TESTE SENSORIAL DE UM PRODUTO ALIMENTAR INOVADOR: A NEOFOBIA ALIMENTAR COMO POSSÍVEL BARREIRA NO SETOR DE ALIMENTOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.2905

Palavras-chave:

Comportamento do consumidor, atitude, inovação alimentar, grupo focal

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de um estudo exploratório que pretendeu identificar as atitudes de homens e mulheres, residentes em Campo Grande/MS, em relação a um produto alimentar não familiar/inovador [o pão de queijo com cenoura], que foi desenvolvido pelo SENAI/MS. Desta forma optou-se pela realização de um grupo focal com a pretensão de realizar um teste sensorial. Para o tratamento dos dados foi realizada a análise de conteúdo. Os resultados dessa análise permitiram identificar que existe uma maior tendência de rejeição do produto alimentar inovador/não familiar pelos indivíduos do gênero masculino. A substituição de 60% do teor original de queijo por polpa de cenoura no preparo do pão de queijo foi melhor aceita pelos indivíduos do gênero feminino, mais preocupados com a saúde ou com a saúde da família. Além disso, deve-se atentar para o produto ter sido mencionado pelos consumidores como produto de diferenciação social. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gislayne da Silva Goulart, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Thelma Lucchese-Cheung, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFMS

Dario de Oliveira Lima-Filho, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFMS

Referências

Associação Brasileira de Supermercados – ABRAS. (2013). Aumentam as vendas de comida congelada. Recuperado de http://www.abras.com.br/clipping.php?area=16&clipping=39939.

Associação Brasileira de Supermercados – ABRAS. (2014). Apesar de garantir bom resultado, investimento em inovação é pequeno. 2014. Recuperado de <http://www.abras.com.br/clipping.php?area=1&clipping=47642>.

Ajzen, I. (2001). Nature and operation of attitudes. Annu. Rev. Psychol, 52, 27-58.

Bäckström, A., & Pirttilä-Backman, A. M., Tuorila, H. (2003). Dimensions of novelty: A social representation approach to new foods. Appetite, 40, 299–307.

Bagozzi, R.P., Gopinath, M., & Nyer, P.U. (1999). The Role of Emotions in Marketing. Journal of the Academy of Marketing Science, 27(2), 184–206.

Bardin, L. (2007). Análise de Conteúdo (4a ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70.

Barrios, E. X., & Costell, E. (2004). Review: Use of Methods of Research into Consumers’ Opinions and Attitudes in Food Research Food. Sci Tech Int, 10 (6), 359–371.

Blackwell, R. D., Miniard, P. W., & Engel, J. F. (2005). Comportamento do consumidor. São Paulo: Cengage Learning.

Camarena, D., Sanjuán, A., & Philippidis, G. (2011). Influence of ethnocentrism and neo-phobia on ethnic food consumption in Spain. Appetite, 57, 121–130.

Chen, M-F. (2007). Consumer attitudes and purchase intentions in relation to organic foods in Taiwan: Moderating effects of food-related personality traits. Food Quality and Preference, 18, 1008-1021.

Cooke, L., & Wardle, J. (2005). Age and gender differences in children’s food preferences. British Journal of Nutrition, 93 (5), 741-746.

Costell, E., Tárrega, A., & Bayarri, S. (2010). Food Acceptance: The Role of Consumer Perception and Attitudes. Chemosensory Perception, 3 (1), 42-50.

D'Antuono, L. F., & Bignami, C. (2012). Perception of typical Ukrainian foods among an Italian population. Food Quality and Preference, 25, 1-8.

El-Kareh, A. C. (2008). Comida quente, mulher ausente: produção doméstica e comercialização de alimentos preparados no Rio de Janeiro no século XIX. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder, Florianópolis, SC, Brasil.

Espinoza, F. da S., & Nique, W. M. (2003). Experiências emocionais em situações de consumo de produtos: evidências e proposições de pesquisa. ENANPAD, Atibaia, SP, Brasil, 27.

EUFIC – European Food Information Council. (2014). EU project Connect4Action: Connecting key players in the food innovation process to improve consumer acceptance of new products. Recuperado de < www.eufic.org/article/en/health-and-lifestyle/food-choice/artid/Connecting_key_players_in_the_food_innovation_process_to_improve_consumer_acceptance_of_new_products/>.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP. (2010). Brasil Food Triends 2020. São Paulo.

Fernández-Ruiz, V., Claret, A., & Chaya, C. (2013). Testing a Spanish-version of the Food Neophobia Scale. Food Quality and Preference, 28, 222–225.

Fischler, C. (1990). L’(H)omnivore. Barcelona: Anagrama.

Fishbein, M., & Ajzen, I. (1975). Belief, Attitude, Intention, and Behavior: An Introduction to Theory and Research. Reading, MA: Addison-Wesley.

Frank, R. A., & Klaauw, N. V. D. (1994). The contribution of chemosensory factors to individual differences in reported food preferences. Appetite, 22, 101–123.

Garcia, R. W. D. (1994). Representações Sociais da Comida no Meio Urbano: algumas considerações para o estudo dos aspectos simbólicos da alimentação. Revista Cadernos de Debate, 2, 12-40.

Garcia, R. W. D. (2003). Reflexos da Globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev.Nut., Campinas, 16 (4), 483-492.

Hursti, U. K., Sjödén, P. (1997). Food and general neophobia and their relationship with self-reported food choice: Familial resemblance in Swedish families with children of ages 7–17 years. Appetite, 29, 89–103.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2013). Pesquisa de Inovação: PINTEC 2011. Rio de Janeiro.

Jiang, Y., King, J. M., & Prinyawiwatkul, W. (2014). A review of measurement and relationships between food, eating behavior and emotion. Trends in Food Science & Technology, 36, 15-28.

Jodelet, D. (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Koivisto, U., & Sjödén, P. (1996). Food and general neophobia in Swedish families: Parent–child comparisons and relationships with serving specific foods. Appetite, 26, 107–118.

Macaux, A. L. B. (2001). Eat to live or live to eat? Do parents and children agree? Public Health Nutrition, 4, 141-146.

Meiselman, H., King, S., Gillette, M. (2010). The demographics of neophobia in a large commercial US sample. Food Quality and Preference, 21, 893–897.

Mooney, K. M., & Walbourn, L. (2001). When college students reject food: not just a matter of taste. Appetite, 36, 41-50.

Nordin, S., Broman, D. A., Garvill, J., & Nyroos, M. (2004) .Gender differences in factors affecting rejection of food in healthy young Swedish adults. Appetite, 43, 295-301.

Pliner, P., & Hobden, K. (1992). Development of a scale to measure the trait of food neophobia in humans. Appetite, 19, 105–120.

Poulain, J.-P. (2004). Sociologias da alimentação. Florianópolis: UFSC.

Ritchey, P.N., Frank, R. A., Hursti, U-K., & Tuorila, H. (2003). Validation and cross-national comparison of the food neophobia scale (FNS) using confirmatory factor analysis. Appetite, 40 (2), 163-173.

Robinson, C. H., & Thomas, S. P. (2004). The interaction model of client health behavior as a conceptual guide in the explanation of children’s health behaviors. Public Health Nutrition, 21 (1), 73-84.

Sanjuán-López, A., Philippidis, G., & Resano-Ezcaray, H. (2011). How useful is acceptability to explain economic value? An application on the introduction of innovative saffron products into commercial markets. Food Quality and Preference, 22, 255–263.

Schickenberg, B., Assema, P. V., Brug, J., & Vries, N. de. (2006). Level of food neophobia in Dutch adults and association with familiarity with and willingness to try new healthful food products. Appetite, 47, 257-279.

Sheth, J. N., Mittal, B., & Newman, B. I. (2001). Comportamento do cliente: indo além do comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas.

Simonson, I., Carmon, Z., Dhar, R., Drolet, A., & Nowlis, S. M. (2001). Consumer research: in search of identity. Annual Review of Psychology, 52, 249-275.

Thiel, D., & Demontrond, R. (1997). Towards connectionist models of food consumer attitudes. Food Quality and Preference, 8 (5/6), 429-438.

Tuorila, H., Lähteenmäki, L., Pohjalainen, L., & Lotti, L. (2001). Food neophobia among the Finns and related responses to familiar and unfamiliar foods. Food Quality and Preference, 12, 29–37.

Ventura, R. (2010). Mudanças no Perfil do Consumo no Brasil: Principais Tendências nos Próximos 20 Anos. [S.l.]: Macroplan – prospectiva, estratégia e gestão.

Vergara, S. C. (2005). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, V. A., & Tibola, F. (2005). Pesquisa qualitativa em marketing e suas variações: trilhas para pesquisas futuras. RAC, 9 (2), 09-33.

Visalberghi, E., & Fragaszy, D. (1995). The behaviour of capuchin monkeys, Cebus apella, with novel food: the role of social context. Animal Behaviour, 49, 1089-1095.

Yamamoto, M. E., & Lopes, F. A. (2004). Dize-me o que falas e te direi o que comes: aquisição da linguagem e composição da dieta em crianças. In MOURA, M. L. S. (Org.). O bebê do século XXI e a psicologia em desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Yamamoto, M. E., & Lopes, F. A. (2006). A evolução do comportamento alimentar: selecionando o que comer. FAPERN, 1 (4), 21-24.

Downloads

Publicado

18/07/2017

Como Citar

Goulart, G. da S., Lucchese-Cheung, T., & Lima-Filho, D. de O. (2017). TESTE SENSORIAL DE UM PRODUTO ALIMENTAR INOVADOR: A NEOFOBIA ALIMENTAR COMO POSSÍVEL BARREIRA NO SETOR DE ALIMENTOS. HOLOS, 1, 76–90. https://doi.org/10.15628/holos.2017.2905

Edição

Seção

ARTIGOS