IDENTIDADES E FORMAÇÃO NOS PERCURSOS DE VIDA DE JOVENS E ADULTOS TRABALHADORES: DESAFIOS AO PROEJA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2008.2871

Resumo

O objetivo principal deste artigo é analisar o Programa de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – Proeja, no contexto das recentes transformações do capitalismo e de sua expressão no Brasil, chamando a atenção para as construções tensas de cidadania e de identidades de trabalhadores, jovens e adultos, em processos de exclusão social. Inicialmente, analisamos a construção histórica do discurso político do Proeja identificando suas bases nos estudos da relação entre trabalho e educação. Em seguida, considerando estatísticas brasileiras, analisamos quais são as condições de educação, trabalho e vida de jovens e adultos identificados como possíveis alunos do Proeja e os limites e desafios que implicam os processos educativos e de formação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Inês de Matos Coelho

Pós-doutoranda (UERJ) e doutora em Educação (UFRJ), é coordenadora do mestrado em Educação em criação na FaE/CBH/UEMG e do grupo
de pesquisa dessa instituição que está vinculado ao projeto “Formação e produção científica e tecnológica na educação profissional integrada
à educação de jovens e adultos – um projeto em parceria” (Capes/Semtec/MEC). Desenvolve a pesquisa “Educação profissional integrada à
educação básica na modalidade de jovens e adultos na perspectiva de formação humana numa sociedade inclusiva” (apoio da Fapemig).

Referências

ABRAMOVAY, M.; AVANCINI, M. F. A violência e a escola: o caso Brasil. Brasília: UNESCO, 2003.

ANTUNES R. L. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1995.

ARROYO, M. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens-adultos populares? In: 67ª Plenária do Fórum Mineiro de

Educação de Jovens e Adultos, FAE-UFMG, 29 de junho de 2007.

BRASIL. MEC, SEMTEC. Proeja – Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de Educação

de Jovens e Adultos – Ensino Fundamental – Documento-Base. 2a ed., Brasília: MEC, agosto de 2007a.

BRASIL. MEC – SENTEC. Proeja – Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de

Educação de Jovens e Adultos – Educação Profissional Técnica de Nível Médio / Ensino Médio. Documento Base. 2a ed., Brasília: MEC,

agosto de 2007b.

BRASIL. MEC – SEMTEC. Proep – Concepções, experiências, problemas e propostas. Documento-base. In: Seminário Nacional de

Educação Profissional. Brasília: Ministério da Educação, 16 a 18 de junho de 2003.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: Uma Crônica do Salário. Coleção Zero à Esquerda. Petrópolis: Vozes, 1998.

CASTRO, Ramón Peña. Escola e mercado: a escola face à institucionalização do desemprego e da precariedade na sociedade colocada

ao serviço da economia. Perspectiva, vol. 22, nº 1, p. 79-92, jan./jun. 2004.

CHARLOT, B. Du rapport au savoir: éléments pour une théorie. Paris: Anthropos, 1997.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação brasileira: projetos em disputa. São Paulo: Cortez, 1995.

DUBAR, C. La crise des identités. Paris: PUF, 2000.

DUBET, François. A propos de la violence et des jeunes. Cultures & Conflits, nº 6, 1992, p. 7-24.

DURU-BELLAT, M. L’inflation scolaire. Paris: Seuil, 2006a.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática pedagógica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2003.

________. Globalização e crise do emprego: mistificações e perspectivas da formação técnico-profissional. Boletim Informativo do Senac,

vol. 25, nº 2, maio/agosto 1999.

________. Trabalho, educação e teoria pedagógica. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final

de século. Petrópolis: Vozes, 1998a.

________. A política de formação técnico-profissional, globalização excludente e o desemprego estrutural. In: 21a Reunião Anual da

Anped, 1998b.

________. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1984.

FRIGOTTO, G; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. A gênese do Decreto nº 5.154/2004: um debate no contexto controverso da democracia

restrita. In: ________ (orgs.). Ensino médio integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, vol. 2, 2000/V. 3, 2002.

IRELAND, T. Escolarização de trabalhadores: aprendendo as ferramentas básicas para a luta cotidiana. In: OLIVEIRA, Inês B., PAIVA, Jane

(orgs.). Educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

KUENZER, A. Competência como práxis. Boletim Técnico do SENAC, vol. 30, nº 3, setembro/dezembro, 2004.

LUKÄCS, G. Ontologia do ser social. Revista Ciências Humanas, São Paulo, 1974.

MACHADO, L. Politecnia, escola unitária e trabalho. São Paulo. Cortez/Autores Associados, 1989.

MARTINS, J. de S. Exclusão social e a nova desi gualdade. São Paulo: Paulus, 1997.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. 19ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. (Livro I, volume 1)

MEKSENAS, P. Sociologia da educação: Uma introdução ao estudo da escola no processo de transformação social. São Paulo: Cortez, 1992.

MELUCCI, A. A invenção do presente. Petrópolis: Vozes, 2001.

NOSELLA, P. O trabalho como princípio educativo em Gramsci. In: SILVA, T. T. da (org.). Trabalho, educação e prática social: por uma

teoria da formação humana. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

____________ A escola de Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

OLIVEIRA, F. O ornitorrinco. ANTIVALOR – Artigos. Disponível em http://antivalor2.vilabol.uol.com.br/textos/schwarz/schwarz_55.html, 2003.

OLIVEIRA, L. Os excluídos existem? Notas sobre a elaboração de um novo conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 33, p. 49-

, fevereiro de 1997.

PINEAU, G. Temporalidades na formação. São Paulo: Triom, 2004.

POCHMANN, M. A década dos mitos: o novo modelo econômico e a crise do trabalho no Brasil. São Paulo: Contexto, 2001.

PROGRAMA de Governo 2002. Um Brasil para todos. São Paulo: Partido dos Trabalhadores. Diretório Nacional, 2002.

SANTOS, B. S. Os novos caminhos da teoria crítica. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra: nº 16-17, abril, 1999.

SENNET, R. A corrosão do caráter. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SINGER, P. Poder, política e educação. 18ª Reunião da Anped, 1995.

SILVA, A. M. C. Desafios contemporâneos para a formação de jovens e adultos. Educar em Revista, nº 29, 2007.

SOUZA, J. dos S. Concepções e Propostas da CUT e da Força Sindical para a Educação Brasileira – Anos 90. In: NEVES, L. M. W. (org.).

Educação e política no limiar do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2000, p. 79-102.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, vol. 1, 3ª ed., 1997.

Downloads

Publicado

29/07/2015

Como Citar

COELHO, Maria Inês de Matos. IDENTIDADES E FORMAÇÃO NOS PERCURSOS DE VIDA DE JOVENS E ADULTOS TRABALHADORES: DESAFIOS AO PROEJA. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 83–97, 2015. DOI: 10.15628/rbept.2008.2871. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/2871. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS