ANÁLISE DE ESTRATÉGIAS DE ISOLAMENTO SOCIAL PARA O ENFRENTAMENTO DA PANDEMIA DA COVID-19 EM MINAS GERAIS/BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.11460

Palavras-chave:

modelagem matemática, coronavírus, quarentena, curva epidêmica

Resumo

A pandemia da COVID-19 tem desafiado gestores e pesquisadores na busca de melhores estratégias para enfrentamento da doença e impedir o colapso do sistema de saúde. Este artigo avalia diferentes estratégias de isolamento social a fim de verificar sua eficácia na redução do número de infectados e mortes provenientes da COVID-19.  Através da modelagem matemática e simulação computacional,   analisou-se três  diferentes tipos de isolamento social  para o estado de Minas Gerais/Brasil, considerando o isolamento  social rígido definido com uma redução de 80% do contato social , distribuídos em períodos ininterruptos de 48 (quarenta e oito) dias  ou intercalados com períodos de isolamento social otimizado, buscando assim alternativas que viabilização a prestação de serviço e a geração de renda. A estratégia na qual adota-se o isolamento rígido apenas aos finais de semana, intercalando com o isolamento otimizado com redução de 55% do contato social de segunda a sexta, apresentou uma taxa de redução de 18,6% no número total de óbitos e infectados quando comparada com o mesmo período de isolamento rígido aplicado de forma ininterrupta, reduzindo em 8,6% destes números em relação ao que se projeta hoje para o estado caso seja mantida a taxa média de isolamento atual. Os resultados obtidos permitem uma projeção do cenário da pandemia no estado e auxiliam na análise de alternativas para o enfrentamento desta em Minas Gerais e no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Anamaria de Oliveira Cardoso, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia (2009) e mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia (2011) e doutorado pela Universidade de São Carlos (UFSCar). Atualmente é Professora Adjunta na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), atuando principalmente nos seguintes temas: Modelagem, Otimização e Controle de Processos Químicos com ênfase em sistemas não-lineares, controladores preditivos (MPC), otimização de sistemas em larga escala e plantwide control.  

Nádia Guimarães Sousa, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia (2008). Mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia (2010) com ênfase em propagação de falhas e Doutorado em Engenharia Química pela mesma instituição (2015) com ênfase em controle tolerante a falhas por alocação de controle. Tem experiência na área de Modelagem, Simulação, Otimização e Controle de Processos Químicos. Atualmente é docente da Universidade Federal do Triângulo Mineiro no curso de Engenharia Química.

Renato Fleury Cardoso, Instituto Lucano

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Uberlândia (2008). Pós graduado em acupuntura e mestrado em Reabilitação e Desempenho Funcional pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Atualmente é professor do Instituto de Pós-Graduação Unisaúde lecionando no Curso de Acupuntura. Diretor do Instituto Lucano, onde ministra cursos da área da Medicina Tradicional Chinesa e práticas integrativas. Tem experiência na área de Educação Física e em ACUPUNTURA, atuando principalmente nos seguintes temas: qualidade de vida relacionada a saúde, qualidade de vida, dor e acupuntura.

Alex Garcez Utsumi, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Possui graduação em Engenharia Ambiental e mestrado em Ciências Cartográficas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, câmpus de Presidente Prudente. Doutor pelo programa de Pós-Graduação em Agronomia, área de concentração Ciência do Solo da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias -UNESP, Jaboticabal. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal do Triângulo Mineiro- UFTM, vinculado ao departamento de Engenharia Ambiental. Tem experiência nas áreas de Sistemas de Informações Geográficas, Cartografia e Sensoriamento Remoto, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise de Imagens Baseada em Objetos Geográficos, análise temporal dos recursos naturais e classificação de imagens multiespectrais. 

Referências

Aquino, E. M. L., Silveira, I. H., Pescarini, J. M., Aquino, R., & Souza-Filho, J. A. de. (2020). Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 25, 2423–2446.

Caetano, M. T. P. (2010). Modelagem matemática da Influenza A (H1N1). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas.

Castilho, C., Gondim, J. A. M., Marchesin, M., & Sabeti, M. (2020). Assessing the efficiency of different control strategies for the coronavirus (COVID-19) epidemic. arXiv preprint arXiv:2004.03539.

Codeço, C. T., & Coelho, F. C. (2012). Modelagem de doenças transmissíveis. Oecologia Australis, 16(1), 110–116.

Croda, J. H. R., & Garcia, L. P. (2020). Resposta imediata da Vigilância em Saúde à epidemia da COVID-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 29(1–3).

Domingues, E., Guedes, G., Ribeiro, R., Magalhães, A., Freire, D., Santos, R., … Miyajima, D. (2020). Cenários de isolamento social da COVID19 e impactos econômicos em Minas Gerais.

Eikenberry, S. E., Mancuso, M., Iboi, E., Phan, T., Eikenberry, K., Kuang, Y., … Gumel, A. B. (2020). To mask or not to mask: Modeling the potential for face mask use by the general public to curtail the COVID-19 pandemic. Infectious Disease Modelling.

Fiúza, P. (2020). 70% das mortes por Síndrome Respiratória em Minas são por causa indeterminada e governo admite falha em testes. Recuperado 11 de julho de 2020, de G1 website: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2020/06/24/70percent-das-mortes-por-sindrome-respiratoria-em-minas-sao-por-causa-indeterminada-e-governo-admite-falha-em-testes.ghtml

Galante, G. (2008). Epidemiologia matemática e computacional. Artigo Científico, Unioeste.

Geard, N., Giesecke, J. A., Madden, J. R., McBryde, E. S., Moss, R., & Tran, N. H. (2020). Modelling the economic impacts of epidemics in developing countries under alternative intervention strategies. In Environmental Economics and Computable General Equilibrium Analysis (p. 193–214). Springer.

InLoco. (2020). Mapa Brasileiro da COVID-19. Recuperado 13 de julho de 2012, de https://mapabrasileirodacovid.inloco.com.br/pt/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2019). População estimada.

Jia, J., Ding, J., Liu, S., Liao, G., Li, J., Duan, B., … Zhang, R. (2020). Modeling the control of COVID-19: Impact of policy interventions and meteorological factors. arXiv preprint arXiv:2003.02985.

Johns Hopkins CSSE. (2020). COVID-19 Dashboard by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU). Recuperado 9 de julho de 2020, de ArcGIS website: https://www.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6

Kupferschmidt, K., & Cohen, J. (2020). Can China’s COVID-19 strategy work elsewhere? American Association for the Advancement of Science.

Lacerda, M. J., & Nepomuceno, E. G. (2020). Uma nova estratégia de controle para o lockdown na pandemia da COVID-19.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2020). Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo Coronavírus. Recuperado 9 de julho de 2020, de OPAS: Brasil website: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=8%0A75

Savi, P. V., Savi, M. A., & Borges, B. (2020). A Mathematical Description of the Dynamics of Coronavirus Disease (COVID-19): A Case Study of Brazil. Recuperado de http://arxiv.org/abs/2004.03495

Secretaria do Estado da Fazenda de Minas Gerais (SEF). (2020). Coronavírus- Decretos e Resoluções. Recuperado 14 de julho de 2020, de http://www.fazenda.mg.gov.br/coronavirus/instrumentos-normativos/decretos-e-resolucoes/

Secretaria Estadual de Saúde (SES). (2020a). Boletim Epidemiológico. Recuperado de http://coronavirus.saude.mg.gov.br/boletim

Secretaria Estadual de Saúde (SES). (2020b). Boletim Epidemiológico e Assistencial (Edição Especial) no 12. Recuperado de http://coronavirus.saude.mg.gov.br/images/boletim/07-julho/01-07_Boletim_Edicao-Especial-N11.pdf

Secretaria Estadual de Saúde (SES). (2020c). Boletim Epidemiológico e Assistencial COVID-19 (Edição Especial) no 11. Recuperado de http://coronavirus.saude.mg.gov.br/images/boletim/07-julho/08-07-Boletim_Edicao_Especial_N12.pdf

Secretaria Estadual de Saúde (SES). (2020d). Painel de Monitoramento dos Casos. Recuperado 3 de julho de 2020, de http://coronavirus.saude.mg.gov.br/painel

Wilder-Smith, A., & Freedman, D. O. (2020). Isolation, quarantine, social distancing and community containment: pivotal role for old-style public health measures in the novel coronavirus (2019-nCoV) outbreak. Journal of travel medicine, 27(2).

Downloads

Publicado

11/01/2021

Como Citar

Cardoso, A. de O., Sousa, N. G., Cardoso, R. F., & Utsumi, A. G. (2021). ANÁLISE DE ESTRATÉGIAS DE ISOLAMENTO SOCIAL PARA O ENFRENTAMENTO DA PANDEMIA DA COVID-19 EM MINAS GERAIS/BRASIL. HOLOS, 5, 1–19. https://doi.org/10.15628/holos.2020.11460

Edição

Seção

Dossiê COVID-19 e o mundo em tempos de pandemia