O LÚDICO E A VIOLÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DE LUTA: UM ESTUDO DO

Autores

  • Mayrhon José Abrantes Farias Universidade de Brasília
  • Ingrid Dittrich Wiggers Universidade de Brasília
  • Raimundo Nonato Viana Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2014.2543

Palavras-chave:

Infância. Brincadeira. Lutas. Lúdico. Violência

Resumo

O presente estudo objetiva compreender o significado do “se-movimentar” (KUNZ, 2005) representado nas “brincadeiras de luta” (JONES, 2004; SMITH, 1992), vivenciadas por crianças de uma escola pública da cidade de São Luís do Maranhão – Brasil. Tem como base epistemológica a fenomenologia, em especial o pensamento de Merleau-Ponty (1996), através do qual se compreende o “corpo como condição primeira de ‘estar-no-mundo’“. Constituiu-se em um trabalho de campo, de orientação etnográfica, desenvolvido com alunos de quatro turmas do 2º ao 5º ano, dos quais parte significativa já havia participado de episódios de brincadeiras de luta. Foram utilizadas técnicas de observação, conversas informais e a composição de um diário de campo, além da realização de desenhos que dispõem de informações que vão além do próprio desenho em si, povoando os interstícios entre o produtor dos sentidos e aquilo que busca ser significado. A base de investigação gira em torno de quatro episódios de brincadeiras de luta que ocorreram de forma espontânea na escola. Identificamos perspectivas diferentes de brincar de luta, muitas delas trazendo de forma subsumida conteúdos veiculados às mídias, temáticas relacionadas às discussões de gênero, bem como roteiros de violência ilustrados pelo contexto das comunidades do entorno da escola. Conquanto, o lúdico se manifesta de forma preponderante na fala das crianças, coexistindo com atos de agressividade intencionais ou não, vivenciados e reinventados na experiência infantil.


 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mayrhon José Abrantes Farias, Universidade de Brasília

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Educação Física na Universidade de Brasília (PPGEF/FEF/UnB), Especialista em Educação Integral e Integrada pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Maranhão (PPGE/UFMA);

Ingrid Dittrich Wiggers, Universidade de Brasília

Professora da Universidade de Brasília (UnB), credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da UnB, Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina;

Raimundo Nonato Viana, Universidade Federal do Maranhão

Professor Adjunto 4 da Univerrsidade Federal do Maranhão, lotado no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento De Educação Física e  do Programa de Pós Graduação, Mestrado Profissional em Artes- UDESC/UFMA

Referências

BARREIRA, Cristiano Roque A. Uma análise fenomenológica da luta corporal e da arte marcial. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISAS E ESTUDOS QUALITATIVOS, IV, Rio Claro, 2010. Anais... UNESP, 2010. Disponível em: Acesso em: 24/05/2013.

BELLONI, Maria Luiza Crianças e mídias no Brasil: cenários de mudança. Campinas: Papirus, 2010.

BOGDAN, Robert. BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Ed. Portugal, 1994.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. Tradução: Gisela Wajskop. São Paulo, Cortez, 2004.

BUCKINGHAM, David. Crescer na era das mídias eletrônicas. Tradução: Gilka Girardello e Isabel Orofino. São Paulo: Loyola, 2007.

CORSARO, William A. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educ. Soc., Campinas, v.26, n.91, mai./ago., 2005.

CUNHA, Camila Tenório. Traços da cultura infantil:um estudo com grupos de crianças que brincam livremente. 2004. 168 p. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas, 2004.

FERNANDES, Florestan. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. Petrópolis: Vozes, 2004.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOBBI, Márcia. Desenho infantil e oralidade. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de. et al. (Orgs.) Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. Campinas: Autores Associados, 2002. p. 69 - 92.

GRAUE, M. Elizabeth; WALSH, Daniel J. Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Triunfadora-artes gráficas, 2003.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2005.

JONES, Gerard. Brincando de matar monstros, por que as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de-conta. São Paulo: Conrad Livros, 2004.

KUNZ, Elenor. Se-movimentar. In: GONZÁLES, Fernando Jaime; FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo. (orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. Ijuí: Unijuí, 2005.

________.Transformação didático-pedagógica do esporte. 6.ed. Ijuí: Unijuí, 2004.

MACHADO, Sheila da Silva; WIGGERS, Ingrid Dittrich. Imagens da infância: mídias e suas representações em práticas corporais infantis. Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n. 4, p. 821-1113, out./dez., 2012.

MARQUES, Amália Rebolo. Jogo de luta ou luta a sério? Como distinguir para decidir? Cadernos da infância. n. 90, p.24 – 30, ago./2010.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MILLS, C.Wright. A imaginação sociológica. Tradução de W. Dutra, 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MUNARIM, Iracema. Brincando na escola: o imaginário midiático na cultura de movimento das crianças. In: PIRES, Giovani de Lorenzi ; RIBEIRO, Sérgio Dorenski. (Orgs.) Pesquisa em Educação Física e Mídia: contribuições do LaboMídia/UFSC. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Edições Asa, Portugal, 2004. p. 09-34.

SILVA, Alan Marques da; DAOLIO, Jocimar. Análise etnográfica das relações de gênero em brincadeiras realizadas por um grupo de crianças de pré-escola: contribuições para uma pesquisa em busca dos significados. Movimento, Porto Alegre, v.13, n. 01, p.13-37, jan./abr., 2007.

SILVA, Júnior Vágner Pereira da. Espaços para o jogo no recreio escolar e a ocorrência de lutas a “brincar”. Licere, v.11, n.2, p. 1 -17, ago./2008.

SIQUEIRA, Isabelle Borges; WIGGERS, Ingrid Dittrich; SOUZA, Valéria Pereira de. O brincar na escola: relação entre o lúdico e a mídia no universo infantil. Revista Brasileira de Ciências do esporte, Florianópolis, v.34, n.2, p.313-326, abr./jun., 2012.

SMITH, Peter K. et al. Children's perceptions of playfighting, playchasing and real fighting: a cross-national interview study. Social Development, v. 1, p. 211-229, p. 1992.

SMITH, Peter K. Lutar a brincar e lutar a serio: perspectivas sobre a sua relação. In: NETO, C. Jogo & desenvolvimento da criança. 2. ed. Cruz Quebrada: FMH, 2003. p. 23-31.

SMITH, Peter K; SHAFER, Mechthild; Teachers' perceptions of play fighting and real fighting in primary school. Educational Research, v. 38, p. 89-95, 1996.

WENETZ, Ileana; STIGGER, Marco Paulo. A construção do gênero no espaço escolar. Movimento, Porto Alegre, v.12, n. 01, p. 59-80, jan./abr., 2006.

WIGGERS, Ingrid Dittrich. Infância e mídia: crianças desenham novas corporeidades? In: FANTIN. Mônica; GIRARDELLO, Gilka (Orgs.). Liga, roda, clica: estudos em mídia, cultura e infância. Coleção Ágere. Campinas, SP: Papirus, 2008.

WIGGERS, Ingrid Dittrich. Cultura corporal infantil: mediações da escola da mídia e da arte. Revista Brasileira de Ciências do esporte, Campinas, v.26, n.3, p.59-78, mai./2005.

Downloads

Publicado

17/12/2014

Como Citar

Farias, M. J. A., Wiggers, I. D., & Viana, R. N. (2014). O LÚDICO E A VIOLÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DE LUTA: UM ESTUDO DO. HOLOS, 5, 98–111. https://doi.org/10.15628/holos.2014.2543

Edição

Seção

ARTIGOS