FLORISTIC COMPOSITION AND SIMILARITY OF A CAATINGA FOREST AREA, BAHIA, BRAZIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9900

Palavras-chave:

Chapada Diamantina Complex, Sertaneja Meridional Depression, Savanna-steppe forest, semi-arid, Contendas do Sincorá National Forest.

Resumo

The present study evaluated floristic composition, similarity and the phytogeographic structuring framework of Caatinga in the Contendas do Sincorá National Forest. The climate of the region is BSwh', with annual precipitation of 500 to 700 mm and altitude between 300 and 400 m. The soil is eutrophic red-yellow ultisol. Floristic similarity was established by the unweighted pair group method with arithmetic mean. Fifty-one (51) taxa were found distributed in 20 families. The families with the largest number of genera and species were Fabaceae and Euphorbiaceae. The classification for this physiognomy was Woody Savanna-Steppe. Floristic similarity revealed a tendency of grouping between fragments of the same state and ecoregion. Despite the history of exploitation, the floristic composition was as expected for Caatinga areas. The similarity analysis revealed that the area in question does not have a similar floristic identity to the other Caatinga areas analyzed.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Willyan Charles Amaral Batista, Engenheiro Florestal


Mestre em Ciências Florestais

Alessandro de Paula, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Engenheiro Florestal. Doutora. em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos. Departamento de Engenharia Agrícola e Solos. Ciências Florestais

Patrícia Anjos Bittencourt Barreto-Garcia, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Engenheira Florestal. Doutorado em Produção Vegetal pela Universidade Estadual do Norte Fluminense. Departamento de Engenharia Agrícola e Solos. Ciências Florestais

Rúbia Santos Fonseca, Universidade Federal de Minas Gerais

Bióloga. Doutorado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa. Instituto de Ciências Agrárias Dendrologia e Sistemática Vegetal 

Avaldo de Oliveira Soares Filho, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Biólogo. Doutorado em Botânica pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Departamento de Ciências Naturais. 

Suellen Gomes Monteiro Batista, Engenheira Florestal

Mestre em Ciências Florestais

Referências

Amaral, G. C., Alves, A. R., Oliveira, T. M., Almeida, K. N. S., Farias, S. G. G., & Botrel, R. T. (2012). Estudo florístico e fitossociológico em uma área de transição Cerrado-Caatinga no município de Batalha-PI. Scientia Plena, 8(4 (b)), 1-5.

APG, The Angiosperm Phylogeny Group. 2016. (2016). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181(1), 1-20.

Apgaua, D. M. G., Coelho, P. A., Santos, R. M. D., Santos, P. F., & Oliveira-Filho, A. T. D. (2014). Tree community structure in a seasonally dry tropical forest remnant, Brazil. Cerne, 20(2), 173-182.

Cardoso, D. B. O. S., França, F., Novais, J. S. D., Ferreira, M. H. D. S., Santos, R. M. D., Carneiro, V. M. S., & Gonçalves, J. M. (2009). Composição florística e análise fitogeográfica de uma floresta semidecídua na Bahia, Brasil. Rodriguésia, 60(4), 1055-1076.

Costa, G. M. D., Cardoso, D., Queiroz, L. P. D., & Conceição, A. A. (2015). Variações locais na riqueza florística em duas ecorregiões de caatinga. Rodriguésia, 66(3), 685-709.

Farias, R. R. S. D., & Castro, A. A. J. F. (2004). Fitossociologia de trechos da vegetação do complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 18(4), 949-963.

Ferraz, J. S. F., Ferreira, R. L. C., Silva, J. A. A., Meunier, I. M. J., & Santos, M. V. F. (2014). Estrutura do componente arbustivo-arbóreo da vegetaçãoem duas áreas de caatinga, no município de Floresta, Pernambuco. Revista Árvore, 38(6), 1055-1064.

Ferraz, R. C., Mello, A. A., Ferreira, R. A., & Prata, A. P. D. N. (2013). Levantamento fitossociológico em área de Caatinga no monumento natural Grota do Angico, Sergipe, Brasil. Revista Caatinga, 26(3), 89-98.

Ferreira, E. V. R., Prata, A. P. D. N., & Mello, A. A. D. (2013). Floristic List from a Caatinga Remnant in Poço Verde, Sergipe, Brazil. Check list 96: 1354-1360.

Guerra, A. M. N., Pessoa, M. D. F., & Maracajá, P. B. (2014). Estudo fitossociológico em dois ambientes da caatinga localizada no assentamento Moacir Lucena, Apodi-RN-Brasil. Revista Verde, 9(1), 141-150.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2012). Manuais técnicos em geociências 1 - Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2ª ed. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Geociências Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 271 p.

Leitão, A. C., Vasconcelos, W. A., Cavalcante, A. D. M. B., TINÔCO, L. B. D. M., & FRAGA, V. D. S. (2014). Florística e estrutura de um ambiente transicional caatinga-mata atlântica. Revista Caatinga, 27(3), 200-210.

Leite, J. A. N., Araujo, L. V. C., Arriel, E. F., Chaves, L. F. C., & Nobrega, A. M. F. (2015). Análise quantitativa da vegetação lenhosa da Caatinga em Teixeira, PB. Pesquisa Florestal Brasileira, 35(82), 89-100.

Lemos, J. R., & Meguro, M. (2015). Estudo fitossociológico de uma área de Caatinga na Estação Ecológica (ESEC) de Aiuaba, Ceará, Brasil. Biotemas, 28(2), 39-50.

Lemos, J. R., & Rodal, M. J. N. (2002). Fitossociologia do componente lenhoso de um trecho da vegetação de caatinga no Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 16(1), 23-42.

Lemos, J. R., & Zappi, D. C. (2012). Distribuição geográfica mundial de plantas lenhosas da Estação Ecológica de Aiuaba, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 10(4), 446-456.

Lemos, J. R. (2004). Composição florística do Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Rodriguésia, 55-66.

Lima, P. C. F., & Lima, J. L. S. (1999). Composição florística e fitossociologia de uma área de Caatinga em Contendas do Sincorá, Bahia, microrregião homogênea da Chapada Diamantina. Acta Botanica Brasilica, 123: 441-450.

Milligan, G. W., & Cooper, M. C. (1985). An examination of procedures for determining the number of clusters in a data set. Psychometrika, 50(2), 159-179.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. (2006). Plano de manejo da Floresta Nacional Contendas do Sincorá - volume I. Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 132 p.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. (2014). Lista nacional oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção. Portaria MMA 443, 17 de dezembro de 2014.

Mojena, R. (1977). Hierarchical grouping methods and stopping rules: an evaluation. The Computer Journal, 20(4), 359-363.

Oliveira, P. T. B., Trovão, D. M. D. B. M., de Carvalho, E. C. D., Souza, B. C., & Ferreira, L. M. R. (2009). Florística e fitossociologia de quatro remanescentes vegetacionais em áreas de serra no cariri paraibano. Revista Caatinga, 22(4), 169-178.

Pereira Júnior, L., Andrade, A. P., & Araújo, K. D. (2012). Composição florística e fitossociológica de um fragmento de caatinga em Monteiro, PB. Holos, 6, 73-87.

Pereira Júnior, L. R., Andrade, A. P. D., Araújo, K. D., Barbosa, A. D. S., & Barbosa, F. M. (2014). Espécies da caatinga como alternativa para o desenvolvimento de novos fitofármacos. Floresta e Ambiente, 21(4), 509-520.

Pinheiro, K., Rodal, M. J. N., & Alves, M. (2010). Floristic composition of different soil types in a semi-arid region of Brazil. Revista Caatinga, 232, 68-77.

Rodal, M. J. N., Martins, F. R., & Sampaio, E. V. D. S. B. (2008). Levantamento quantitativo das plantas lenhosas em trechos de vegetação de caatinga em Pernambuco. Revista Caatinga, 21(3), 192-205.

Sabino, F. G. D. S., Cunha, M. D. C. L., & Santana, G. M. (2016). Estrutura da vegetação em dois fragmentos de caatinga antropizada na Paraíba. Floresta e Ambiente, 23(4), 487-497.

Sanquetta, M. N. I., Corte, A. P. D., Sanquetta, C. R., Rodrigues, A. L., & Mongon, F. (2014). Diversidade e estrutura fitossociológica da caatinga na região de Brumado–BA. Enciclopédia Biosfera, 10(17), 2157-2167.

Santos, R. M. D., Vieira, F. D. A., Fagundes, M., Nunes, Y. R. F., & Gusmão, E. (2007). Riqueza e similaridade florística de oito remanescentes florestais no norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Árvore, 31(1), 135-144.

Shepherd, G. J. (2010). Fitopac - manual do usuário. Universidade Estadual de Campinas, 6 p.

Silva, J. G., Paula, A., Paula, R. C. A. L., Barreto, P. A. B., Tagliaferre, C. (2015). Análise cienciométrica em botânica e ecologia no estado da Bahia. Sodebras, 10(117), 159-163.

Silva, N., Lucena, R. F. P., Farias Lima, J. R., Lima, G. D. S., Carvalho, T. K. N., Sousa Júnior, S. P., & Alves, C. A. B. (2014). Conhecimento e Uso da Vegetação Nativa da Caatinga em uma Comunidade Rural da Paraíba, Nordeste do Brasil. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão, 34, 5-37.

Velloso, A. L., Sampaio, E. V. S. B., & Pareyn, F. G. C. (2002). Ecorregioes propostas para o Bioma caatinga. Recife: Associaçao Plantas do Nordeste, Instituto de Conservaçao Ambiental. The Nature Conservancy do Brasil, 76 p.

Downloads

Publicado

16/12/2020

Como Citar

Batista, W. C. A., Paula, A. de, Barreto-Garcia, P. A. B., Fonseca, R. S., Soares Filho, A. de O., & Batista, S. G. M. (2020). FLORISTIC COMPOSITION AND SIMILARITY OF A CAATINGA FOREST AREA, BAHIA, BRAZIL. HOLOS, 6, 1–14. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9900

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)