RELAÇÕES DE GÊNERO E ERGONOMIA: ABORDAGEM DO TRABALHO DA MULHER OPERÁRIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.4772

Palavras-chave:

Relações de gênero, Ergonomia, Trabalho, Gênero

Resumo

Este artigo, de natureza teórica e empírica, descreve e aborda algumas condições de trabalho da mulher operária, sob a perspectiva de relações de gênero e intervenções ergonômicas. A partir da década de 1970, intensificou-se a participação da mulher no mercado de trabalho e, nos últimos anos elas deixaram de atuar somente naquelas áreas tipicamente femininas para ocupar espaço em profissões ditas masculinas que exigem força e resistência. O problema abordado são as dificuldades encontradas pelas mulheres operárias entrevistadas nesses ambientes laborais e a necessidade de adaptações ergonômicas dos postos de trabalho, de forma a atender as suas necessidades pessoais para a execução de suas atividades de forma eficiente e segura. Os resultados apontam para um silenciamento das relações de gênero no setor industrial, sobretudo quando se analisa as condições ergonômicas das atividades na perspectiva de uma subjetiva sexuada e atuante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mislene Rosa, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG.

Mestranda em Educação Tecnológica - Bolsista CNPq

Departamento de Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica

Raquel Quirino, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG.

Pós-Doutora em Educação

Departamento de Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica

Referências

Abergo- Associação Brasileira de Ergonomia. (2000). A certificação do ergonomista brasileiro. Editorial do Boletim, 1.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. Boitempo Editorial.

Antunes Lima, F. P., & Diniz, E.F. (2007). Novas tecnologias construtivas e acidentes na construção civil: o caso da introdução de um novo sistema de escoramento de formas de laje. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 32(115).

Antunes Lima, F. P. (2011). Ergonomia, ciência do trabalho, ponto de vista do trabalho: a ciência do trabalho numa perspectiva histórica. Revista Ação Ergonômica, 1(2).

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego [MTE]. (1983). Norma Regulamentadora Ministério do Trabalho e Emprego. NR-4: Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego [MTE]. (1990). Norma Regulamentadora Ministério do Trabalho e Emprego. NR-17: Ergonomia. 1990.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego [MTE]. (2002) Manual de Aplicação da Norma Regulamentadora nº 17. Brasília: MTE, SIT.

Brasil. Ministério da Previdência Social [MPS]. (2015). Informe de Previdência Social: A Mulher e a Previdência Social. 27(2)

Daniellou, F. (2004). A ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Edgard Blücher.

DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (2012). A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: DIEESE.

Hirata, H. & Kergoat, D. (2008). Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico: Brasil, França, Japão. Mercado de trabalho e gênero – comparações internacionais. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 263-178.

Hirata, H. (2004). O universo do trabalho e da cidadania das mulheres: um olhar do feminismo e do sindicalismo. Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT, 13-20.

Hirata, H. (2003). Por quem os sinos dobram?. Trabalho e Cidadania Ativa para as Mulheres, 15.

Hirata, H. (2002). Nova divisão sexual do trabalho?: um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo.

Hirata, H. (1995). Relações sociais de sexo e do trabalho: contribuição à discussão sobre o conceito de trabalho. Em Aberto, Brasília-DF, 15-65.

Hirata, H., & Kergoat, D. (1994). A classe operária tem dois sexos. Revista Estudos feministas, 2(3).

Neves, I. R. (2006). LER: trabalho, exclusão, dor, sofrimento e relação de gênero. Um estudo com trabalhadoras atendidas num serviço público de saúde. Caderno Saúde Pública, 22(6), 1257-65.

OIT, Organização Internacional do Trabalho. Igualdade de gênero e raça, erradicação da pobreza e geração de emprego. Disponível em: http://www.oit.org.br/content/genero-e-raca. Acesso em 09 set. 2015.

Pereira, E. R. (2003). Fundamentos de ergonomia e fisioterapia do trabalho. Rio de Janeiro: Taba Cultural.

Quirino, R. (2011). Mineração também é lugar de mulher! Desvendando a (nova?!) face da divisão sexual do trabalho na Mineração de Ferro (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Resende, M. C. (2012). Mulheres em ambientes masculinizados: análise da inserção de mulheres nos canteiros de obras da Construção Civil em duas empresas de Belo Horizonte (Dissertação Mestrado). Faculdade de Administração, Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Santos, N., & Fialho, F. (1998). Manual de análise ergonômica do trabalho. Curitiba: Gênesis, 2, 316.

Toledo, C. (2008). Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sundermann.

Tomasi, A. P. (1999). A construção social da qualificação dos trabalhadores da Construção Civil de Belo Horizonte: um estudo sobre os Mestres-de-Obras, Relatório de pesquisa-CNPq. Belo Horizonte, Fafich-UFMG.

Vidal, M. C. (2010). Introdução à ergonomia. Apostila do Curso de Especialização em Ergonomia Contemporânea/CESERG. Rio de Janeiro: COPPE/GENTE/UFRJ.

Vieira, C. E. C., Barros, V. A., & Antunes Lima, F. P. (2007). Uma abordagem da Psicologia do Trabalho, na presença do trabalho. Psicologia em Revista, 13(1), 155-168.

Downloads

Publicado

14/11/2017

Como Citar

Rosa, M., & Quirino, R. (2017). RELAÇÕES DE GÊNERO E ERGONOMIA: ABORDAGEM DO TRABALHO DA MULHER OPERÁRIA. HOLOS, 5, 345–359. https://doi.org/10.15628/holos.2017.4772

Edição

Seção

ARTIGOS