PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E IMPACTOS AMBIENTAIS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Autores

  • Silas Sarkiz da Silva Martins Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN
  • Matheus Oliveira de Azevedo Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Mikaias Pereira da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Valdenildo Pedro da Silva Instituto Federal do Rio Grande do Norte Campus Natal Central http://orcid.org/0000-0002-9897-0026

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.2201

Palavras-chave:

Meio ambiente, Petróleo, Produção, Impacto ambiental

Resumo

O petróleo está a cada dia sendo mais explorado e tem sido um recurso energético gerador de divisas para a economia de países e nações, a exemplo do Brasil, mas, também, difusor de impactos ambientais negativos. As etapas que envolvem a produção de petróleo desde a perfuração de poços até o refino, direta ou indiretamente, têm causado alterações ao meio ambiente. O objetivo deste estudo foi o de compreender os principais impactos ambientais gerados pelas etapas de produção de petróleo, considerando estudos de impacto ambiental (EIAs) e seus respectivos relatórios de impacto ambiental (RIMAs). A avaliação dos impactos ambientais se dá através do diagnóstico ambiental da área de influência do empreendimento, o qual é feito para se conhecer os componentes dos meios físico, biológico e socioeconômico da área e, posteriormente, avaliar os efeitos das atividades do empreendimento sobre os mesmos. Pela complexidade da composição química do petróleo, o risco quanto as suas atividades e seu manuseio é, na maioria dos casos, de grande potencial, pois pode haver acidentes, que, por sua vez, podem interferir negativamente no meio ambiente. Ao término do estudo, concluiu-se que a fase de produção de petróleo apresenta diversos aspectos ambientais, os quais geram impactos. Viu-se que os impactos não são apenas de caráter negativo. E, por fim, sugere-se a aplicação de medidas mitigadoras e de um sistema de gestão ambiental eficaz para a minimização e/ou eliminação de tais impactos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silas Sarkiz da Silva Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN

Técnico em Controle Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte e aluno do curso de Segurança do Trabalho pela mesma instituição. Aluno do curso de Ciências e Tecnologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Matheus Oliveira de Azevedo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Técnico em Controle Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Aluno do curso de Ciências e Tecnologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Mikaias Pereira da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Técnico em Controle Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Aluno do curso de Ciências e Tecnologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Valdenildo Pedro da Silva, Instituto Federal do Rio Grande do Norte Campus Natal Central

Coordenador do Curso de Mestrado em Recursos Naturais - IFRN

 

Referências

ARCADIS tetraplan. Estudo sobre o potencial de geração de energia a partir de resíduos de saneamento (lixo, esgoto), visando incrementar o uso de biogás como fonte alternativa de energia renovável. Disponível em: <http://www.higieneocupacional.com.br/download/radiacao-astete.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Sistema de gestão ambiental: especificação e diretrizes para so - NBR ISO 14001. Out./ 2004.

BAHIA. G. O. IPEA. Cenário mundial influencia matriz energética brasileira. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/>. Acesso em: 07 dez. 2012.

BARBIERI, J. C. Impacto ambiental. In: ______. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. P. 289-290

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução 001/1986. Brasília, 1986.

______. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Relatório de impacto ambiental – RIMA: atividade de perfuração marítima blocos BM-POT-16 e BM-POT-17 Bacia Potiguar. Brasil, 2010. 41 p.

______. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Estudo de impacto ambiental – EIA: desenvolvimento e escoamento da produção de petróleo bloco BM-C-41, Bacia de Campos. Brasil, 2011. 43 p.

______. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Relatório de impacto ambiental – RIMA: desenvolvimento integrado da produção e escoamento na área denominada Parque das Baleias e no campo de Catuá. Brasil, 2007. 79 p.

BOZELLI, R. L.; LOPES, A. F.; SANTOS, L. F.; SILVA, J. M. C. Impactos ambientais da exploração e produção de petróleo na bacia de campos, RJ. Brasília, IV Encontro Nacional da Anppas, 2008. Disponível em: < http://www.projetopolen.com.br/materiais/artigos/Impactos%20Ambientais%20da%20Exploracao%20e%20Producao%20de%20Petroleo%20na%20Bacia%20de%20Campos,%20RJ..pdf>. Acesso em: 10 set. 2012.

CARTA VERDE. Ecod: Carta Capital, 14 jun. 2012. Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/carta-verde/fontes-renovaveis-respondem-por-888-da-matriz-energetica-brasileira-diz-estudo/>. Acesso em: 07 dez. 2012.

CORRÊA, O. L. S. Petróleo: noções sobre exploração, perfuração, produção e microbiologia. Rio de Janeiro: ed. Interciência, 2003.

DIAS, S. Tipos de processos de refino de petróleo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

DRUMMOND, A. A. R. Perfilagem. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço energético nacional 2012 – ano base 2011: Resultados. Disponível em: <https://ben.epe.gov.br/downloads/Resultados_Pre_BEN_2012.pdf>. Acesso em: 07 dez. 2012.

IBGE. Extração, importação, exportação e consumo aparente de petróleo bruto — 1935-87. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/seculoxx/economia/atividade_economica/setoriais/energia/9_05a_energia1935_93.xls>. Acesso em: 15 nov. 2012.

KIMURA, R. M. Indústria brasileira de petróleo: uma análise da cadeia de valor agregado. 2005. 103 f. Monografia (Bacharelado em Economia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

LUCCHESI, C. F. Petróleo. São Paulo: Dossiê de recursos naturais, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141998000200003&lang=pt>. Acesso em: 05 nov. 2012.

MATOS, A. T. Poluição ambiental: impactos no meio físico. Viçosa: UFV, 2010.

MILLIOLLI, V. S. Avaliação da potencialidade da utilização de surfactantes na biorremediação de solo contaminado com hidrocarbonetos de petróleo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

NOGUEIRA, L. A. H. Perspectivas na produção e processamento de petróleo e gás natural no Brasil. Disponível em: <http://www.cgu.unicamp.br/energia2020/Ter%E7a%2011%20Horta%20Nogueira.ppt>. Acesso em: 07 dez. 2012.

PAZ, J. C.; ALCINO, M. Artigo o petróleo. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA95YAF/artigo-petroleo>. Acesso em: 23 out. 2012.

PETROBRAS. Nossa história. Disponível em: <http://www.petrobras.com.br/pt/quem-somos/nossa-historia>. Acesso em: 05 nov. 2012.

______. Plano de negócios 2010-2014. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: Acesso em: 07 dez. 2012.

______. Processos de refino. Curitiba, 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

______. Pré-sal. Brasília, 2014. Disponível em: <http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/areas-de-atuacao/exploracao-e-producao-de-petroleo-e-gas/pre-sal/>. Acesso em 30 mai. 2014.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de textos, 2006.

SANTOS, P. E. S. et al. Métodos de recuperação secundária convencionais. Sergipe: Universidade Tiradentes, 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

SILVA, V. P.; PEGADO, É. A. C. Licenciamento ambiental on shore: limite e otimização. Natal: IFRN, 2009.

SZKLO, A. S. Fundamentos do refino de petróleo. Rio de Janeiro: ed. Interciência, 2005.

THOMAS, J. E. et al. Fundamentos de engenharia de petróleo. Rio de Janeiro: ed. Interciência, 2004.

Downloads

Publicado

11/12/2015

Como Citar

Martins, S. S. da S., Azevedo, M. O. de, Silva, M. P. da, & Silva, V. P. da. (2015). PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E IMPACTOS AMBIENTAIS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. HOLOS, 6, 54–76. https://doi.org/10.15628/holos.2015.2201

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.