O CAPITAL SOCIAL E SUAS IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EM MATO GROSSO

Elisandra Marisa Zambra, Paulo Augusto Ramalho Souza, Sandro Ribeiro da Costa

Resumo


A extensão rural é uma das estratégias de inclusão produtiva no programa Brasil Sem Miséria (BSM), por meio política de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER). Entretanto, a implementação da política em suas diferentes dimensões ainda é pouco discutida em algumas regiões, como no caso de Mato Grosso. Neste sentido, o objetivo geral desta pesquisa é analisar a política de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) sob a ótica do Capital Social em Mato Grosso. Para tal, utilizou-se de uma estrutura metodológica com característica exploratória, a partir de dados de fontes bibliográficas, documentais e um processo estruturado de análise de conteúdo, com o intuito de discutir o fenômeno da pesquisa. Dentre as principais constatações, pode-se inferir que o desenvolvimento do capital social pode atuar como facilitador das ações de formação educacional e assistência técnica no meio rural em Mato Grosso. Por fim, a pesquisa identificou a necessidade de aprofundamento no entendimento de outras políticas dentro do BSM e seu efeito na eficácia e capilaridade da ATER em Mato Grosso.


Palavras-chave


Extensão Rural, Capital Social, Inclusão Produtiva, Políticas Públicas

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovay, R. (2003). O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: UFRGS.

Abramovay, R., &Veiga, J. E. (1998). Novas instituições para o desenvolvimento rural: o caso do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Brasília: Ipea.

Alves, A. C. D. (2017). As práticas extensionistas da EMATER frente à política nacional de assistência técnica e extensão rural: um estudo na microrregião de Pará de Minas/Mg. Revista de Extensão e Estudos Rurais, 6(2), 26-44.

Alves, F. D., & Friedrich, D. B. (2017). O necessário empoderamento do cidadão à efetivação das políticas públicas no brasil: a contribuição do capital social à efetiva participação nos instrumentos democrático-participativo-deliberativos. Revista de Direito da Cidade, 9(2), 725-753.

Banco Mundial. (2003). Questionário integrado para medir capital social. Recuperado de: http://www.contentdigital.com.br/textos/comunidades/Questionario/

Behring, E. R, & Boschetti, I. (2008). Política Social: fundamentos e história. (5a ed.). São Paulo: Cortez.

Brasil. (2006). Lei Nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2007). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário /SAF/Dater.

Brasil. (2013). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Caderno de Estudos do Curso de Indicadores para Diagnóstico do SUAS e do Plano Brasil sem Miséria. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário; Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; Secretaria Nacional de Assistência Social.

Brasil. (2014). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O Brasil sem miséria. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2014.

Caporal, F. R. (2006). Política Nacional de Ater: Primeiros passos de sua implementação e alguns obstáculos e desafios a serem enfrentados. In: Tavares, J.; Ramos, J. (Org.). Assistência Técnica e Extensão Rural: Construindo o conhecimento Agroecológico. Manaus: Bagaço.

Caporal, F. R., & Costabeber, J. A. (2004). Agroecologia e Extensão Rural: Contribuições para a Promoção do Desenvolvimento Rural Sustentável. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário /SAF/Dater.

Castilhos, D. S. B. (2002). Capital Social e Políticas Públicas: um estudo da linha infra-estrutura e serviços aos municípios do PRONAF. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Chell, E. (2001). Entrepreneurship: Globalization, Innovation and Development. London: Thompson Learning.

Coleman, J. (1988). Foundations of Social Capital Theory. Cambridge: Harvard University Press.

Costa, R. Z. D., Souza, P. M., & Almeida, L. F. (2018). Agricultura familiar e associativismo: a experiência dos agricultores do município de Brejetuba-ES. Revista Desenvolvimento Social, 1(22), 19.

Dasgupta, P. (2000). O progresso econômico e a ideia de o capital social. In: Dasgupta, P., Serageldin, I. Capital Social: Uma Perspectiva Multifacetado. Washington: Banco Mundial, pp. 325-424.

De Souza, P. A. R., Romeiro, M. C., & Zambra, E. M. (2014). Capital social organizacional e a produção científica no Brasil na área de administração de 2003 a 2013. Revista Internacional de Investigación en Ciencias Sociales, 10(2), 169-180.

Dorneles, R. M. A., & Redin, E. (2015). A prática extensionista–análise dos projetos de ATER no Rio Grande do Sul. Acta Geográfica, 8(17), 33-49.

Favareto, A. (2010). A abordagem territorial do desenvolvimento rural-mudança institucional ou" inovação por adição"?. Estudos avançados, 24(68), 299-319.

Fukuyama, F. (1995). Social capital and the global economy. Foreign Affairs, 74(5), 89-103.

Gehlen, I. (2004). Políticas públicas e desenvolvimento social rural. São Paulo em Perspectiva, 18(2), 5-103.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Guanziroli, C. E., Cardim, S. E. C. S. (Org). (2000). Novo Retrato da Agricultura familiar: O Brasil redescoberto. Brasília: INCRA/FAO.

Guanziroli, C. E., Romeiro, A., Di Sabbato, A., Shiki, S., & Couto, V. (1996). Perfil da agricultura familiar no Brasil: dossiê estatístico. Brasília: INCRA/FAO.

Ibge. (2009). Censo Agropecuário 2006 - Agricultura Familiar: Primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE.

Kawai, F. Y., Alves, M. P., Costa, S. R., Souza, P. A. R., Zambra, E. M., & Andrade, J. R. (2016). A extensão rural voltada à agricultura sustentável como alternativa de combate à pobreza em assentamentos rurais no município de Rosário Oeste-MT, Brasil. Revista Espacios, 37(01), 1-18.

Lin, N. (2001). Social Capital: a theory of social structure and action, Cambridge: Cambridge University Press.

Mattei, L. (2017). O papel e a importância da agricultura familiar no desenvolvimento rural brasileiro contemporâneo. Revista Econômica do Nordeste, 45(5), 83-92.

Navarro, Z. (2001). Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estudos Avançados- Dossiê Desenvolvimento Rural, 15(43), 83-100.

Noce, M. A., & Neto, J. A. F. (2017). Uma análise da política pública brasileira de desenvolvimento rural, com foco no combate à pobreza no campo. Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE, 1(8), 36-56.

Paes-Sousa, R. (2013). Plano Brasil Sem Miséria: Incremento e mudança na política de proteção e promoção social no Brasil. IPC-IG Working Paper, 1(113), 01-69.

Peixoto, M. (2004). Mudanças e desafios da extensão rural no Brasil e no mundo. In: BUAINAIN, A. M. et al. O mundo rural no Brasil do século 21: A formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília-DF: Embrapa.

Picolotto, E. L. (2011). As mãos que alimentam a nação: agricultura familiar, sindicalismo e política. Tese (Doutorado em Ciências do Desenvolvimento). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Putnam, R. D. (1996). Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro. Editora: FGV.

Ramos, S. M., & Prates, A. M. M. C. (2017). O Plano Brasil sem Miséria e o combate à pobreza no Município de Guarapuava–PR. Libertas, 17(1), 65-90.

Rocha, J. M., & Branderbueg, A. (2003). Limites e desafios da agricultura familiar: a sustentabilidade em questão. REDES, 8(2), 93-104.

Rua, M. G. (2009). Políticas Públicas. Florianópolis: EdUFSC.

Schneider, S. (2010). Situando o Desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Revista de Economia Política, 30(3), 511-531.

Schneider, S., Mattei, L., & Cazella, A. (2004). Histórico, caracterização e dinâmica recente do Pronaf. In: Schneider, S., Silva, M. K., & Marques, P. E. M. (Org.). Políticas públicas e participação social no Brasil rural. Porto Alegre: UFRGS, pp. 21-50.

Souza B. G., Anjos A. H., Pinheiro, C. E. F., & Machado, M. G. (2018). Produção de alimentos e emancipação feminina: uma experiência de um grupo de mulheres na agricultura familiar. Revista Desenvolvimento Social, 1(22), 1-12.

Sposati, A. O. (1989). A Assistência Social na Trajetória das Políticas Sociais Brasileiras. (4a ed.). São Paulo: Cortez.

Tocqueville, A. Voyages aux États-Unis. Paris: Éditions Gallimard, 1932.

Veiga, J. E. (1998). A face territorial do desenvolvimento: Relatório de pesquisa. São Paulo: Fapesp.

Vergara, S. C. (2009). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. (10a ed.). São Paulo: Atlas.

Weick, J. (1996). Drop your tools: an allegory for organizational studies. Administrative Science Quarterly, 41(2), 301-313.

Westhead, P., & Matley, H. (2006). Skills associated with employment positions in SMEs and favourable attitudes toward self-employment: longitudinal evidence from students who participated in the Shell Technology Enterprise Programme. Technology Analysis & Strategic Management, 18(1), 93-124.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5130



 

HOLOS IN THE WORLD