ESTUDO DE CASO, PADRONIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DA COLORAÇÃO ARTIFICIAL EM PRETO PARA ÁGATAS DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.6389

Palavras-chave:

gemas, beneficiamento, tingimento preto, ágata

Resumo

A ágata do sul do Brasil, apresenta colorações pouco interessantes ou salientes, sendo predominante os tons acinzentados. Tais qualidades, foram fatores determinantes para o início do processo de tingimento de ágata do Rio Grande do Sul, no século XVIII. Atualmente, o segmento mineral, apresenta carências relacionadas a tecnologias e processos de produção, além de infraestruturas inadequadas, resultando em prejuízo para as comunidades produtoras. Nesse cenário, a pesquisa se estrutura para avaliar técnicas operacionais viáveis para o setor, objetivando a melhoria do valor agregado às gemas beneficiadas e qualidade da cor.  Para o desenvolvimento do tratamento em preto, o sistema foi replicado, padronizado e otimizado no Laboratório LAPROM da UFGRS e Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias do Rio Grande do Sul. A amostragem foi classificada em quatro padrões e analisada em espectrofotômetro. Ao término, se tem a comparação dos resultados do tingimento otimizado e o convencional, com as curvas de distribuição espectral medidas antes e após o tratamento termoquímico da ágata. Com o sistema otimizado, foi possível reduzir  custos operacionais,  tempo de energia envolvida no sistema, manter da qualidade da cor e relacionar com a proporção de reagentes usados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cristiane Ericksson, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

pesquisadora no Laboratório de Processamento Mineral (LAPROM)/UFRGS

Referências

AGOSTINI, I. M; FIORENTINI, J. A. (1998). Ágata do Rio Grande do Sul. Brasília: DNPM. Tecnologia de beneficiamento. 6, 103-132.

ANGHINETTI, I. C. (2012). Tintas, suas Propriedades e Aplicações Imobiliárias (Monografia, Especialização em Construção Civil, Universidade Federal de Minas Gerais, 2012). Belo Horizonte, 65p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEMOLOGIA. Gemologia. Ano II, n° 7, 1957.

BRANCOFT, P. Gem & Crystal Treasures. Fallbrook, California, 1984.

BRUM, T. M. M; JUSHEM, P. L.; AGOSTINI, I. M.; FIORENTINI, J. A. (1998). Classificação da ágata. In: Departamento Nacional da Produção Mineral. Ágata do Rio Grande do Sul. Brasília, v. 1. 3, 37-63.

ERICKSSON, C.; BRUM, I. A. S.; SILVA, J. T. (2012). Estudo de processos e métodos para tingimento de gemas no APL de Pedras, Gemas e Joias. In: Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias do Rio Grande do Sul. Inovação, Desing e Pesquisas aplicadas em Gemas, Joias e Mineração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Instituto de Geociências. Porto Alegre: IGEO/UFGRS. 15, 34-35.

ERICKSSON, C.; BRUM, I. A. S. (2013). Padronização e otimização de sistemas de tingimento de gemas. XXV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa & VIII Meeting ofthe Southern Hemisphereon Mineral Technology, Goiânia – GO. 2013.

ERICKSSON, C.; BRUM, I. A. S.; SILVA, J. T. (2015). Estudo de processos e métodos para tingimento de gemas na tonalidade verde aplicada à diferentes tipologias de ágatas. In: Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias do Rio Grande do Sul. Inovação, Desing e Pesquisas aplicadas em Gemas, Joias e Mineração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Instituto de Geociências. Porto Alegre: IGEO/UFGRS. 2015, 18, 138-145.

ERICKSSON, C.; BRUM, I. A. S. (2017). Estudo de caso, padronização e otimização da coloração artificial em preto para ágatas do Rio Grande do Sul. In: Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias do Rio Grande do Sul. Ações aplicadas à cadeia produtiva de gemas e joias do Rio Grande do Sul. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Instituto de Geociências. Porto Alegre: IGEO/UFGRS. 2017, 7, 60-72.

Flörke O.H.; Köhler-Herbertz B.; Lamger, K & Tönges, I. (1982). Water in microcrystalline quartz of volcanic origin: agates. Contribution to Mineral Petrology, 80. p. 324-333.

HARTMANN, L. A.; BAGGIO, S. B. (2015). Indicadores Geológicos da presença de jazidas de ametista, ágata e cobre em basaltos do Grupo Serra Geral. In: Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias do Rio Grande do Sul. Inovação, Desing e Pesquisas aplicadas em Gemas, Joias e Mineração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Instituto de Geociências. Porto Alegre: IGEO/UFGRS. 2015, 1, 6-13.

LOPES, L. C. (2009). Controle metrológico da cor aplicado à estamparia digital de materiais têxteis. 2009. (Dissertação de Mestrado em Metrologia, Programa de Pós-Graduação em Metrologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2009). Rio de Janeiro, 142.

JUCHEM, P. L. (1999). Mineralogia, Geologia e Gênese dos depósitos de Ametista da região do Alto Uruguai, Rio Grande do Sul. 1999. (Tese de Doutorado em Mineralogia e Petrologia, Programa da Pós-Graduação em Mineralogia e Petrografia, Universidade de São Paulo, 1999). São Paulo, 239.

JUCHEM, Pedro Luiz. (2014). Materiais Gemológicos do RS. Laboratório de Gemologia, Departamento de Mineralogia e Petrografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Instituto de Geociências. Porto Alegre: IGEO/UFGRS. 2014, 4. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/107315/000919105.pdf?sequence=1. Acessado em 25 de fevereiro de 2017.

MARCELLO, R. R. (2013). Caracterização e beneficiamentos das cinzas de incineração de aparas de couro para uso como pigmento cerâmico a base de óxido de cromo. (Dissertação de Mestrado em Engenharia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e Materiais (PPGE3M), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013). Porto Alegre, 80.

MICHELIN, C. R. L. (2007). Sequência de formação das cavidades no basalto e seu preenchimento com zeolitas, arenito, ágata e ametista, Derrame Miolo, São Martinho da Serra, Rio Grande do Sul, Brasil. (Dissertação de Mestrado em Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal do rio Grande do Sul, 2007). Porto Alegre, 50.

MICHELIN, C. R. L.; MISUZAKI, A. M. P.; FERREIRA, V.; BRUM, T. M.; HARTMANN, L. A. (2013). Ágata associada ao magnetismo do Cretáceo da Bacia do Paraná, sul do Brasil. Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013, 12 p.

MICHELIN, C. R. L; MISUZAKI, A. M. P.; BRUM, T. M. (2017). Um estudo comparativo entre a ágata do Distrito Mineiro do Salto do Jacuí (RS) com depósitos da Alemanha. In: Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias do Rio Grande do Sul. Ações aplicadas à cadeia produtiva de gemas e joias do Rio Grande do Sul. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Instituto de Geociências. Porto Alegre: IGEO/UFGRS. 2017, 2, 20-25.

PEIXOTO, C. A. L. (2016). Ajuste da cor de tintas no estado líquido (Dissertação de Mestrado em Engenharia de Minas, Metalurgia e Materiais, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e Materiais (PPGEM), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016). Porto Alegre, 141.

PÉREZ, H. A. (1996). Apuntes de Esmaltes Y Colores Cerámicos. Conselleria de Cultura, Educação Y Ciencia. Generalita Valenciana. Espanha. [1996?], 79-105.

PETTER, C. O. (2008). Princípios de Colorimetria. Porto Alegre: PPGE3M/UFRGS. Apostila. Porto Alegre. 2008.

PETTER, C. O.; GLIESE, R.; SABEDOT, S; VALIM, A. B. (2000). Colorimetric kaolin typologies classification using artificial neural networks. In: International Mineral Processing Congress, Roma, Itália: Elsevier Science Ltd, 2000.

SCHUMANN, Walter. Gemas do Mundo. 3. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1985.

TUBINO, L. C. B. (1998). Tratamento industrial da ágata em bruto no Estado do Rio grande do Sul (Dissertação de Mestrado em Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998). Porto Alegre, 177.

VOGEL, A. I. Análise Química Quantitativa. Londres, SE18 6PF, Inglaterra, 5ª edição. 1988.

Downloads

Publicado

05/12/2017

Como Citar

Ericksson, C., & Schadach de Brum, I. A. (2017). ESTUDO DE CASO, PADRONIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DA COLORAÇÃO ARTIFICIAL EM PRETO PARA ÁGATAS DO RIO GRANDE DO SUL. HOLOS, 6, 3–22. https://doi.org/10.15628/holos.2017.6389

Edição

Seção

ARTIGOS