EVOLUÇÃO DAS POLÍTICAS CONSERVACIONISTAS E A CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO VALE DO ITAJAÍ-SC

Autores

  • Martin Stabel Garrote Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí http://orcid.org/0000-0002-8034-3147
  • Vanessa Dambrowski Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí
  • Gilberto Friedenreich dos Santos Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí
  • Jaqueline Gonçalves Amaro Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.4428

Palavras-chave:

política conservacionista, unidades de conservação, Vale do Itajaí, Santa Catarina.

Resumo

No Brasil o processo de ocupação e uso do solo causou uma drástica redução da cobertura florestal do Bioma Mata Atlântica. A principal política de conservação foi a criação de Unidades de Conservação (UCs). A pesquisa analisou o processo de criação das UCs no Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Identificaram-se 27 UCs, 3 na esfera federal, 3 estaduais e 21 municipais. Destas 5 antecederam a ECO 92. As UCs foram criadas com objetivos específicos por questões locais, como no caso da Reserva Biológica da Canela Preta (1980) e do Sassafrás (1977), para proteger espécies exploradas e ameaçadas, e a Floresta Nacional de Ibirama (1965) para a produção e distribuição de mudas nativas e exóticas para reposição das florestas exploradas. Após a ECO 92 foram criadas 22 UCs no Vale do Itajaí, convergindo com as políticas nacionais de conservação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Martin Stabel Garrote, Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí

Historiador pela FURB (2005), Especialista em História Social e Ensino de História pela ISULPAR (2006), Mestre em Desenvolvimento Regional pela FURB (2009), Cientista Social pela FURB (2010), Doutorando em Desenvolvimento Regional pela FURB (2015-2019). Atua como pesquisador no Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí - SC.

Vanessa Dambrowski, Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí

Bióloga pela FURB, possui especialização em Educação Ambiental pelo SENAI, e em Biologia da Conservação pela Univali. Mestre em Engenharia Florestal. Atua no GPHAVI.

Gilberto Friedenreich dos Santos, Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí

Geógrafo pela Universidade Federal de Santa Catarina, Doutor em Ciências Naturais na Universidade de São Paulo. Atua como professor na Universidade Regional de Blumenau e coordena o GPHAVI.

Jaqueline Gonçalves Amaro, Universidade Regional de Blumenau/Grupo de Pesquisas de História Ambiental do Vale do Itajaí

Graduada em Engenharia Florestal pela FURB. Bolsista de Iniciação Científica do GPHAVI

Referências

Associação Catarinense de Preservação da Natureza - ACAPRENA. (2015). Histórico. Recuperado em 12 de janeiro, 2015, em http://www.acaprena.org.br/hp/index.asp? p_codmnu=1.

Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida - APREMAVI. (2015). Trajetória. Recuperado em 12 de janeiro, 2015, em http://www.apremavi.org.br/institucional/trajetoria/.

Bacca, L. E. (2008). Diagnóstico preliminar dos aspectos históricos do Parque Nacional Serra do Itajaí (PNSI). Recuperado em 14 de dezembro, 2014, em: http://www.acaprena.org.br/planodemanejo/result_hist.asp.

Borinelli, B. (2013). Acomodando Estranhos: Origem e Trajetória da Política Ambiental no Estado de Santa Catarina (1975-1991). Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 37, Rio de Janeiro.

Day, A. (2015). Túneis de Blumenau. Recuperado em 13 de janeiro, 2015, em www.adalbertoday.blogspot.com.

Dean, W. (1996). A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Drummond, J. A., Franco, J. L. A. & Oliveira D. (2010). Uma análise sobre a história e a situação das Unidades de Conservação no Brasil. In: Ganem, R. S. (Org.). Conservação da biodiversidade: legislação e políticas públicas. Brasília: Edições Câmara.

Furlan, S. A. & Nucci, J. C. (1999). Política de conservação das florestais tropicais no Brasil. In: Furlan, S. A & Scarlato, F. C. (Org.). A Conservação das Florestais Tropicais. São Paulo: Atual.

Lenzi, C. L. (2006). Modernização Ecológica e a política ambiental catarinense. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 39, abr., p. 117-134.

Lenzi, C. L. (2005). Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. Bauru: EDUSC, 2005.

Mazoyer, M. & Roudart, L. (2010). História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: UNESP.

Milano, M. S. (2001). Unidades de conservação: técnica, lei e ética para a conservação da biodiversidade. In: Benjamin, A. H. (Org.). Direito ambiental das áreas protegidas: o regime jurídico das unidades de conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Morsello, C. (2001). Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo: Annablume; Fapesp.

Observatório das Unidades de Conservação - OBSERVATORIO DAS UCS. (2015). Dados das Unidades de Conservação. Recuperado em 16 de fevereiro, 2015, em http://observatorio.wwf.org.br/.

Pádua, J. A. (2004). Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Schenini, P. C., Costa, A. M. & Casarin, V. W. (2004). Unidades de Conservação: aspectos históricos e sua evolução. In: Anais do Congresso Brasileiro De Cadastro Técnico Multifinalitário, 6, Florianópolis. COBRAC.

Siebert, C. F. (1997). Estruturação e desenvolvimento da rede urbana do Vale do Itajaí. Blumenau: FURB.

Singer, P. (1998). Ética prática. São Paulo: Martins Fontes.

Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. (2000). Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. In: Série Cadernos da Reserva da Biosfera. Cad.18. Editor: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera.

Vianna, L. P. (2008). De invisíveis a protagonistas: populações tradicionais e unidades de conservação. São Paulo: Annablume, FAPESP.

Vitali, M. & Uhlig, V. M. (2010). Unidades de Conservação de Santa Catarina. Revista Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 1, n. 1, p. 43-61.

Downloads

Publicado

09/02/2018

Como Citar

Garrote, M. S., Dambrowski, V., dos Santos, G. F., & Amaro, J. G. (2018). EVOLUÇÃO DAS POLÍTICAS CONSERVACIONISTAS E A CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO VALE DO ITAJAÍ-SC. HOLOS, 1, 61–80. https://doi.org/10.15628/holos.2018.4428

Edição

Seção

ARTIGOS