UM ESTUDO DE CASO COM ESTUDANTES EM CURSO FIC PRONATEC ENVOLVENDO CONHECIMENTOS SOBRE PROBLEMAS SOCIAIS E AMBIENTAIS

Autores

  • João Franciso Fernandes Pouey Professor do IFSul-Rio-Grandense, câmpus Pelotas
  • Luís Fernando da Silva Laroque Centro Universitário Univates, Lajeado/RS

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2019.4222

Palavras-chave:

Pronatec, educação técnica, construção civil, problemática social e ambiental.

Resumo

As políticas públicas para a formação profissional tiveram significativo investimento no primeiro governo Dilma no Brasil e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), alcançou a meta de oito milhões de matriculas em cursos técnicos de grau médio ou de formação inicial e continuada (FIC). O objetivo do estudo é identificar se a capacitação técnica dos cursos FIC foi desenvolvida juntamente com a formação social e política dos estudantes com vista aos conhecimentos dos problemas sociais e ambientais.  A pesquisa é qualiquantitativa e os procedimentos metodológicos constitui-se na aplicação de questionários em uma amostragem com 10 estudantes do curso de capacitação ou FIC do Pronatec - área da construção civil de Mestre de Obras no Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), câmpus Pelotas, Rio Grande do Sul. Consultou-se documentos, tais como Projeto Político Pedagógico, matriz curricular, conteúdos programáticos e a legislação sobre o Pronatec, os quais foram analisados com base em autores que tratam da educação profissional, educação ambiental e construção civil e ambiente. Constatou-se que o curso propicia pouca quantidade de conhecimento sobre a problemática ambiental e fazem parte dos conteúdos somente de uma disciplina, enquanto deveriam ser trabalhados de maneira transversal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Franciso Fernandes Pouey, Professor do IFSul-Rio-Grandense, câmpus Pelotas

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Desenvolvimento, bolsista taxa PROSUP/CAPES, Graduação em Engenharia Civil, Mestre em Educação Ambiental (PPGEA/FURG), Professor do IFSul-Rio-Grandense, câmpus Pelotas.

Luís Fernando da Silva Laroque, Centro Universitário Univates, Lajeado/RS

Doutor em História. Professor e Pesquisador do Curso de História e do Programa de Pós Graduaçaõ em Ambiente e Desenvolivmento do Centro Universitário Univates.

Referências

[...] poder-se-ia entender o Pronatec como o sucessor dos programas de qualificação profissional do governo federal, porém, o que se verifica é a continuidade desarticulada de ações como o Proeja, o Projovem e o PNQ (o Brasil Profissionalizado foi desativado).

[...] o pagamento de bolsas de qualificação em programas como o Pronatec, boa parte de seu público que se enquadra também como alvo do Projovem pode neste programa usufruir de tal benefício, mostrando o problema da competição (CAMPOS, 2012, p. 7).

Compreende tecnologias relacionadas à construção civil e ao transporte. Contempla ações de planejamento, operação, manutenção, proposição e gerenciamento de soluções tecnológicas para infraestrutura. Abrange obras civis, topografia, transporte de pessoas e bens, mobilizando, de forma articulada, saberes e tecnologias relacionadas ao controle de trânsito e tráfego, ensaios laboratoriais, cálculo e leitura de diagramas e mapas, normas técnicas e legislação. Características comuns deste eixo são a abordagem sistemática da gestão da qualidade, ética, segurança, viabilidade técnico-econômica e sustentabilidade (MEC Pronatec, 2013).

Entende-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade (BRASIL, Lei nº 9.795/1999, art. 1º).

A educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal (BRASIL, Lei nº 9.795/1999, art. 2º).

A pedagogia da cidadania ambiental da era planetária extrapola, em consequência, os estreitos limites da educação tradicional centrada na lógica da competição e acumulação, e na produção ilimitada de riqueza sem considerar os limites da natureza e as necessidades dos outros seres do cosmos.

Um aspecto básico da planetariedade é sentir e viver o fato de que fazemos parte constitutiva da Terra: esse ser vivo e inteligente que pede de nós relações planetárias, dinâmicas e sinérgicas (GUTIÉRREZ; PRADO, 2008, p. 38).

A construção civil é uma atividade de fundamental importância na constituição das necessidades do homem e no benefício da civilização, independentemente do modo de produção em que se desenvolve. Devido a esta importância e interferência que provoca na sociedade, precisa ser repensada, principalmente no Brasil, onde o desemprego, subemprego e a distribuição de renda são problemas sociais crônicos (POUEY, 2012, p. 79).

A bem dizer, a palavra “ensino” não me basta, mas a palavra “educação” comporta um excesso e uma carência. Neste livro, vou deslizar entre os dois termos, tendo em mente um ensino educativo.

A missão desse ensino é transmitir não o mero saber, mas uma cultura que permita compreender nossa condição e nos ajude a viver, e que favoreça, ao mesmo tempo, um modo de pensar aberto e livre (MORIN, 2003, p. 11).

[...] merecem destaque os conteúdos relativos às novas formas de organização e gestão dos processos produtivos e das novas relações sociais por estes determinadas, incluindo-se ai os novos processos de qualidade, não exclusivamente inscritos no âmbito da produtividade, mas principalmente no âmbito da qualidade de vida de toda as dimensões, compreendendo a preservação do ambiente; os conteúdos relativos aos novos instrumentos de gestão e controle do trabalho; as transformações que estão sendo propostas para a legislação trabalhista e previdenciária; as novas formas da organização da economia e dos trabalhadores como alternativas às antigas formas de enfrentamento das condições entre capital e trabalho; as novas demandas de educação geral e profissional para os trabalhadores; os impactos das novas tecnologia sobre a saúde a segurança em geral e no trabalho e assim por diante (KUENZER, 2001, p. 7).

Assim, pensa o ser humano em sua peculiaridade (atividade transformadora da natureza na história, gerando cultura), na qual a relação “eu-mundo” se dá por mediações criadas na vida em sociedade. Logo, em Educação Ambiental, segundo a perspectiva marxiana, pensar em mudar comportamentos, atitudes, aspectos culturais e formas de organização, significa pensar em transformar o conjunto das relações sociais nas quais estamos inseridos, as quais constituímos e pelas quais somos constituídos, o que exige, dentre outros, ação política coletiva, intervindo na esfera pública, e conhecimento das dinâmicas social e ecológica (LOUREIRO, 2004, p. 122).

Este é um curso para aperfeiçoamento de pessoal que atua em canteiro de obra compreendendo tecnologias relacionadas à construção civil. Abrange obras civis, mobilizando, de forma articulada, saberes e tecnologias relacionadas às atividades do profissional no canteiro de obras civis. O curso terá abordagem sistemática da gestão da qualidade, ética, segurança, conhecimento de materiais, normas técnicas, práticas construtivas e sustentabilidade (IFSul – PPC Mestre de Obras, 2012, p. 3).

No Brasil, a educação profissional sempre esteve associada a um conceito de formação estritamente relacionado ao fazer, refletindo uma cultura que segmenta a sociedade entre os que avançam para ensino superior e os que irão para o mundo do trabalho com as qualificações mínimas necessárias. No entanto, com os avanços científicos e tecnológicos, não faz mais sentido sustentar esta visão. A característica marcante da educação profissional e tecnológica é a associação entre teoria e prática. Mas para compreender a teoria é preciso que o processo formativo leve em consideração a base humanística, científica e tecnológica necessária, para que se possa desenvolver a dimensão prática do trabalho, a condição para iniciar uma carreira profissional e ainda a base para continuar os estudos em nível de graduação e pós-graduação (FERES, 2015, s/p).

Downloads

Publicado

24/12/2019

Como Citar

Pouey, J. F. F., & Laroque, L. F. da S. (2019). UM ESTUDO DE CASO COM ESTUDANTES EM CURSO FIC PRONATEC ENVOLVENDO CONHECIMENTOS SOBRE PROBLEMAS SOCIAIS E AMBIENTAIS. HOLOS, 4, 1–20. https://doi.org/10.15628/holos.2019.4222

Edição

Seção

ARTIGOS