O CAPITAL SOCIAL E SUAS IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EM MATO GROSSO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.5130

Palavras-chave:

Extensão Rural, Capital Social, Inclusão Produtiva, Políticas Públicas

Resumo

A extensão rural é uma das estratégias de inclusão produtiva no programa Brasil Sem Miséria (BSM), por meio política de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER). Entretanto, a implementação da política em suas diferentes dimensões ainda é pouco discutida em algumas regiões, como no caso de Mato Grosso. Neste sentido, o objetivo geral desta pesquisa é analisar a política de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) sob a ótica do Capital Social em Mato Grosso. Para tal, utilizou-se de uma estrutura metodológica com característica exploratória, a partir de dados de fontes bibliográficas, documentais e um processo estruturado de análise de conteúdo, com o intuito de discutir o fenômeno da pesquisa. Dentre as principais constatações, pode-se inferir que o desenvolvimento do capital social pode atuar como facilitador das ações de formação educacional e assistência técnica no meio rural em Mato Grosso. Por fim, a pesquisa identificou a necessidade de aprofundamento no entendimento de outras políticas dentro do BSM e seu efeito na eficácia e capilaridade da ATER em Mato Grosso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elisandra Marisa Zambra, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutora em Administração pela USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul; Mestre em Agronegócios e Desenvolvimento Regional pela Faculdade de Economia da UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT; Especialista em Docência no Ensino Superior e Graduada em Administração pelas FAIS - Faculdades Integradas de Sorriso (FAIS). E professora do Departamento de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT.

Paulo Augusto Ramalho Souza, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutorado em Administração pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Estágio Doutoral no Doutorado de Economia da Universidade do MINHO em Portugal (UMINHO) Mestrado e Graduação em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e Professor do Departamento de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso UFMT

Sandro Ribeiro da Costa, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Biologia pela Universidade do Estado do Amazonas, Especialista na área de educação ambiental na Universidade da Cidade de São Paulo e Mestrado em Biociência Animal pela Universidade de Cuiabá.

Referências

Abramovay, R. (2003). O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: UFRGS.

Abramovay, R., &Veiga, J. E. (1998). Novas instituições para o desenvolvimento rural: o caso do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Brasília: Ipea.

Alves, A. C. D. (2017). As práticas extensionistas da EMATER frente à política nacional de assistência técnica e extensão rural: um estudo na microrregião de Pará de Minas/Mg. Revista de Extensão e Estudos Rurais, 6(2), 26-44.

Alves, F. D., & Friedrich, D. B. (2017). O necessário empoderamento do cidadão à efetivação das políticas públicas no brasil: a contribuição do capital social à efetiva participação nos instrumentos democrático-participativo-deliberativos. Revista de Direito da Cidade, 9(2), 725-753.

Banco Mundial. (2003). Questionário integrado para medir capital social. Recuperado de: http://www.contentdigital.com.br/textos/comunidades/Questionario/

Behring, E. R, & Boschetti, I. (2008). Política Social: fundamentos e história. (5a ed.). São Paulo: Cortez.

Brasil. (2006). Lei Nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2007). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário /SAF/Dater.

Brasil. (2013). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Caderno de Estudos do Curso de Indicadores para Diagnóstico do SUAS e do Plano Brasil sem Miséria. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário; Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; Secretaria Nacional de Assistência Social.

Brasil. (2014). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O Brasil sem miséria. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2014.

Caporal, F. R. (2006). Política Nacional de Ater: Primeiros passos de sua implementação e alguns obstáculos e desafios a serem enfrentados. In: Tavares, J.; Ramos, J. (Org.). Assistência Técnica e Extensão Rural: Construindo o conhecimento Agroecológico. Manaus: Bagaço.

Caporal, F. R., & Costabeber, J. A. (2004). Agroecologia e Extensão Rural: Contribuições para a Promoção do Desenvolvimento Rural Sustentável. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário /SAF/Dater.

Castilhos, D. S. B. (2002). Capital Social e Políticas Públicas: um estudo da linha infra-estrutura e serviços aos municípios do PRONAF. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Chell, E. (2001). Entrepreneurship: Globalization, Innovation and Development. London: Thompson Learning.

Coleman, J. (1988). Foundations of Social Capital Theory. Cambridge: Harvard University Press.

Costa, R. Z. D., Souza, P. M., & Almeida, L. F. (2018). Agricultura familiar e associativismo: a experiência dos agricultores do município de Brejetuba-ES. Revista Desenvolvimento Social, 1(22), 19.

Dasgupta, P. (2000). O progresso econômico e a ideia de o capital social. In: Dasgupta, P., Serageldin, I. Capital Social: Uma Perspectiva Multifacetado. Washington: Banco Mundial, pp. 325-424.

De Souza, P. A. R., Romeiro, M. C., & Zambra, E. M. (2014). Capital social organizacional e a produção científica no Brasil na área de administração de 2003 a 2013. Revista Internacional de Investigación en Ciencias Sociales, 10(2), 169-180.

Dorneles, R. M. A., & Redin, E. (2015). A prática extensionista–análise dos projetos de ATER no Rio Grande do Sul. Acta Geográfica, 8(17), 33-49.

Favareto, A. (2010). A abordagem territorial do desenvolvimento rural-mudança institucional ou" inovação por adição"?. Estudos avançados, 24(68), 299-319.

Fukuyama, F. (1995). Social capital and the global economy. Foreign Affairs, 74(5), 89-103.

Gehlen, I. (2004). Políticas públicas e desenvolvimento social rural. São Paulo em Perspectiva, 18(2), 5-103.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Guanziroli, C. E., Cardim, S. E. C. S. (Org). (2000). Novo Retrato da Agricultura familiar: O Brasil redescoberto. Brasília: INCRA/FAO.

Guanziroli, C. E., Romeiro, A., Di Sabbato, A., Shiki, S., & Couto, V. (1996). Perfil da agricultura familiar no Brasil: dossiê estatístico. Brasília: INCRA/FAO.

Ibge. (2009). Censo Agropecuário 2006 - Agricultura Familiar: Primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE.

Kawai, F. Y., Alves, M. P., Costa, S. R., Souza, P. A. R., Zambra, E. M., & Andrade, J. R. (2016). A extensão rural voltada à agricultura sustentável como alternativa de combate à pobreza em assentamentos rurais no município de Rosário Oeste-MT, Brasil. Revista Espacios, 37(01), 1-18.

Lin, N. (2001). Social Capital: a theory of social structure and action, Cambridge: Cambridge University Press.

Mattei, L. (2017). O papel e a importância da agricultura familiar no desenvolvimento rural brasileiro contemporâneo. Revista Econômica do Nordeste, 45(5), 83-92.

Navarro, Z. (2001). Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estudos Avançados- Dossiê Desenvolvimento Rural, 15(43), 83-100.

Noce, M. A., & Neto, J. A. F. (2017). Uma análise da política pública brasileira de desenvolvimento rural, com foco no combate à pobreza no campo. Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE, 1(8), 36-56.

Paes-Sousa, R. (2013). Plano Brasil Sem Miséria: Incremento e mudança na política de proteção e promoção social no Brasil. IPC-IG Working Paper, 1(113), 01-69.

Peixoto, M. (2004). Mudanças e desafios da extensão rural no Brasil e no mundo. In: BUAINAIN, A. M. et al. O mundo rural no Brasil do século 21: A formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília-DF: Embrapa.

Picolotto, E. L. (2011). As mãos que alimentam a nação: agricultura familiar, sindicalismo e política. Tese (Doutorado em Ciências do Desenvolvimento). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Putnam, R. D. (1996). Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro. Editora: FGV.

Ramos, S. M., & Prates, A. M. M. C. (2017). O Plano Brasil sem Miséria e o combate à pobreza no Município de Guarapuava–PR. Libertas, 17(1), 65-90.

Rocha, J. M., & Branderbueg, A. (2003). Limites e desafios da agricultura familiar: a sustentabilidade em questão. REDES, 8(2), 93-104.

Rua, M. G. (2009). Políticas Públicas. Florianópolis: EdUFSC.

Schneider, S. (2010). Situando o Desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Revista de Economia Política, 30(3), 511-531.

Schneider, S., Mattei, L., & Cazella, A. (2004). Histórico, caracterização e dinâmica recente do Pronaf. In: Schneider, S., Silva, M. K., & Marques, P. E. M. (Org.). Políticas públicas e participação social no Brasil rural. Porto Alegre: UFRGS, pp. 21-50.

Souza B. G., Anjos A. H., Pinheiro, C. E. F., & Machado, M. G. (2018). Produção de alimentos e emancipação feminina: uma experiência de um grupo de mulheres na agricultura familiar. Revista Desenvolvimento Social, 1(22), 1-12.

Sposati, A. O. (1989). A Assistência Social na Trajetória das Políticas Sociais Brasileiras. (4a ed.). São Paulo: Cortez.

Tocqueville, A. Voyages aux États-Unis. Paris: Éditions Gallimard, 1932.

Veiga, J. E. (1998). A face territorial do desenvolvimento: Relatório de pesquisa. São Paulo: Fapesp.

Vergara, S. C. (2009). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. (10a ed.). São Paulo: Atlas.

Weick, J. (1996). Drop your tools: an allegory for organizational studies. Administrative Science Quarterly, 41(2), 301-313.

Westhead, P., & Matley, H. (2006). Skills associated with employment positions in SMEs and favourable attitudes toward self-employment: longitudinal evidence from students who participated in the Shell Technology Enterprise Programme. Technology Analysis & Strategic Management, 18(1), 93-124.

Downloads

Publicado

2018-02-09

Como Citar

Zambra, E. M., Souza, P. A. R., & Costa, S. R. da. (2018). O CAPITAL SOCIAL E SUAS IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EM MATO GROSSO. HOLOS, 1, 271–287. https://doi.org/10.15628/holos.2018.5130

Edição

Seção

ARTIGOS