RELAÇÕES DE GÊNERO NA POLÍCIA MILITAR: NARRATIVAS DE MULHERES POLICIAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.4078

Palavras-chave:

Gênero, Relações, Policia Militar, gestão de pessoas

Resumo

Em um regime totalmente masculinizado e simbolizado pela força de trabalho do homem, a presença feminina nos batalhões consegue evidenciar um princípio de militarismo, onde prevalece não apenas a força física característica e atribuído aos homens, mas sim atributos individuais como: coragem, dedicação e isso se traduzem em competências e habilidades que podem ser encontrados também na mulher. O objetivo principal deste estudo foi analisar as relações de gênero no contexto de trabalho das policiais militares de um Batalhão da Polícia Militar (BPM). Foi utilizada a metodologia de estudo de caso qualitativo, sendo que foi realizado entrevistas, com roteiro semiestruturado, com oito mulheres policiais e o responsável pelo comando do batalhão. Foi possível concluir que, o trabalho militar antes estereotipado como lugar de homens, vem tendo mudanças consideráveis, desde a década de 1990. Foi possível observar ainda que em um universo de 19,5 mil policiais em todo o Paraná, o número de mulheres ainda é baixo, no entanto pode ser percebido com base nas entrevistas das mulheres que há muito empenho e dedicação, onde o ingresso dessas se deu tardiamente na profissão de policial militar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luiz Fernando Lara, UEPG E PPGADM UNICENTRO

Professor adjunto da UEPG e do Programa de Pós-graduação em Administração (PPGA-UNICENTRO).

Elaine Aparecida Regiani de Campos, PPGEP-UFRGS

Doutoranda em Engenharia de Produção (UFRGS); Mestre em Engenharia de Produção, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP-UTFPR), Ponta Grossa – Paraná. Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas, UNICENTRO

Silvio Roberto Stefano, PPGADM UNICENTRO

Pós-Doutor em Administração pela Univali (2013-2014). Possui Doutorado em Administração pela Universidade de São Paulo USP - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (2008). Atualmente é professor Adjunto da Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO. Coordenador do Mestrado Profissional em Administração da UNICENTRO - PPGADM.

Sandra Mara de Andrade, UNICENTRO E USP

Doutoranda em Administração, FEA-USP- SP Universidade de São Paulo (Programa de Pós-graduação em Administração (PPGA-USP) e Docente do Departamento de Administração, Unicentro.

Referências

ACKER, J. Inequality Regimes: Gender, Class, and Race in Organizations. Gender & Society, v.20, n.4, August, 2006 pp. 441-464.

BARBOSA, R. P. Relações de gênero e a lógica da competência no mercado de trabalho. Revista de Carreira e Pessoas (ReCaPe), v.03, n.2, pp.36-52, 2013.

BORGES, E. P. As agentes da polícia de segurança pública e as limitações de progressão na carreira policial. Dissertação (Mestrado em Estudos sobre as Mulheres). Universidade Aberta, Lisboa, Portugal, 145f. Disponível em: <https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/1452>. Acesso em: 26 jun. 2015.

BOURDIEU, P. A dominação Masculina. Tradução Maria Helena Kühner, 6.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BRAGA, É. D. Mulheres policiais nas unidades operacionais da PMSE: surpresas e mobilidade em meio às práticas ostensivas. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, 2012. Disponível em: <http://bdtd.ufs.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=956>. Acesso em: 15 jul. 2015.

CALÁS, M. B.; SMIRCICH, L. Do ponto de vista da mulher: abordagens feministas em estudos organizacionais. In: CLEGG, S. R. et al. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. 1.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

CAMARGOS, M. C. S.; RIANI, J. L. R.; MARINHO, K. R. L. Mercado de trabalho e gênero: uma análise das desigualdades em Minas Gerais. Revista Pretexto, v.15, n.2, abril/junho, 2014, pp.41-57.

CAPPELLE, M. C. A. O trabalho feminino no policiamento operacional: subjetividade, relações de poder e gênero na oitava região da polícia militar de Minas Gerais. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Pós-graduação e Pesquisa em Administração- CEPEAD, 378f. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/.../monica_carvalho.pdf?.>. Acesso em 20 jun. 2015.

_________, M. C. A.; CRAMER, L.; NETTO, A. de P. Relações de gênero na polícia: a construção das representações sociais do masculino e do feminino em uma organização militar. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, ANPAD, 2001 Anais... Campinas. Disponível em: . Acesso em 23 jul. 2015.

_________, M. C. A.; MELO, M. C. de O. L. Mulheres policiais, relações de poder e gênero na Policia Militar de Minas Gerais. Revista de Administração Mackenzie (RAM), v. 11, n. 3 edição especial, São Paulo, mai./jun, p. 71-99. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM/article/view/1771>. Acesso em 20 jul. 2015.

CARREIRA, Denise; AJAMIL, Menchu; MOREIRA, Tereza. Mudando o mundo: a liderança feminina no século 21. São Paulo: Cortez, 2001. 232p.

CLANCY, S. ¿Por qué no hay más mujeres en la cima de la escala corporativa: debido a estereótipos, a diferencias biológicas o a escogencias personales? Academia, Revista Latinoamericana de Administracíon, v.(38), 2007, pp.1-8. Disponível em: <http://revistaacademia.uniandes.edu.co/index.php/Cladea/article/view/66/66>. Acesso em 17 jul. 2015.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração. Tradução Iuri Duquia Abreu. Revisão Técnica Fátima Cristina Trindade Bacellar. 10. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DEL PRIORE, M.; BASSANEZI, C. (orgs). História das mulheres no Brasil. 9. ed.,São Paulo: Contexto, 2007.

ESTANQUE, E. A questão social e a democracia no século XXI: participação cívica, desigualdades sociais e sindicalismo. Revista Finisterra, pp.77-99, 2006, Lisboa.

ESTANQUE, E.; COSTA, H. A. Trabalho, precariedade e movimentos sociolaborais. In: CASACA, S. F (org.). Mudanças Laborais e Relações de Gênero: novos vetores de (des) igualdade. Lisboa/Coimbra: Almedina, 2012. Disponível em: <http://www.ces.uc.pt/myces/UserFiles/livros/1097_SOCIUS_EE%20e%20HC_REV_FINAL.pdf>. Acesso em 08 de out. 2015.

FERNANDES, R. A. S.; LIMA, J. E.; SANTOS, C. M. A exclusão social de mulheres jovens, com idade entre 15 a 24 anos, no mercado de trabalho no Brasil. Revista de Economia e Administração, v.7, pp.125-136, abr./jun. 2008.

GURGEL, T. Feminismo e luta de classe: história, movimento e desafios teórico-políticos do feminismo na contemporaneidade. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos – UFSC, 2010 Anais..., Florianópolis, SC. Disponível em: <http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/ anais/1277667680_ARQUIVO_Feminismoelutadeclasse.pdf>. Acesso em: 08 set. 2015.

HAIR JR, J. F.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Tradução: Lene Belon Ribeiro, Porto Alegre: Bookman, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Censo demográfico de 2010: características da população. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/resultados_do_universo.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2015.

______. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira Estudos e pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica 29. 2012. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Indicadores_Sociais/Sintese_de_Indicadores_Sociais_2012/SIS_2012.pdf> Acesso em: 18 jul. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISAS ECONOMICAS APLICADAS (IPEA). Retratos das desigualdades: gênero e raça. 4ª ed. 2011. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/retrato/livreto.html>. Acesso em: 18 jun. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISAS ECONOMICAS APLICADAS (IPEA). Mulheres dedicam muito mais tempo ao trabalho doméstico. 2012. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=14321>. Acesso em 12 ago. 2015.

KALIL MATHIAS, S. As mulheres chegam aos quartéis: gênero e forças armadas no cone sul. In: ANPUH – XXIII Simpósio Nacional de História, Anais..., Londrina, 2005. Disponível em: <http://anpuh.org/anais/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S23.0973.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2015.

LIMA, S. R.; CASTRO, A. P. S. de; CRUZ, M. H. S. Relações de gênero no trabalho: um estudo no 3° batalhão da Policia Militar (Itabaiana/SE). Revista Fórum Identidades. Itabaiana: GEPIADDE, ano 4, v. 7, jan./jun, 2010. Disponível em: <http://200.17.141.110/periodicos/revista_forum...7/FORUM_V7_08.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2015.

LUZ, A. F.; FUCHINA, R. A evolução histórica dos direitos da mulher sob a ótica do direito do trabalho. In: Seminário Nacional de Ciências Políticas da UFRGS. Anais..., Disponível em: <http://www.ufrgs.br/nu cleomulher/arquivos/artigoalex.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2015.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia Cientifica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis, metodologia jurídica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

OLIVEIRA, L. S. “Teto de vidro” relações de gênero, relações de poder e empoderamento das mulheres na Policia Militar. Tese (Doutorado) – Programa de Pós Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, 222f. Salvador, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/7823/1/Tese%20Céia.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2015.

OLIVEIRA, A. R. de, GAIO, L. E., BONACIM, C. A. G. Relações de Gênero e ascensão feminina no ambiente organizacional: um ensaio teórico. Rev. Adm. UFMS, Santa Maria, v.2, n.1, pp.80-87, jan./abr.2009.

PROBST, E. R. A evolução da mulher no mercado de trabalho. Instituto Catarinense de Pós Graduação, 2004. Disponível em: <http://www.posuniasselvi.com.br/artigos/rev02-05.pdf>. Acesso em 15 mai. 2015.

SCHACTAE, A. M. A representação do feminino na legislação da PMPR. In: VII Seminário Internacional Fazendo Gênero: gênero e preconceitos, UFSC/UESC, Anais..., 2006. Disponível em: <http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/A/ Andrea_Mazurok_ Schactae_02.pdf> Acesso em: 23 set. 2015.

SILVA, L. D. de S. Quadro feminino de oficiais (QFO): a pedagogia militar. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais. In: II Seminário de Estudos: Poder Aeroespacial e Estudos Estratégicos, Anais..., UNIFA, 2009. Disponível em: <https://www.unifa.aer.mil.br/.../Lecy%20Diogo%20de%20Souza%20Silva.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2015.

SOARES, B. M.; MUSUMECI, L. Mulheres Polícias: presença feminina na Polícia Militar do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 15.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Lara, L. F., Campos, E. A. R. de, Stefano, S. R., & de Andrade, S. M. (2017). RELAÇÕES DE GÊNERO NA POLÍCIA MILITAR: NARRATIVAS DE MULHERES POLICIAIS. HOLOS, 4, 56–77. https://doi.org/10.15628/holos.2017.4078

Edição

Seção

ARTIGOS