PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E IMPACTOS AMBIENTAIS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Silas Sarkiz da Silva Martins, Matheus Oliveira de Azevedo, Mikaias Pereira da Silva, Valdenildo Pedro da Silva

Resumo


O petróleo está a cada dia sendo mais explorado e tem sido um recurso energético gerador de divisas para a economia de países e nações, a exemplo do Brasil, mas, também, difusor de impactos ambientais negativos. As etapas que envolvem a produção de petróleo desde a perfuração de poços até o refino, direta ou indiretamente, têm causado alterações ao meio ambiente. O objetivo deste estudo foi o de compreender os principais impactos ambientais gerados pelas etapas de produção de petróleo, considerando estudos de impacto ambiental (EIAs) e seus respectivos relatórios de impacto ambiental (RIMAs). A avaliação dos impactos ambientais se dá através do diagnóstico ambiental da área de influência do empreendimento, o qual é feito para se conhecer os componentes dos meios físico, biológico e socioeconômico da área e, posteriormente, avaliar os efeitos das atividades do empreendimento sobre os mesmos. Pela complexidade da composição química do petróleo, o risco quanto as suas atividades e seu manuseio é, na maioria dos casos, de grande potencial, pois pode haver acidentes, que, por sua vez, podem interferir negativamente no meio ambiente. Ao término do estudo, concluiu-se que a fase de produção de petróleo apresenta diversos aspectos ambientais, os quais geram impactos. Viu-se que os impactos não são apenas de caráter negativo. E, por fim, sugere-se a aplicação de medidas mitigadoras e de um sistema de gestão ambiental eficaz para a minimização e/ou eliminação de tais impactos.

Palavras-chave


Meio ambiente; Petróleo; Produção; Impacto ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ARCADIS tetraplan. Estudo sobre o potencial de geração de energia a partir de resíduos de saneamento (lixo, esgoto), visando incrementar o uso de biogás como fonte alternativa de energia renovável. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Sistema de gestão ambiental: especificação e diretrizes para so - NBR ISO 14001. Out./ 2004.

BAHIA. G. O. IPEA. Cenário mundial influencia matriz energética brasileira. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

BARBIERI, J. C. Impacto ambiental. In: ______. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. P. 289-290

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução 001/1986. Brasília, 1986.

______. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Relatório de impacto ambiental – RIMA: atividade de perfuração marítima blocos BM-POT-16 e BM-POT-17 Bacia Potiguar. Brasil, 2010. 41 p.

______. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Estudo de impacto ambiental – EIA: desenvolvimento e escoamento da produção de petróleo bloco BM-C-41, Bacia de Campos. Brasil, 2011. 43 p.

______. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Relatório de impacto ambiental – RIMA: desenvolvimento integrado da produção e escoamento na área denominada Parque das Baleias e no campo de Catuá. Brasil, 2007. 79 p.

BOZELLI, R. L.; LOPES, A. F.; SANTOS, L. F.; SILVA, J. M. C. Impactos ambientais da exploração e produção de petróleo na bacia de campos, RJ. Brasília, IV Encontro Nacional da Anppas, 2008. Disponível em: < http://www.projetopolen.com.br/materiais/artigos/Impactos%20Ambientais%20da%20Exploracao%20e%20Producao%20de%20Petroleo%20na%20Bacia%20de%20Campos,%20RJ..pdf>. Acesso em: 10 set. 2012.

CARTA VERDE. Ecod: Carta Capital, 14 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

CORRÊA, O. L. S. Petróleo: noções sobre exploração, perfuração, produção e microbiologia. Rio de Janeiro: ed. Interciência, 2003.

DIAS, S. Tipos de processos de refino de petróleo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

DRUMMOND, A. A. R. Perfilagem. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço energético nacional 2012 – ano base 2011: Resultados. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

IBGE. Extração, importação, exportação e consumo aparente de petróleo bruto — 1935-87. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2012.

KIMURA, R. M. Indústria brasileira de petróleo: uma análise da cadeia de valor agregado. 2005. 103 f. Monografia (Bacharelado em Economia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

LUCCHESI, C. F. Petróleo. São Paulo: Dossiê de recursos naturais, 1998. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2012.

MATOS, A. T. Poluição ambiental: impactos no meio físico. Viçosa: UFV, 2010.

MILLIOLLI, V. S. Avaliação da potencialidade da utilização de surfactantes na biorremediação de solo contaminado com hidrocarbonetos de petróleo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

NOGUEIRA, L. A. H. Perspectivas na produção e processamento de petróleo e gás natural no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

PAZ, J. C.; ALCINO, M. Artigo o petróleo. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2012.

PETROBRAS. Nossa história. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2012.

______. Plano de negócios 2010-2014. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: Acesso em: 07 dez. 2012.

______. Processos de refino. Curitiba, 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

______. Pré-sal. Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em 30 mai. 2014.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de textos, 2006.

SANTOS, P. E. S. et al. Métodos de recuperação secundária convencionais. Sergipe: Universidade Tiradentes, 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2012.

SILVA, V. P.; PEGADO, É. A. C. Licenciamento ambiental on shore: limite e otimização. Natal: IFRN, 2009.

SZKLO, A. S. Fundamentos do refino de petróleo. Rio de Janeiro: ed. Interciência, 2005.

THOMAS, J. E. et al. Fundamentos de engenharia de petróleo. Rio de Janeiro: ed. Interciência, 2004.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.2201



 

HOLOS IN THE WORLD