VIOLÊNCIA SIMBÓLICA, LESBOFOBIA E TRABALHO: UM ESTUDO EM JUIZ DE FORA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5871

Palavras-chave:

gênero, homofobia, lesbofobia, violência simbólica, lesbianidades

Resumo

O objetivo do presente artigo é analisar as violências simbólicas nas vivências de lésbicas com destaque para o trabalho. Para tal, tratamos teoricamente da violência simbólica conforme Pierre Bourdieu e trouxemos uma discussão sobre a lesbofobia na sociedade e trabalho, bem como os estereótipos e a invisibilidade que envolvem essa identidade. Então, entrevistamos seis lésbicas de Juiz de Fora pela história oral enfatizando suas trajetórias profissionais e tratamos os dados pela análise de conteúdo qualitativa temática. Considerando o trabalho, as violências simbólicas são extremamente sutis e ocorrem como no caso da internalização da heteronormatividade e do silêncio acerca da sexualidade, avisos com normas de comportamento, comentários e indiretas que remetem aos estigmas associados às lésbicas em seu cotidiano. Assim, é importante uma discussão crítica visando uma real aceitação e inclusão das diferenças na sociedade e nas organizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Henrique Luiz Caproni Neto, UFMG

Graduado em Adminstração e Especialista em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal de Juiz de Fora. É mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais

Renata de Almeida Bicalho, UFJF

Doutora em Administração pela UFMG. Professora da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da UFJF.

Referências

Adelman, M. (2000) Paradoxos da identidade: a política de orientação sexual no século XX. Revista de Sociologia e Política, n 14, p. 163-171.

Bardin. L. (2008) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bicalho, R. A.; Diniz, A. P. R.; Carrieri, A. P. & Souza. M. M. P. (2011) Symbolic violence and homosexuality: a study in Brazilian major cities. Far East Journal of Psychology and Business, v.5, n. 1, p. 1-22.

Borillo, D. (2010) Homofobia - história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica.

Bourdieu, P. (2003) A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brandão, A. M. (2010) Da sodomita à lésbica: o gênero nas representações do homo-erotismo feminino. Análise Social, n. 19, p. 307-373

Butler, J. (2003) Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

Butler, J (2004). Undoing Gender. Routledge: New York.

Caproni Neto, H. L., Saraiva, L. A. S., & Bicalho, R. A. (2014). Diversidade sexual nas organizações: um estudo sobre coming out. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(1), 86-103.

Carrieri, A. P., Aguiar, A. R. C. & Diniz, A. P. R. (2013) Reflexões sobre o indivíduo desejante e o sofrimento no trabalho: o assédio moral, a violência simbólica e o movimento homossexual. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 1, p. 165-180.

Chizotti, A (2008). Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez.

Dalhberg, L. L. & Krug, E. G. (2006) Violência: um problema global de saúde pública. Ciência e Saúde Coletiva. 11(sup), p. 1163 - 1178.

Duffy, M. (2010) Diversity in the irish workplace - lesbian woman's experience as nurses. The International Journal of Diversity in Organisations, Communities and Nations, v. 10, n. 3, p. 231 - 241.

Ferreira, R. C. & Siqueira, M. V. S. (2007) O gay no ambiente de trabalho: análise dos efeitos de ser gay nas organizações contemporâneas. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, XXXI, 2007, Rio de Janeiro Anais... Rio de Janeiro: ENANPAD.

Franco, M. L. P. B. (2003). Análise de conteúdo. Brasília: Plano Editora.

Freitas, M. E. (2001) Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de empresas. v. 41, n. 2, p. 8 – 19.

Freitas, M. E. (2007) Quem paga a conta do assédio moral no trabalho. Revista de Administração de Empresas, v. 6, n. 1, p. 1-7.

Garcia, A. & Souza, E. M. (2010) Sexualidade e trabalho: estudo sobre a discriminação de homossexuais masculinos no setor bancário. Revista de Administração Pública. v. 44, n. 6, p. 1353- 1377.

Goffman, E. (1975) Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar.

Gomide, S. (2007) Formação da identidade lésbica: do silêncio ao queer. In: Grossi, M., Uziel, A. P. & Mello, L. (Org.). Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond

Heintz, P. A. (2012) Work life dilemmas from lesbian executive´s narratives. The carrer development quaterly, v. 60, n. 2, p. 122 - 133.

Hyrigoyen, M. F. (2005) Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Irigaray, H. A. R. & Freitas, M. E. (2011) Sexualidade e organizações: estudo sobre lésbicas no ambiente de trabalho. Organizações & Sociedade, v. 18, n. 59, p. 625 - 641.

Irigaray. H. A. R., Saraiva, L. A. S. & Carrieri, A. P. (2010) Humor e discriminação por orientação sexual no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 5, p. 890 – 906.

Leonel, V. (2011) Lesbofobia. In: Venturi, G. & Bokany, V. Diversidade sexual e homofobia no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Mello, L. (2005) Novas famílias: conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Garamond.

Miskolci, R. (2012) Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Autêntica: Belo Horizonte.

Monteiro, L. F., Machado, P. S. & Nardi, H. C. (2011) Do armário à armadura: estratégias de mulheres no enfrentamento da homofobia e do heterossexismo. Polis e Psique, v.1, n. 3, p.112 - 139.

MTE – MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Promoção de igualdade de oportunidades e de combate à discriminação no trabalho: plano interno, 2006. Recuperado em 22. 04.2011 de http://www.mte.gov.br/discriminacao/PlanoInterno.pdf acesso

Oliveira, E. C. S. & Martins, S. T. F. (2007) Violência, sociedade e escola: da recusa do diálogo à falência da palavra. Psicologia & Sociedade, v. 19, n. 1, p. 90-98.

Paes de Paula, A. P. (2003) Eros e Narcisismo nas organizações. Revista de Administração de Empresas, v. 2, n. 2, p. 1-12.

Prado, M. A. M. & Machado, F. V. (2008) Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Editora Cortez.

Saraiva, L. A. S. & Irigaray, H. A. R. (2009) Políticas de diversidade nas organizações: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 3, p. 337-348.

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS. Relatório sobre violência homofóbica no Brasil: ano de 2012, 2013. Recuperado em 07.04.2014, de http://www.sdh.gov.br/assuntos/lgbt/pdf/relatorio-violencia-homofobica-ano-2012

Siqueira, M. V. S., Saraiva, L. A. S., Carrieri, A. P., Lima, H. K. B. & Andrade, A. J. A. (2009) Homofobia e violência moral no trabalho em organizações do Distrito Federal. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 50, 447 - 461.

Toledo, L. G. & Teixeira, F. S. (2011) Apontamentos sobre a construção socio-histórica de estigmas e estereótipos em relação ao homoerotismo entre mulheres. Revista de Psicologia da UNESP, v. 10, n. 1, 39-61.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Caproni Neto, H. L., & Bicalho, R. de A. (2017). VIOLÊNCIA SIMBÓLICA, LESBOFOBIA E TRABALHO: UM ESTUDO EM JUIZ DE FORA. HOLOS, 4, 249–265. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5871

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)