PERSPECTIVAS PARA A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE PELLETS

Silvio Roberto de Lucena Tavares, Marília Amaral de Moura Estevão Tavares

Resumo


Este trabalho tem como objetivo analisar o mercado brasileiro para produção e exportação de pellets, um biocombustível sólido, produzido através da compactação e adensamento de biomassa vegetal.  O mercado para esse produto surgiu a partir da crise do petróleo em 1973 e da decisão dos países europeus de reduzirem o consumo de combustíveis fósseis, sob o argumento de que suas emissões contribuiriam para o agravamento do Efeito Estufa.  Desde a Conferência de Estocolmo, realizada em 1972, que países da Comunidade Europeia perseguem a meta de reduzirem em até 20% suas emissões em 2020.  Dentre as alternativas para alcançar esta meta está o uso crescente da biomassa como fonte de energia térmica e elétrica, em especial de biocombustíveis adensados de madeira, conhecidos por pellets.  Apesar da força e tradição da indústria madeireira, os países do norte europeus, maiores consumidores de pellets, não estão conseguindo mais suprir as próprias demandas, o que vem abrindo o comércio internacional do produto a países de dentro e de fora do bloco, como os EUA e o Canadá.  Através do modelo de Heckscher-Ohlin pretende-se demonstrar  que, dotado de vantagens comparativas importantes em relação aos demais países produtores, estudos recentes mostram que o Brasil tem condições de participar desse comércio, alavancando suas exportações no setor madeireiro, do qual já é considerado player mundial.  Para isso, no entanto, tem que superar as dificuldades provocadas pela falta de uma política de incentivo à produção de energia renovável, além de gargalos de logística que encarecem os pellets nacionais, deixando-os menos competitivos.


Palavras-chave


Biocombustíveis sólidos, biomassa, energia renovável, bioenergia, comércio internacional

Texto completo:

PDF

Referências


ANEEL – Agencia Nacional de Energia Elétrica. Atlas de Energia Elétrica - 3ª ed., Brasília: 2008. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/visualizar_texto.cfm?idtxt=1687. Acesso em: 10/05/2012.

CARASCHI J.C. e GARCIA, D.P. A expansão do mercado de pellets de madeira. : Painel Florestal, fevereiro de 2012. Disponível em painelflorestal.com.br/.../a-expansao-do-mercado-de-pellets-de-made…Acesso em 18/05/2012.

CORTEZ, L.A.B; LORA, E.E.S.; AYARZA, J.A.C. Biomassa no Brasil e no mundo. In: CORTEZ, L.A.B; LORA, E.E.S.; GOMEZ, E.O. (org). “Biomassa para energia”. Campinas, São Paulo. Editora da UNICAMP, 2008.

GENTIL, L. V. B. Tecnologia e economia do briquete de madeira. 2008. 196 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Departamento de Engenharia Florestal da Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2008.

GUARDABASSI, P. Sustentabilidade da biomassa como fonte de energia perspectivas para países em desenvolvimento. Dissertação (mestrado) Programa Interunidades de Pós-Graduação em Energia, Universidade de São Paulo São Paulo, 2006.

HALL, D.O.; HOUSE, J. I.; SCRASE, I. Visão geral de energia e biomassa. In ROSILLO-CALE, BAJAY E ROTHMAN. “Uso da Biomassa para Produção de Energia na Indústria Brasileira”. Campinas, São Paulo. Editora da UNICAMP, 2005.

IPCC. Climate Change 2007: Synthesis Report. Genebra, Suíça: IPCC , Geneva, Switzerland, 2007. Resenha de AVILA, Ana Maria H. Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC. Revista Multiciência, ed. nº 8 – Mudanças Climáticas, maio de 2007. Disponível em www.multiciencia.unicamp.br/artigos_08/r01_8.pdf. Acesso em 10/05/2012.

KAREKESI, S., COELHO, S. T., LATA, K. Traditional Biomass Energy: Improving its Use and Moving to Modern Energy Use. In: International Conference for Renewable Energies, 2004, Bonn. Thematic Background Paper, Alemanha, 2004.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Plano Nacional de Resíduos Sólidos: versão preliminar para consulta pública. Brasília, setembro de 2011. Disponível em www.cnrh.gov.br/pnrs/.../versao_Preliminar_PNRS_WM.pdf. Acesso em 09/05/2012.

NOGUEIRA, L. A. H. Bioenergias e Sustentabilidade: nexos e métodos. São Paulo, 2005.

OLIVEIRA, C.M. Wood Pellets Brasil. Edição eletrônica, 53p. Disponível em http://pt.calameo.com/read/00089539002c2bf637402. Acesso em 17/05/2012.

PIGAHT, M. et al. Oportunidades para o comércio de pellets. Revista da Madeira, edição 124, julho de 2010. Disponível em http://www.remade.com.br/br/

revistadamadeira_materia.php?num=1478&subject=Bioenergia%20--%20Pellets&title =Oportunidades%20para%20o%20com%E9rcio%20de%20pellets.Acesso em 17/052012.

QUIRINO, W. F. A Biomassa pode ser fonte de energia para a Indústria? Revista Biomassa & Bionergia, nº 1, p 28-32. São Paulo: Gessuli Agrobussiness, abril de 2012a.

QUIRINO, W. F. O potencial e aplicação da biomassa na produção da agroindústria. In: I Seminário Internacional de Biomassa e Bioenergia, 2012, São Paulo. Disponível em http://www.avesui.com/seminario/download. Acesso em 11/05/2012b.

RAMAGE, J.; SCURLOCK, J. Biomass. In: BOYLE, G. (Ed.). Renewable energy: power for a sustainable future. Oxford: Oxford University Press, cap. 4, p. 137-182, 1996.

ROWELL, R. M. USDA-Forest Product Laboratory. Forest Service. Wood Handbook.Chapter 19-Specialty Treatments. Wisconsin. [1987].

SERRANO, D.M.C. Avaliação doPotencial de Produção e Exportação de Pellets Combustível no Polo Florestal da Região Sul do Brasil. 2009. 104 f. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas, SP, 2009.

VILLELA, A. A. O dendê como alternativa energética sustentável em áreas degradadas da Amazônia. Dissertação de mestrado. UFRJ/Coppe/PPE, 2009, 175 p.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.2662



 

HOLOS IN THE WORLD