PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL EM TEMPOS DE COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.10910

Palavras-chave:

Pandemia, Isolamento social, Educação, Tecnologias digitais, Aula remota, Professores

Resumo

O presente artigo investiga as condições de trabalho remoto e a distância, impostas ao professor da educação básica, devido ao isolamento social decretado em função da Pandemia decorrente da propagação da COVID-19, que é uma doença que tem como principal consequência a insuficiência respiratória grave em um número expressivo de pacientes. A pesquisa se justifica pela abrangência da problemática, os impactos e a necessidade de compreensão desse momento da educação básica na perspectiva dos professores. Assim, a pesquisa permite compreender potencialidades e limites da atuação docente durante a pandemia com vistas ao aperfeiçoamento da sua prática. Metodologicamente, a pesquisa é de natureza aplicada, com objetivo exploratório e descritivo. Utilizou-se como instrumento um questionário estruturado aplicado em formato digital, distribuído conforme a técnica bola de neve, no prazo de dez dias, em que cada respondente era convidado a repassar o questionário a outros sujeitos que exerciam a docência na educação básica. Obtiveram-se 272 respostas de professores que atuam na educação básica, constituindo uma amostra não probabilística. A análise dos dados é quali-quantitativa. Concluiu-se que o isolamento social afetou expressivamente a vida pessoal e profissional dos professores. A intensificação da vida familiar mostrou-se um fenômeno ambíguo. A vida profissional também foi drasticamente afetada, levando à necessidade de se conhecerem novas ferramentas e modos de desempenhar a função, demandando mais tempo e esforço. O exercício das atividades profissionais em casa ainda levou ao esmaecimento das fronteiras entre uma esfera e outra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Joel Haroldo Baade, Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP, Caçador, SC

Doutor. Docente dos Programas de Mestrado Interdisciplinar em Desenvolvimento e Sociedade e Profissional em Educação da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP.

Cristiane Elizabeth Gabiec, Escola Municipal Professora Antonieta Montanari

Mestranda no Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação Básica. Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP. Caçador, Santa Catarina, Brasil. Professora da Rede Municipal de União da Vitória - Escola Municipal Professora Antonieta Montanari.

Fabiana Kitiane Carneiro, Escola Municipal Professora Dille Testi Capriglione

Mestranda no Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação Básica. Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP. Caçador, Santa Catarina/Brasil. Professora da Rede Municipal de União da Vitória - Escola Municipal Professora Dille Testi Capriglione. Bolsa parcial provida pela UNIARP e pela Prefeitura de União da Vitória, PR.

Sandra Ciane Prawucki Micheluzz, Centro de Educação Infantil Mundo Infantil na Rede Municipal de Educação do Município de Massaranduba

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação Básica (PPGEB) da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP). Gestora do Centro de Educação Infantil Mundo Infantil na Rede Municipal de Educação do Município de Massaranduba (2019). Membro do Grupo de Pesquisa em Criatividade, Ecoformação e Transdisciplinaridade (GCET) da UNIARP.

Pablo Andrés Reyes Meyer, Instituto Federal Catarinense, Campus Videira, SC.

Mestre em Desenvolvimento e Sociedade pela Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP. Docente no Instituto Federal Catarinense, Campus Videira, SC.

Referências

Brasil (2017). Lei 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017. 58 p. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf. Acesso em: 24 jun. 2019.

Brasil (2020a). Ministério da Educação. Portaria nº 343, de 17 de Março de 2020. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 22 jul. 2020.

Brasil (2020b). Ministério da Educação. Parecer CNE/CP Nº: 5/2020, de 28 de abril de 2020. Dispõe sobre a reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Disponível em: https://www.semesp.org.br/legislacao/parecer-cne-cp-no-5-2020. Acesso em: 29 mai. 2020.

Brasil (2020c). Ministério do Estado da Educação. Portaria Nº 345, de 19 de março de 2020. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Portaria-mec-345-2020-03-19.pdf. Acesso em: 19 jun. 2020.

Brasil (2020d). Ministério da Educação. Portaria Nº 356, de 20 de março de 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-356-de-20-de-marco-de-2020-249090908. Acesso em: 19 jun. 2020.

Brasil (2020e). Ministério da Saúde. Coronavirus – COVID-19. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br. Acesso em: 6 ago. 2020.

Buarque, C. (2003). Políticas do MEC no âmbito da Educação Pré-Escolar e do Ensino Fundamental. Brasília: FNDE.

Chaves, E. O. C. (1998). O futuro da escola na sociedade da informação. Campinas: Mindware.

Destro, M. R. P. (1999). Educação Continuada: Visão Histórica e Tentativa de Contextualização, São Paulo: Unicamp.

G1 (2020). Dois meses após a suspensão de aulas presenciais, alunos, pais e professores relatam como está a educação durante a pandemia. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2020/05/22/dois-meses-apos-a-suspensao-de-aulas-presenciais-alunos-pais-e-professores-relatam-como-esta-a-educacao-durante-a-pandemia.ghtml. Acesso em: 22 jul. 2020.

IPE (2019). INSTITUTO DE PESQUISAS EVOLUTIVAS. Tecnologia na Palma da Mão. Disponível em: http://www.ipe-instituto.org.br/index.php/ciencia-e-tecnologia/1092-tecnologia-na-palma-da-mao. Acesso em: 12 set. 2019.

LÉVY, P. (2005). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Libâneo, J. C. (2004). Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. revista e ampliada. Goiânia: Alternativa.

Martins, R. C. de R. (1999). Formação dos Profissionais do Magistério – PRASEM II, 2. ed. Brasília: FUNDO ESCOLA/MEC.

Nóvoa, A. (2002). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote.

PARANÁ (2020). Conselho Estadual de Educação do Paraná. DELIBERAÇÃO CEE/CP Nº 01/20, APROVADO EM 31 DE MARÇO DE 2020. Disponível em: http://www.cee.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/Deliberacoes/2020/deliberacao_01_20.pdf. Acesso em: 6 ago. 2020.

Pederneiras, M. M. M. et al. (2011). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes na visão de líderes formais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, 19 (71) 381-400, jun. 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-40362011000300009. Acesso em: 22 jul. 2020.

Prado, R. (2003). Profissão Professor: Aprender Sempre. Revista Escola. Edição abril de 2003.

RAMAL, A. C. (2002). Educação na cibercultura: hipertextualidade, leitura, escrita e aprendizagem. Porto Alegre: Artmed.

Recuero, R. C. (2000). A internet e a nova revolução na comunicação mundial. [s. l.], 2000. Disponível em: http://www.raquelrecuero.com/revolucao.htm. Acesso em: 12 set. 2019.

SANTA CATARINA (2020). Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina. RESOLUÇÃO CEE/SC Nº 009, de 19 de março de 2020. Disponível em: http://www.cee.sc.gov.br/index.php/legislacao-downloads/educacao-basica/outras-modalidades-de-ensino/educacao-basica/educacao-basica-ensino-especial-resolucoes/1812-resolucao-2020-009-cee-sc-2. Acesso em: 6 ago. 2020.

Silva, C., Souza, C. & Carmo, G. (2016). Educação de Jovens e Adultos e Novas Tecnologias da Informação: uma abordagem educacional. Holos, 2, 312-325. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.2666.

Souza, W. (2017). “Bolhas sociais”: uma crítica ao conceito vulgarizado. [s. l.]. Disponível em: https://acervocriticobr.blogspot.com/2017/03/bolhas-sociais-critica.html. Acesso em: 2 maio 2019.

Vaz, W. R. (2015). A Evolução da Internet 1.0 a 3.0. [s. l.], 2015. Disponível em: https://www.webartigos.com/artigos/a-evolucao-da-internet-1-0-a-3-0/134074. Acesso em: 2 maio 2019.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Como Citar

Baade, J. H., Gabiec, C. E., Carneiro, F. K., Micheluzz, S. C. P., & Meyer, P. A. R. (2020). PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL EM TEMPOS DE COVID-19. HOLOS, 5, 1–16. https://doi.org/10.15628/holos.2020.10910

Edição

Seção

Dossiê COVID-19 e o mundo em tempos de pandemia