EVOLUÇÃO DAS POLÍTICAS CONSERVACIONISTAS E A CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO VALE DO ITAJAÍ-SC

Martin Stabel Garrote, Vanessa Dambrowski, Gilberto Friedenreich dos Santos, Jaqueline Gonçalves Amaro

Resumo


No Brasil o processo de ocupação e uso do solo causou uma drástica redução da cobertura florestal do Bioma Mata Atlântica. A principal política de conservação foi a criação de Unidades de Conservação (UCs). A pesquisa analisou o processo de criação das UCs no Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Identificaram-se 27 UCs, 3 na esfera federal, 3 estaduais e 21 municipais. Destas 5 antecederam a ECO 92. As UCs foram criadas com objetivos específicos por questões locais, como no caso da Reserva Biológica da Canela Preta (1980) e do Sassafrás (1977), para proteger espécies exploradas e ameaçadas, e a Floresta Nacional de Ibirama (1965) para a produção e distribuição de mudas nativas e exóticas para reposição das florestas exploradas. Após a ECO 92 foram criadas 22 UCs no Vale do Itajaí, convergindo com as políticas nacionais de conservação.


Palavras-chave


política conservacionista; unidades de conservação; Vale do Itajaí; Santa Catarina.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Catarinense de Preservação da Natureza - ACAPRENA. (2015). Histórico. Recuperado em 12 de janeiro, 2015, em http://www.acaprena.org.br/hp/index.asp? p_codmnu=1.

Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida - APREMAVI. (2015). Trajetória. Recuperado em 12 de janeiro, 2015, em http://www.apremavi.org.br/institucional/trajetoria/.

Bacca, L. E. (2008). Diagnóstico preliminar dos aspectos históricos do Parque Nacional Serra do Itajaí (PNSI). Recuperado em 14 de dezembro, 2014, em: http://www.acaprena.org.br/planodemanejo/result_hist.asp.

Borinelli, B. (2013). Acomodando Estranhos: Origem e Trajetória da Política Ambiental no Estado de Santa Catarina (1975-1991). Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 37, Rio de Janeiro.

Day, A. (2015). Túneis de Blumenau. Recuperado em 13 de janeiro, 2015, em www.adalbertoday.blogspot.com.

Dean, W. (1996). A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Drummond, J. A., Franco, J. L. A. & Oliveira D. (2010). Uma análise sobre a história e a situação das Unidades de Conservação no Brasil. In: Ganem, R. S. (Org.). Conservação da biodiversidade: legislação e políticas públicas. Brasília: Edições Câmara.

Furlan, S. A. & Nucci, J. C. (1999). Política de conservação das florestais tropicais no Brasil. In: Furlan, S. A & Scarlato, F. C. (Org.). A Conservação das Florestais Tropicais. São Paulo: Atual.

Lenzi, C. L. (2006). Modernização Ecológica e a política ambiental catarinense. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 39, abr., p. 117-134.

Lenzi, C. L. (2005). Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. Bauru: EDUSC, 2005.

Mazoyer, M. & Roudart, L. (2010). História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: UNESP.

Milano, M. S. (2001). Unidades de conservação: técnica, lei e ética para a conservação da biodiversidade. In: Benjamin, A. H. (Org.). Direito ambiental das áreas protegidas: o regime jurídico das unidades de conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Morsello, C. (2001). Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo: Annablume; Fapesp.

Observatório das Unidades de Conservação - OBSERVATORIO DAS UCS. (2015). Dados das Unidades de Conservação. Recuperado em 16 de fevereiro, 2015, em http://observatorio.wwf.org.br/.

Pádua, J. A. (2004). Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Schenini, P. C., Costa, A. M. & Casarin, V. W. (2004). Unidades de Conservação: aspectos históricos e sua evolução. In: Anais do Congresso Brasileiro De Cadastro Técnico Multifinalitário, 6, Florianópolis. COBRAC.

Siebert, C. F. (1997). Estruturação e desenvolvimento da rede urbana do Vale do Itajaí. Blumenau: FURB.

Singer, P. (1998). Ética prática. São Paulo: Martins Fontes.

Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. (2000). Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. In: Série Cadernos da Reserva da Biosfera. Cad.18. Editor: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera.

Vianna, L. P. (2008). De invisíveis a protagonistas: populações tradicionais e unidades de conservação. São Paulo: Annablume, FAPESP.

Vitali, M. & Uhlig, V. M. (2010). Unidades de Conservação de Santa Catarina. Revista Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 1, n. 1, p. 43-61.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.4428



 

HOLOS IN THE WORLD