COMO OS DOCENTES DE CURSOS TÉCNICO INTEGRADOS COMPARTILHAM A GESTÃO DA INDISCIPLINA

Autores

  • Icaro Alencar Rodrigues Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba
  • Márcia Costa Gomes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba http://orcid.org/0000-0003-1075-3041
  • Larissa Carvalho Marques Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.3301

Palavras-chave:

indisciplina, compartilhamento, gestão, curso técnico integrado, ensino médio.

Resumo

A indisciplina é um fator presente no âmbito educacional e, por ter uma complexidade de causas que a propiciam, requer um trabalho em conjunto de todos os atores educacionais. Para tanto esta pesquisa de campo e explicativa tem como objetivo investigar, por meio de questionário, como os docentes que lecionam nos Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba – Câmpus Campina Grande gerenciam a indisciplina em sala de aula, mais especificamente como ocorre a gestão compartilhada dos comportamentos indisciplinados dos discentes em sala de aula, entre professores e demais setores e agentes educacionais desta instituição. Os resultados apontam que a maior parte dos professores investigados não solicita auxílio para tratar de questões de indisciplina, e para aqueles que costumam solicitar ajuda apenas raramente o fazem, assim como a Coordenação Pedagógica, a Coordenação de Assistência ao Estudante e as Auxiliares Educacionais são as principais fontes de apoio para a maioria. Os resultados deste trabalho ampliam a possibilidade de se investigar, por exemplo, os motivos que levam os docentes a não solicitarem apoio mediante os casos de indisciplina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Icaro Alencar Rodrigues, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Psicólogo do IFPB - Câmpus Campina Grande, Mestrando em Gestão nas Organizações Aprendentes pela UFPB; Especialista em Saúde Mental; Pesquisador nas áreas de Educação, Psicologia e Sexualidade.

Márcia Costa Gomes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Professora do IFPB - Campus Campina Grande, Mestre em Geografia. Pesquisadora na Área de Educação.

Larissa Carvalho Marques, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Estudante do Curso de Licenciatura em Matemática do IFPB - Câmpus Campina Grande. Pesquisadora na Área de Educação.

Referências

Andrade, M. M. de. (2002). Como Preparar trabalhos para cursos de Pós-Graduação: noções práticas. (5a ed.) São Paulo: Atlas.

Antunes, C. (2010). Professores e Professauros: reflexões sobre a aula e práticas pedagógicas diversas (4a ed.) Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Antunes, C. (2009). Professor bonzinho = aluno difícil: a questão da indisciplina em sala de aula (7a ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.

Aquino, J. G. Da (contra)normatividade do cotidiano escolar: problematizando discursos sobre a indisciplina discente. (2011). Cadernos de Pesquisa. 41(143), 456-484. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742011000200007.

Barceló, M., & Guillot, S. (2013). Gestión de proyectos complejos: una guia para la inovación y el empreendimento. Madrid: Ediciones Pirámide.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (3a reimp. da 1a ed.). Lisboa: Edições 70.

Comte-Sponville, A. (1998). Pequeno tratado das grandes virtudes (1a ed., 7a. Tiragem). São Paulo: Martins Fontes.

Dourado, E. T. S., de Figueirêdo, A. T. B., de Farias, E. C. S., Damásio, B. F., de Aquino, T. A. A., & da Silva, J. P. (2010). Educar para o sentido: uma intervenção prática. In B. F., Damásio, J. P. Silva; T. A. A. Aquino. (Orgs.) Logoterapia e Educação. São Paulo: Paulus.

Estrela, M. T. (1992). Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula. Portugal: Porto Editora.

Foucault, M. (2004). Vigiar e Punir (29a ed.) Petrópolis: Vozes.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Goiás (Estado). Ministério Público (2010). Como Proceder Frente à Indisciplina Escolar – Cartilha de Orientações. Escola Superior do Ministério Público do Estado de Goiás. Goiânia.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. (2011). Regulamento Disciplinar para o Corpo Discente – Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio. Recuperado de http://www.ifpb.edu.br/reitoria/pro-reitorias/pre/regulamentos-disciplinares/Regulamento%20Disciplinar%20-%20Integrado%20-%20Versao%20final.pdf/view.

Lück, H. (2009). Dimensões de gestão escolar e suas competências. Curitiba: Positivo.

Parrat- Dayan, S. (2009). Como enfrentar a indisciplina na escola. São Paulo: Contexto.

Phelan, T. W., & Schounour, S. J. (2009). 1, 2, 3 – mágica para professores – disciplina efetiva em sala de aula. Porto Alegre: Artmed.

Pires, D. B. (1999). Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola. Educação & Sociedade, 20(66), 181-185. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301999000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

Rodrigues, I. A. de A., Marques, L. C., & Gomes, M. M. C. (2012). Como a Indisciplina em Sala de Aula Interfere no Trabalho Docente. Revista Principia, 20.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. (23a ed. rev. e atual.) São Paulo: Cortez.

Vasconcellos, C. dos S. (1997). Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola, 28, FDE. Recuperado de http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_28_p227-252_c.pdf.

Zagury, T. (2009). O professor refém: para pais e professores entenderem por que fracassa a educação no Brasil (9a ed.) Rio de janeiro: Record.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Rodrigues, I. A., Gomes, M. C., & Marques, L. C. (2017). COMO OS DOCENTES DE CURSOS TÉCNICO INTEGRADOS COMPARTILHAM A GESTÃO DA INDISCIPLINA. HOLOS, 4, 171–184. https://doi.org/10.15628/holos.2017.3301

Edição

Seção

ARTIGOS