EMERGÊNCIA DE Licania rigida BENTH (CHRYSOBALANACEAE) EM FUNÇÃO DO TRATAMENTO PRÉ-GERMINATIVO E DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO

Autores

  • Ricardo Gonçalves Santos Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Cynthia Cavalcanti de Albuquerque Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Aline Kelly de Aquino Lima Cipriano Universidade Federal do Ceará
  • Iron Macêdo Dantas Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Maria Valdiglêzia de Mesquita Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Kathia Maria Barbosa e Silva Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.2773

Palavras-chave:

oiticica, propagação sexuada, sementes, vigor.

Resumo

Licania rigida é uma espécie arbórea, nativa da Caatinga, que contém uma semente rica em óleo, considerado fonte de matéria prima para diversos fins. Esse trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de diferentes tratamentos pré-germinativos e o tempo de armazenamento em câmara fria sobre a emergência e viabilidade de sementes de L. rigida. Frutos recém-colhidos e armazenadas por 1 e 3 anos em câmara fria foram submetidas aos tratamentos: fruto íntegro – controle, remoção do epicarpo, imersão em H2SO4 (98%) por 10 minutos e embebição em água por 80 e 160 horas. Foram avaliados o percentual de emergência, o tempo médio de emergência e o índice de velocidade de emergência. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial (5 x 2) com quatro repetições de 20 sementes cada. As médias foram comparadas pelo Teste de Tukey. Os resultados mostraram que a remoção do epicarpo proporcionou o maior percentual e índice de velocidade de emergência para L. rigida, tanto nas sementes recém-colhidas quanto após um ano de armazenamento. As sementes perderam a viabilidade com o tempo de armazenamento em câmara fria, sendo que após três anos não houve emergência em nenhum tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ricardo Gonçalves Santos, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Graduado em Ciências Biológicas (Bacharelado) na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), onde atuou em pesquisas principalmente na área de botânica, trabalhando com óleos essenciais, cultivo de vegetais in vitro, estresse salino em plantas e germinação de sementes de espécies nativas da Caatinga. Atualmente é mestrando em Ciência Animal na Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA). Também é membro do Centro Tecnológico de Apicultura e Meliponicultura do Rio Grande do Norte (CETAPIS), onde realiza pesquisas com abelhas Apis mellifera L.

Cynthia Cavalcanti de Albuquerque, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Ciências Biológicas, mestrado e doutorado em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Atualmente é professor adjunto IV e integrante do corpo docente do mestrado em Ciências Naturais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em fisiologia vegetal e propagação de plantas in vitro e ex vitro. É bolsista de produtividade da UERN.

Aline Kelly de Aquino Lima Cipriano, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, onde trabalhou em projetos de pesquisa na área de botânica e fisiologia pós-colheita de frutos. É mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Bioquímica da Universidade Federal do Ceará, com área de concentração nos mecanismos de defesa de plantas a estresses bióticos.

Iron Macêdo Dantas, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba, mestrado em Entomologia (Agronomia) pela Universidade Federal de Lavras e doutorado em Produção Vegetal (Agronomia) pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho. Atualmente é professor adjunto IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte onde trabalha com propagação vegetal e principalmente, biologia de insetos.

Maria Valdiglêzia de Mesquita, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Graduada em ciências Biológicas (Licenciatura) pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Atualmente cursa mestrado no Programa de Pós-graduação em Ciências Naturais da UERN. Trabalha com botânica, atuando principalmente com propagação sexuada e vegetativa de plantas medicinais, nutrição mineral e indução de estresses bióticos em plantas.

Kathia Maria Barbosa e Silva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido e mestrado e doutorado em Fitotecnia (Agronomia) pela Universidade Federal do Ceará. Tem vasta experiência em agronomia, com ênfase em produção de mudas e melhoramento vegetal. Atualmente é professora aposentada pela Faculdade de Ciências Exatas e Naturais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, onde construiu toda sua carreira acadêmica.

Referências

Albuquerque, U. P.; Monteiro, J. M.; Ramos, M. A. & Amorim, E. L. C. (2007). Medicinal and magic plants from a public market in northeastern Brazil. Journal of Ethnopharmacology, Shannon, 110(1), 76-91. doi :10.1016/j.jep.2006.09.010

Bezerra, J. N. S.; Lopes, E. L.; Sousa, A. H.; Barbosa, F. G.; Neto, M. A. Constituintes químicos isolados das raízes de Licania rigida Benth. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA, 32, 2009, Fortaleza. Anais... Fortaleza: SBQ, 2009.

Bianchetti, A.; Teixeira, C. A. D. & Martins, E. P. (1998). Escarificação ácida para superar a dormência de sementes de pinho-cuiabano (Parkia multijuga Benth.). Revista Brasileira de Sementes, 20(1), 215-218.

Brasil - Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. (1992). Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV.

Cavalcanti, N. B.; Resende, G. M. & Drumond, M. A. (2006). Período de dormência de sementes de imbuzeiro. Revista Caatinga, 19(2), 135-139.

Diniz, F. O.; Moreira, F. J. C.; Silva, F. D. B.; Filho, S. M. (2008). Influência da luz e temperatura na germinação de sementes de oiticica (Licania rigida Benth.). Revista Ciência Agronômica, 39(3), 476-480.

Duque, G. (2004). O Nordeste e as lavouras xerófilas. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil.

Dutra, T. R.; Massad, M. D.; Sarmento, M. F. Q. & Oliveira, J. C. (2012). Emergência e crescimento inicial da canafístula em diferentes substratos e métodos de superação de dormência. Revista Caatinga, 25(2), 65-71.

Edmond, J. B. & Drapala, W. J. (1958). The effects of temperature, sand and soil, and acetone on germination of okra seeds. Proceedings of the American Society Horticultural Science, 71, 428-434.

Ferreira, S. A. N. & Gentil, D. F. O. (2006). Extração, embebição e germinação de sementes de tucumã (Astrocaryum aculeatum). Acta Amazonica, 36(2), 141-146.

Freitas, R. A.; Dias, D. C. F. S.; Cecon, P. R. & Reis, M. S. (2000). Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de algodão durante o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, 22(2), 94-101.

Lima, M. J. S. L.; Candeia, R. A.; Conceição, M. M.; Silva, M. C. D.; Gondim, A. D. & Souza, A. G. Avaliação térmica e espectroscópicos do biodiesel de oiticica. In: BRAZILIAN CONGRESS and PAN-AMERICAN CONGRESS ON THERMAL ANALYSIS AND COLORIMETRY, VIII, III, 2012, Campo do Jordão. Anais... Campos do Jordão: TACS, 2012.

Macedo, F. L.; Candeia, R. A.; Sales, L. L. M.; Dantas, M. B.; Souza, A. G. & Conceição, M. M. (2011). Thermal characterization of oil and biodiesel from oiticica (Licania rigida Benth). Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, 106(2), 531-534. doi: 10.1007/s10973-011-1580-z

Maguire, J. D. (1962). Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2(2), 176-177.

Marcos Filho, J. (2005). Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ.

Oliveira, A. K. M.; Schleder, E. D. & Favero, S. (2006). Caracterização morfológica, viabilidade e vigor de sementes de Tabebuia áurea (Silva Manso) Benth. & Hook. f. ex. S. Moore. Revista Árvore, 30(1), 25-32.

Oliveira, L. M.; Ribeiro, M. C. C.; Maracajá, P. B. & Carvalho, G. S. (2009). Qualidade fisiológica de sementes de moringa em função do tipo de embalagem, ambiente e tempo de armazenamento. Revista Caatinga, 22(4), 70-75.

Oliveira, M. C. P. & Oliveira, G. J. (2008). Superação da dormência de sementes de Schinopsis brasiliensis. Ciência Rural, 38(1), 251-254.

Pellizzaro, K.; Mendes de Jesus, V. A.; Braccini, A. L.; Scapim, C. A. & Viganó, J. (2011). Superação da dormência e influência do condicionamento osmótico em sementes de Pterogyne nitens Tul. (Fabaceae). Revista Caatinga, 24(3), 1-9.

Perez, S. C. J. G. A.; Fanti, S. C. & Casali, C. A. (1999). Influência do armazenamento, substrato, envelhecimento precoce e profundidade de semeadura na germinação de canafístula. Bragantia, 58(1), 57-68.

Popinigis, F. (1985). Fisiologia da semente. Brasília: AGIPLAN.

Rodrigues, A. P. D. C.; Kohl, M. C.; Pedrinho, D. R.; Arias, E. R. A. & Favero, S. (2008). Tratamentos para superar a dormência de sementes de Acacia mangium Willd. Acta Scientiarum Agronomy, 30(2), 279-283.

SCHMIDT, L. (2002). Guide to handling tropical and sub-tropical forest seed. Humlebaek: DFSC.

Silva, D. G.; Carvalho, M. L. M.; Nery, M. C.; Oliveira, L. M. & Caldeira, C. M. (2011). Alterações fisiológicas e bioquímicas durante o armazenamento de sementes de Tabebuia serratifolia. Revista Cerne, 17(1), 1-7. doi: 10.1590/S0104-77602011000100001

Smiderle, O. J. & sousa, R. C. P. (2003). Dormência em sementes de paricarana (Bowdichia virgilioides Kunth – Fabaceae – Papilionidae). Revista Brasileira de Sementes, 25(2), 48-52.

Teixeira, M. T.; Vieira, H. D.; Teixeira, S. L. & Silva, R. F. (2007). Influence of the desinfestation and osmotic conditioning on the germinating behavior of australian royal palm (Archontophoenix alexandrae) seeds. Revista Brasileira de Sementes, 29(1), 155-159.

UNESP - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. (1994). ESTAT Versão 2.0. Jaboticabal: FCAV/UNESP.

Villela, F. A. & Peres, W. B. (2004). Coleta, beneficiamento e armazenamento. In: Ferreira, G. A. & Borghetti, F. (Ed.). Germinação: do básico ao aplicado (265-281). Porto Alegre: Artmed.

Downloads

Publicado

2017-11-14

Como Citar

Santos, R. G., Albuquerque, C. C. de, Cipriano, A. K. de A. L., Dantas, I. M., Mesquita, M. V. de, & Silva, K. M. B. e. (2017). EMERGÊNCIA DE Licania rigida BENTH (CHRYSOBALANACEAE) EM FUNÇÃO DO TRATAMENTO PRÉ-GERMINATIVO E DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO. HOLOS, 5, 27–36. https://doi.org/10.15628/holos.2017.2773

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)