AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMO PESQUISA SOCIAL: QUESTÕES CIENTÍFICAS, POLÍTICAS E IDEOLÓGICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.7066

Palavras-chave:

Políticas públicas, Pesquisa social

Resumo

A avaliação de políticas públicas, como pesquisa social e atividade estatal, tem enfrentado obstáculos no plano científico e político e ideológico. Além do núcleo comum construído pelos seus autores clássicos, e as diferenças internas que marcam qualquer disciplina científica, defronta-se com dois usos pela ideologia neoliberal que a afetam negativamente. O primeiro, ou avaliação gerencialista, fala-se de avaliação para justificar a privatização do Estado. O segundo, são os testes atuais visando perseguir o funcionalismo. No Brasil, além da educação, encontramos a adoção por uma espécie que tem proliferado na sua fauna e no legislativo em particular. Referimo-nos a alguns políticos profissionais de direita que resolveram abraçar ardorosamente a ideologia neoliberal e falar em nome da avaliação. Daí, o (mal) uso de expressões como avaliação de desempenho e outras do gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Afonso, A. J. (2000). Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez Editora.

_________.(2008). Escola pública, comunidade e avaliação: resgatando a avaliação formativa como instrumento de emancipação. In M. T. Esteban (Org.), Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos (5a ed.). Petrópolis: DP et alii.

_________. (1999). Estado, mercado, comunidade e avaliação: esboço para uma rearticulação crítica. Educação & Sociedade, 20(69), 139-164.

_________. (2013). Mudanças no Estado avaliador: comparativismo internacional e teoria da modernização revisitada. Revista Brasileira de Educação, 18 (53), 267-284.

Alba, A., Barriga, A. D., & Viesca A. M. (1984). Evaluación: análisis de uma noción. Revista Mexicana de Sociologia, 46(1), 175-204.

Alkin, M. C., & Christie, C. A. An evaluation theory tree. In M. C. Alkin (Ed.), Evaluation roots: tracing theorist´views and influencies. Los Angeles: University.

Alves, E., & Acevedo, R. (2002). La evaluación cualitativa: reflexión para la transformación de la realidad educativa (2a ed.). Colombia: Petroglifo Producciones.

Barriga, Á. D. (2008). Uma polêmica em relação ao exame. In M. T. Esteban (Org.), Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos (5a ed.). Petrópolis: DP et Alii.

Campbell, D. T., & Stanley, J. C. (1979). Delineamentos experimentais e quase-experimentais de pesquisa. São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo.

Cronbach, L. J. (1936). Course Improvement through Evaluation. Columbia: Teachers College Record, 68.

Castro, C. M. (2005). Avaliação não é para amadores. In A. M. SOUZA. Dimensões da avaliação educacional (Org.), Petrópolis: Vozes.

Derlien, H. U. (2001). Una comparación internacional en la evaluación de las políticas públicas. Revista Do Serviço Público, 52 (1), 105-124.

Friedman, M. (1995). The role of government in education. In R. SOLO (Ed.), Economics and the public interest. New Jersey: Rutgers College.

Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. (2011). Avaliação de quarta geração. Campinas: Editora da Unicamp.

Iwasso, S. (2010). Nota mais alta não é educação melhor. São Paulo: Estado de São Paulo.

Lima, L. C. (2009). A democratização do governo das escolas públicas em Portugal. Sociologia, 19, 227-253.

_________. (2012). Elementos de hiperburocratização da administração educacional. In J. R. Silva Júnior (Orgs.), Trabalho e educação no século XX: experiências internacionais. São Paulo: Xamã.

________. (1997). O paradigma da educação contábil: políticas educativas e perspectivas gerencialistas no ensino superior em Portugal. Revista Brasileira em Educação, 4, 43-59.

_________. (2011). Políticas educacionais, organização escolar e trabalho dos professores. Educação: Teoria e Prática, 21 (38), 1-18.

House, E. R. (2000). Evaluación, ética y poder (3a ed.). Madrid: Ediciones Morata.

Oliveira, S. B., & Menegão, R. C. S. G. (2012). Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Educação & Sociedade, 33(119), 647-660.

Osborne, D., & Gaebler, T. (1998). Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público (10a ed.). Brasília: MH Comunicações.

Pasqual, M. (2012). Dialogando sobre políticas de regulação e avaliação no campo da educação. Roteiro, 37(2), 185-190.

Ravitch, D. (2011). Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina.

Rocha, M. V. F. (2017). Avaliação do Índice de desenvolvimento da educação básica (IDEB): um estudo nos municípios do Rio Grande do Norte (2011-2015) (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

Rossi, P., Lipsey, M. W., & Freeman, H. (2004). Evaluation: a systematic approach (7a ed.). Thousand Oaks: Sage Publications.

Schwartzman, S. (2005). As avaliações de nova geração. In A. M. Souza (Org.), Dimensões da avaliação educacional. Petrópolis: Vozes.

Scriven, M. (1967). The Methodology Of Evaluation. In R. W. Tyler, R. M. Gagné, & M. Scriven. (Eds.), Perspectives of Curriculum Evaluation (Serie Monograph Series on Curriculum Evaluation, n. 1). Chicago: Rand McNally & Co.

Shadish Júnior., W. R., Cook, T. D., & Leviton, L. C. (1991). Foundations of program evaluation: theories of practice. California: Sage Publications.

Sousa, S. Z. (2005). 40 Anos de Contribuição à Avaliação Educacional. Estudos em Avaliação Educacional, 16 (31).

Souza, L. M. (2017) Avaliação de políticas públicas e avaliação em educação: relacionamentos antigos, autonomia relativa e carreira solo. In: _________, A. S. Q. Sousa (Orgs.), Avaliação de políticas públicas e avaliação de educação. Curitiba: Editora CRV.

_________. (2014). Três ensaios sobre avaliação de políticas públicas. Natal: EDFURN.

Stake, R. E. (1967). The countenance of educational evaluation. Teachers College Record, 68, 1 (7), 523-540.

_________. (1971). Measuring what learners learn. Urbana: Center for Instructional Research and Curriculum Evaluation.

Stufflebeam, D. L. (2001). Evaluation Models. New Directions for Evaluation. 89, 7-89.

Weiss, C. H. (1978) Investigación evaluativa: métodos para determinar la eficiencia de los programas de acción. México: Editorial Trillas.

Wholey, J. S. (2010). Exploratory evaluation. In J. S. Wholey, H. P. Hatr, K. E. Newcomer (Eds.), Handbook of practical program evaluation (3a ed.). San Francisco: Published by Jossey-Bass.

Downloads

Publicado

2018-11-14

Como Citar

Souza, L. M. (2018). AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMO PESQUISA SOCIAL: QUESTÕES CIENTÍFICAS, POLÍTICAS E IDEOLÓGICAS. HOLOS, 5, 195–215. https://doi.org/10.15628/holos.2018.7066

Edição

Seção

ARTIGOS