AS DÉBEIS ARTICULAÇÕES COMO REFERÊNCIA DE GESTÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5093

Palavras-chave:

Institutos Federais, Brasil, Acoplamentos Fracos, Anarquia Organizada, Burocracia, Gestão Interdependente, Multicampi

Resumo

Simultaneamente burocrática e anárquica, sob tensões de uma estruturação matricial com ancoragem entre centralização e descentralização, a organização educacional Instituto Federal abrange múltiplas dimensões e imagens, demanda articulações fracas para funcionar adequadamente, e estruturalmente, enquadra-se e pode ser igualado, em termos de parâmetros, à configuração de uma Estrutura Divisionalizada (MINTZBERG, 1995). O campo de tensões e de relações de forças que se cria entre a administração central, a gestão multicampi e as comunidades escolares, na maioria do tempo de estabilidade, advinda de consensos e acomodações, oportunizam, também, instabilidades e conflitos. Essa imagem é coerente com a compreensão exposta por Weick (1976) de que em contraste com a imagem predominante de que elementos em organizações são acoplados através de ligações densas e apertadas, na prática, esses elementos são, apenas, fracamente conectados uns aos outros, ou seja, constituem-se em um “sistema debilmente articulado”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco das Chagas Mariz Fernandes, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Prof. do IFRN, Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia de Produção, Doutor em Educação

Referências

ANTUNES, Fátima. Reforma do Estado e políticas públicas: a governação em ação (Notas de um estudo no campo da Educação e Formação de Adultos em Portugal). In PERONI, Vera Maria Vidal (org). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. Brasília: Liber Livro, 2013, p. 82-119.

BERGER, Peter L. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística; tradução de Donaldson M. Garschagen. 6ª ed. Petrópolis: Vozes, 1983.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 29 abr.2016.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A Organização Burocrática. In MOTTA, Fernando C. Prestes e BRESSER-PEREIRA, L. C. Introdução à Organização Burocrática. São Paulo: Thomson, 2004, p. 1-39.

BUSH, Tony. Theories of educational management. London: Paul Chapman, 1986.

CANAVARRO, José Manuel. Teorias e Paradigmas Organizacionais. Coimbra: Quarteto, 2000.

COHEN, Michael D. e MARCH, James G. Leadership and Ambiguity: the American College President. New York: McGraw–Hill, 1974.

COHEN, Michael D.; MARCH, James G. e OLSEN, Johan P. A

Garbage Can Model of Organizational Choice. Revista Administrative Science Quarterly, Michigan, ISSN: 0001-8392, v. 17, n.1, p. 1-25, 1972.

COSTA, Jorge A. Imagens Organizacionais da Escola. Porto: Edições ASA, 1996.

COSTA, Jorge A. Projectos educativos das escolas: um contributo para a sua (des)construção. Revista Educação & Sociedade, Campinas, ISSN: 0101-7330, v. 24, n. 85, p. 1319-1340, 2003.

COSTA, Jorge A. Construção de projectos educativos nas escolas: traços de um percurso debilmente articulado. Revista Portuguesa de Educação, Braga, ISSN: 0871-9187, v. 17, n. 2, p. 85-114, 2004.

ELLSTRÖM, Per-Erik. Quatro faces das organizações educacionais, tradução de Ângelo Ricardo de Souza e Taís Moura Tavares. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, ISSN: 1678-166X, v. 23, n.3, p. 449-491, 2007.

FERNANDES, Francisco C. M. Novo design para a Rede Federal de Educação Tecnológica. Revista Holos, Natal, ISSN 1807-1600, v. 3, p. 56-66, 2008.

FERNANDES, Francisco C.M. Racionalidades e Ambiguidades da Organização Instituto Federal: o caso do Rio Grande do Norte. Braga: Universidade do Minho - Instituto de Educação, 2015.

LIMA, Licínio C. A Escola como Organização e a Participação na Organização Escolar. Braga: Universidade do Minho - Instituto de Educação, 1992a.

LIMA, Licínio C. Organizações Educativas e Administração Educacional em Editorial. Revista Portuguesa de Educação, Braga, ISSN: 0871-9187, v. 5, n. 3, p. 1-8, 1992b.

LIMA, Licínio C. A escola como Organização Educativa: uma abordagem sociológica – 4. ed. – São Paulo: Cortez, 2011a.

LIMA, Licínio C. Administração Escolar: Estudos. Porto: Porto Editora, 2011b.

LIMA, Licínio C. Concepções de escola: para uma hermenêutica organizacional. In LIMA, Licínio C. (org). Perspectivas de análise organizacional das escolas. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2011c, p. 15-57.

MAGALHÃES, António M. A transformação do modo de regulação estatal e os sistemas de ensino: a autonomia como instrumento. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, ISSN: 2182-7435, n. 59, p. 125-143, 2001.

MAGALHÃES, António M. A identidade do ensino superior: política, conhecimento e educação numa época de transição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

MINTZBERG, Henry. Estrutura e Dinâmica das Organizações; tradução de Amélia Salavista Brooker - revisão técnica de António Caetano. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995.

ORTON, J. Douglas e WEICK, Karl E. (1990). Loosely Coupled Systems: A Reconceptualization. Revista Academy of Management Review, Washington D.C, ISSN: 0363-7425, v. 15, n.2, p. 203-223, 1990.

PACHECO, Eliezer. Institutos Federais: um futuro em aberto. In SOUZA, Eda C. Lucas e CASTIONI, Remi (orgs). Institutos Federais: os desafios da institucionalização. Brasília: UNB, 2012, p. 7-11.

SANDER, Benno. Administração da educação no Brasil: é hora da relevância. Educação Brasileira - Revista do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, Brasília, INSS: ISSN 0102-3209, ano IV, n.9, p. 8-27, 1982.

SANDER, Benno. Administração da Educação no Brasil: genealogia do conhecimento. Brasília: Liber Livro, 2007.

SILVA, Eugénio A. O Burocrático e o Político na Administração Universitária

Downloads

Publicado

2017-07-18

Como Citar

Fernandes, F. das C. M. (2017). AS DÉBEIS ARTICULAÇÕES COMO REFERÊNCIA DE GESTÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS. HOLOS, 1, 342–360. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5093

Edição

Seção

ARTIGOS