez, C. (2016). A Educação Ambiental na formação de professores de Química: Estudo diagnóstico e Representações Sociais. Química Nova, 39(6), 748-756. https://doi.org/10.5935/0100-4042.20160044

Dias, G. (2013). Educação ambiental: princípios e práticas. (9. Ed). São Paulo: Gaia.

Foeppel, A. G. S., & Moura, F. M. T. (2014). Educação Ambiental como disciplina curricular: possibilidades formativas. Revista da SBEnBio, 7, 432-444. Disponível em https://sbenbio.org.br/wp-content/uploads/edicoes/revista_sbenbio_n7.pdf. Acesso em 24 fevereiro 2019.

Frizzo, T. C. E., & Carvalho, I. C. M. (2018). Políticas públicas atuais no Brasil: o silêncio da educação ambiental. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, (1), 115-127. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/8567. Acesso em 06 abril 2020.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Layrargues, P. P. (2002). O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In Loureiro, C. F. B.; Layrargues, P. P.; & Castro, R. S. (Orgs). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania (pp. 179-219). São Paulo: Cortez, 3.

Layrargues, P. P., & Lima, G. F. D. C. (2014). As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, 17(1), 23-40. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2014000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 22 fevereiro 2019.

Magalhães Júnior, C. A. O., & Tomanik, E. A. (2013). Representações sociais de meio ambiente: subsídios para a formação continuada de professores. Ciência & Educação (Bauru), 19(1), 181-199. https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000100013

Martine, G., & Alves, J. E. D. (2015). Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: tripé ou trilema da sustentabilidade?. Revista Brasileira de Estudos de População, 32(3), 433-460. https://doi.org/10.1590/S0102-3098201500000027

Minayo, M. C. S.; Deslandes, S. F.; Neto, O. C.; & Gomes, R. (2002). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 21ª Ed. Petrópolis: Vozes.

Oliveira, H. T. (2007). Educação ambiental – ser ou não ser uma disciplina: essa é a principal questão?! In Mello, S.S.; Trajber, R. (Coords.). MEC/CGEA MMA/DEA: UNESCO: Vamos Cuidar do Brasil - conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao3.pdf. Acesso em 22 fevereiro 2019.

Pereira, E. G. C.; & Fontoura, H. A. (2017). Educação Ambiental na escola: percepções docentes. In XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC. Disponível em http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1027-1.pdf. Acesso em 24 fevereiro 2019.

Pérez, J. G., & Llorente, M. T. P. (2005). Stultifera Navis: institutional tensions, conceptual chaos, and professional uncertainty at the beginning of the Decade of Education for Sustainable Development. Policy Futures in Education, 3(3), 296-308. https://doi.org/10.2304/pfie.2005.3.3.7

Reigota, Marcos (2002). Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: Cortez.

Saccol, A. L., & Teixeira, E. S. (2013). Educação ambiental e representações sociais de professoras municipais. Educação em Foco, 15(20), 39-58. http://dx.doi.org/10.24934/eef.v15i20.211

Sauvé, L. (2005). Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In Sato, M.; Carvalho, I. C. M. (Orgs.). Educação Ambiental – pesquisas e desafios (pp. 17-44). São Paulo: Artmed.

Silva, C. E. M., & Teixeira, S. F. (2019). Educação Ambiental no Brasil: reflexões a partir da Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (2005-2014). Educação (UFSM), 44, e76/ 1-20. http://dx.doi.org/10.5902/1984644436261

Sorrentino, M. (2000). De Tbilisi a Thessaloniki: A Educação Ambiental no Brasil. In Quintas, J. S. (Org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente (pp. 105-114). Brasília: IBAMA.

Teixeira, L. A.; Agudo, M. M.; Tozoni-Reis, M. F. C. (2017). Sustentabilidade ou “terra de ninguém”? - Formação de professores e educação ambiental. RTPS - Revista Trabalho, Política e Sociedade, 2, 43-64. https://doi.org/10.29404/rtps-v2i2.3259

Trein, E. S. (2012). Educação ambiental crítica: crítica de que? Revista Contemporânea de Educação, 7(14). DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v7i14.1673

Wollmann, E. M.; Soares, F. A. A.; & Ilha, P. V. (2015). As percepções de Educação Ambiental e Meio ambiente de professoras das séries finais e a influência destas em suas práticas docentes. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(2), 387-405. Disponível em https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4319. Acesso em 20 fevereiro 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

Silva, C. E. M. da, & Teixeira, S. F. (2021). PERCEPÇÃO SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ENTRE PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO QUE ABORDAM A TEMÁTICA EM SUAS PRÁTICAS. HOLOS, 7, 1–20. https://doi.org/10.15628/holos.2020.8349

Edição

Seção

ARTIGOS