INTERDISCIPLINARIDADE NA ATENÇÃO HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO DE BAIXO-PESO NUM CENTRO DE REFERÊNCIA NACIONAL DO MÉTODO CANGURU

Autores

  • Márcia Borck Universidade Federal de Santa Catarina
  • Roberta Costa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Patrícia Klock Universidade Federal de Santa Catarina
  • Zaira Custódio Universidade Federal de Santa Catarina
  • Mariana Barcelos Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.2730

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Equipe Multiprofissional, Método Canguru, Neonatologia, Recém-Nascido de Baixo Peso.

Resumo

Relato de experiência vivenciado pela equipe interdisciplinar da unidade neonatal de um hospital universitário do sul do país, na implementação da Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso – Método Canguru. Atualmente, um dos cinco Centros de Referência Nacional do Ministério da Saúde. A proposta baseada no Método Canguru começou a ser introduzida em 1996, incorporando os serviços de enfermagem, medicina, psicologia, serviço social, nutrição, fonoaudiologia e fisioterapia. Neste estudo apresentamos e discutimos as ações desenvolvidas, organizadas em sete tópicos: 1) Atendimento às Gestantes de Alto Risco; 2) Grupo de Mães e Pais de Recém Nascidos internados; 3) Grupo Interdisciplinar da Neonatologia; 4) Gestão em Saúde; 5) O ensino no processo da humanização; 6) Cursos de Capacitação; 7) Produção do conhecimento. A interdisciplinaridade fortaleceu o conhecimento, a experiência profissional e pessoal, interagindo no universo das vivências, recriando a educação em saúde, resultando em um cuidado acolhedor, e fortalecendo a tecnologia diferenciada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Márcia Borck, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira assistencial da Unidade Neonatal do Hospital Universitário da UFSC. Doutoranda do Departamento de Enfermagem/UFSC

Roberta Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora, Professora,Enfermeira do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal Santa Catarina

Patrícia Klock, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora, Enfermeira da Unidade Neonatal do Hospital UniversitárioUniversitário da Universidade Federal Santa Catarina

Zaira Custódio, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora, Psicóloga da Maternidade do Hospital Universitário da Universidade Federal Santa Catarina

Mariana Barcelos, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre, Assistente Social da Maternidade do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

ALONSO, I.L.K., VERDI, M. In: VERDI, M., BOEHS, A.E., ZAMPIERI, M.F.M. Enfermagem na atenção primária de saúde. Textos Fundamentais, v.1, Saúde Coletiva e Saúde da Criança. Editora UFSC. Florianópolis, 2005.

ALVES, V.S. Educação em saúde e constituição de sujeitos: desafios ao cuidado no Programa da Saúde da Família. Dissertação (Mestre em Saúde Coletiva). Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004. 192 p.

BRASIL. Ministério da Saúde – Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso – Método Canguru: caderno do tutor. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde – Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso – Método Canguru: manual técnico. 2.ed., 1.reimpr. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Gestação de alto risco: manual técnico. 5.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gestacao_alto_risco.pdf. Acesso em: 22 de maio de 2013.

BORCK, M. SANTOS, E.K.A. Terceira etapa método Canguru: convergência de práticas investigativas e cuidado com famílias em atendimento ambulatorial. Rev. Gaúcha de Enfermagem (Online), Porto Alegre, v.31 n.4, p.761-768, dez. 2010.

COSTA, R. Reflexões da equipe de saúde sobre o método mãe-canguru em uma unidade de neonatologia: um diálogo fundamentado na abordagem problematizadora. 2005. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2005.

COSTA, R. MONTICELLI, M. Reflexões da equipe de saúde sobre o método mãe-canguru em uma unidade de neonatologia: um diálogo fundamentado na abordagem problematizadora. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.59 n.4 p.578-582, Ago. 2006.

CUSTÓDIO, Z. Redes sociais no contexto da prematuridade: fatores de risco e de proteção no desenvolvimento de crianças nascidas pré-termo. Tese (Centro de Filosofia e Ciências Humanas) Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2010.

GAIVA, M.A.M., SCOCHI, C.G.S. Processo de trabalho em saúde e enfermagem em UTI neonatal. Rev. Latino-Am. Enferm., v.12, n.3, p.469-476, maio/jun. 2004.

GIANINI, N.O.M., GOMES, M.A.M. Centro de Referência do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde. Boletim Informativo Método Mãe Canguru. Ministério da Saúde – BNDES – Fundação ORSA, n.3, jan./fev./mar. 2002.

GUIMARÃES, G.P., MONTICELLI, M. A formação do apego pais/recém-nascido pré-termo e/ou de baixo peso no método mãe-canguru: uma contribuição da enfermagem. Revista Texto & Contexto-Enferm, Florianópolis, v.16 n.4 p.626-635, oct./dez. 2007.

KLOCK, P. ERDMANN, A.L. Cuidando do Recém-nascido em UTIN: convivendo com a fragilidade do viver/sobreviver à luz da complexidade. Rev ESC Enferm USP, São Paulo, v.46 n.1 p.45-51, feb. 2012.

LAMY FILHO, F. et al. Avaliação dos resultados neonatais do método canguru no Brasil. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v.84, n.5, oct. 2008.

LAMY, Z.C., MORSH, D. Cuidando do Cuidador. Boletim Informativo Método Mãe Canguru. Ministério da Saúde – BNDES – Fundação ORSA, n.2, out./nov./dez. 2001.

MENDES, J.M.R., LEWGOY, A.M.B., SILVEIRA, E.C. Saúde e Interdisciplinaridade: mundo vasto mundo. Revista Ciência e Saúde, Porto Alegre, v.1. n.1, p.24-32, jan./jun. 2008.

MINAYO, M.C.S. Interdisciplinaridade: uma questão que atravessa o saber, o poder e o mundo vivido. Medicina, Ribeirão Preto, v.24, n.2, p.70-77, 1991.

NOGUEIRA, V.M.R. A importância da equipe interdisciplinar no tratamento de qualidade na área da saúde. Katálysis. n.3, p.40-48, 1998.

POLIT, D.F., BECK, C.T. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 7.ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

REICHERT, A.P.S., LINS, R.N.P., COLLET, N. Humanização do Cuidado da UTI Neonatal. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.09, n.01, p. 200-213, 2007.

WAYHS, R.I. Ressignificando o sofrimento cotidiano da família da criança e do adolescente com diagnóstico de câncer a partir de uma prática cuidativa-educativa problematizadora. 2003. Dissertação (Mestrado em Assistência em Enfermagem) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

Downloads

Publicado

2015-07-24

Como Citar

Borck, M., Costa, R., Klock, P., Custódio, Z., & Barcelos, M. (2015). INTERDISCIPLINARIDADE NA ATENÇÃO HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO DE BAIXO-PESO NUM CENTRO DE REFERÊNCIA NACIONAL DO MÉTODO CANGURU. HOLOS, 3, 404–414. https://doi.org/10.15628/holos.2015.2730

Edição

Seção

ARTIGOS