A REDE MÃOS À HORTA: PROMOVENDO GERAÇÃO DE RENDA E SEGURANÇA ALIMENTAR EM TEMPOS DE PANDEMIA DE COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2022.12397

Palavras-chave:

Segurança alimentar e nutricional, Redes de comercialização, Guia Alimentar da População Brasileira, Renda Bruta, Agricultura familiar

Resumo

O objetivo deste trabalho foi a determinação da contribuição da Rede Mãos à Horta (RMH) para a geração de renda e contribuição á condição de segurança alimentar dos seus integrantes durante o período de abril de 2020 a março de 2021. Os resultados indicaram que a receita bruta total e a quantidade total para todas as categorias de alimentos identificadas na RMH foram, respectivamente, de R$ 60.728,11 e 6.800 Kg. Já quanto a receita bruta e a quantidade das categorias de alimentos da RMH classificadas como do Grupo 1, alinhadas com o Guia Alimentar da População Brasileira, os resultados foram, respectivamente, de R$ 32.796,65 e 5.400 Kg. Concluiu-se que a RMH contribuiu para o enfrentamento aos impactos da pandemia à geração de trabalho e renda, ao mesmo tempo que pela perspectiva da quantidade, contribuiu para melhoria das condições de segurança alimentar e nutricional de seus consumidores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Chagas da Silva Leão, Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais/Campus Rio Pomba

Tecnólogo em Gastronomia pelo Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (IBMR). Estudante de Bacharelado em Agroecologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais-Campus Rio Pomba (IF Sudeste MG-Campus Rio Pomba). Bolsista PIBIC (IF Sudeste MG/FAPEMIG) do projeto: Estudo comparativo entre os preços de alimentos comercializados pela Rede Mãos a Horta antes e durante o período de pandemia COVID-19 (Edital 10/2020 – PROPPI).

Thais Santos Pelegrino, Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais/Campus Rio Pomba

Estudante de Bacharelado em Agroecologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais-Campus Rio Pomba (IF Sudeste MG-Campus Rio Pomba). Bolsista PIBIC (IF Sudeste MG/FAPEMIG) do projeto: Estudo comparativo entre os preços de alimentos comercializados pela Rede Mãos a Horta antes e durante o período de pandemia COVID-19 (Edital 10/2020 – PROPPI). 

Henri Cócaro, Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais/Campus Rio Pomba

Bacharel em Zootecnia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Mestre e Doutor em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), área de concentração Organizações, Gestão e Sociedade. Professor do Departamento Acadêmico de Ciências Gerenciais do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais-Campus Rio Pomba (DACG/IF Sudeste MG-Campus Rio Pomba).

Referências

Alves, C. D. A. (2010). Agricultura familiar e gestão de custos: um estudo de caso na região do semiárido baiano (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Carlos, Araras, SP, Brasil.

Associação Brasileira das Centrais de Abastecimento (ABRACEN). (2011). Manual operacional dos CEASAS do Brasil. AD2 editora. Belo Horizonte.

Barros, G. P. de, Santos, D. I., Costa, C. S., & Demikoski, M. A. (2021). Pensando Saúde e Segurança Alimentar Durante a Pandemia da Covid-19: A Agroecologia como caminho Pós-Pandemia. Revista Brasileira de Agroecologia, 15(4), 18-29.

Batalha, M. O. (2007). Gestão agroindustrial (3. ed.). Atlas.

Brasil. (2006). Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional- LOSAN. Lei 11.346, de 15 de setembro de 2006.

Brasil. (2010). II Conferência Nacional de Economia Solidária. Documento Base. Senaes/MTE.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2013). Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Ministério da Saúde. Recuperado em 14 de abril de 2021, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_alimentacao_nutricao.pdf

Claro, R. M., Maia, E. G., Costa, B. V. D. L., & Diniz, D. P. (2016). Preço dos alimentos no Brasil: prefira preparações culinárias a alimentos ultraprocessados. Cadernos de Saúde Pública, 32, e00104715.

Cruz, A. (2009). Redes de economia solidária – papéis e limites de atores envolvidos: trabalhadores, universidade e Estado. In: Seminário Internacional "La construcción de conocimientos y prácticas sobre la economía social y solidaria en América Latina y Canadá". Anais... CESOT/FCE/UBA.

Decreto Municipal 2.252/2020. (2020). Determina a suspensão das atividades comerciais e industriais do município de Rio Pomba. Recuperado em 14 de abril de 2020, de https://www.riopomba.mg.gov.br/abrir_arquivo.aspx/DECRETO_N_2252_2020?cdLocal=2&arquivo={0ACEC610-1180-46C0-EDAE-D77C57CECE67}.pdf#search=2.252.

Ferreira, H. S., Barbosa, F. D., Campos, V. P. C., Gouveia, L. V. P., Soares, I. A., & Carvalho, C. M. (2017). Rede Mãos à Horta: movimentação e fortalecimento da agricultura familiar em transição agroecológica. Anais do II SNEA, 12(1).

Higa, W. T. M. (2005). As redes de economia solidária: convergências e divergências entre a cidadania e a inovação tecnológica. Anais do I Simpósio Estadual Lutas Sociais na América Latina, Gepal - Ciências Humanas UEL.

IF Sudeste MG. Portaria-R nº 216/2020 (2020): suspensão das atividades presenciais no âmbito do IF Sudeste MG. Recuperado em 10 de julho de 2020, de https://boletim.sigepe.planejamento.gov.br/publicacao/detalhar/33895.

Maluf, R. (2021). Comer em tempos de pandemia e após. Jornal GGN. Recuperado de https://jornalggn.com.br/artigos/comer-em-tempos-depandemia-e-apos-por-renato-s-maluf/

Marques, P. E. M. (2010). Embates em torno da segurança e soberania alimentar: estudo de perspectivas concorrentes. Segurança alimentar e nutricional, 17(2), 78-87.

Martins, L. A. S., Riffel, C. M., Oliani, F. S., Oliveira, M. R., Reis, K. F., & Guimarães, M. (2015). Redes de comercialização solidária: avanços e desafios da rede comercialização solidária do litoral norte de Santa Catarina. In Anais do VI Congresso da Rede de ITCPs e II Simpósio Internacional de Extensão Universitária em Economia Solidária. Montevideo/Uruguay.

Mior, L. C. (2007). Agricultura familiar, agroindústria e desenvolvimento territorial. In Colóquio Internacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Vol. 2).

Monteiro, C. A. (2014). Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: MS. Recuperado de http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf

Nascimento, K. D. O., Augusta, I. M., da Rocha, R. N., Pires, T., Batista, E., Júnior, J. L. B., & Barbosa, M. I. M. J. (2014). Alimentos minimamente processados: uma tendência de mercado. Acta Tecnológica, 9(1), 48-61.

Oliveira, M. S. S., & Santos, L. A. S. (2020). Guias alimentares para a população brasileira: Uma análise a partir das dimensões culturais e sociais da alimentação. Ciência & Saúde Coletiva, 25, 2519-2528.

Oliveira, S. P. D.; Thébaud-Mony, A. (1997). Estudo do consumo alimentar: em busca de uma abordagem multidisciplinar. Revista de Saúde Pública, 31, 201-208.

OpenFood Brasil (2020). Sobre nós. Disponível em: https://about.openfoodbrasil.com.br/. Acesso em: 10 jul. 2020.

Ploeg, J. D. W. (2021). O sistema alimentar em tempos de COVID-19: Ensinamentos para o futuro. Revista Agriculturas, (3), 1-34. Recuperado em 29 de outubro de 2021, de https://outraspalavras.net/wp-content/uploads/2021/10/211001-VanderPloegCriseAgricola.pdf.

Pozzebon, L., Rambo, A. G., & Gazolla, M. (2018). As cadeias curtas das feiras coloniais e agroecológicas: Autoconsumo e segurança alimentar e nutricional. Desenvolvimento em Questão, 16(42), 405-441.

Rambo, A. G.; Pozzebon, L.; Von Dentz, E. (2019). Circuitos curtos de comercialização e novos usos do território: considerações sobre o PNAE e as feiras livres. Revista Grifos, 28(46), 9-26.

Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN). (2021). VIGISSAN: Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil.

Reis, E. (2008). Estatística descritiva (7ª ed.). Lisboa, Portugal: Sílabo.

Santos Filho, J. C. (2000). Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In S. S. Gamboa (Org.), Pesquisa educacional: quantidade-qualidade (pp. 13-59). São Paulo: Cortez.

Schmidt, M. I., Duncan, B. B., Mendonça, G. A., Menezes, A. M. B., Monteiro, C. A., Barreto, S. M., Chor, D., & Menezes, P. R. (2011). Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet, 61-73. doi: 10.1016/S0140-6736(11)60135-9

Schneider, S. (2016). Mercados e agricultura familiar. In F. C. Marques, M. A. Conterato & S. Schneider (Orgs.), Construção de mercados e agricultura familiar (pp. 93-140). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Minas Gerais (SEAPA). (2020) Covid-19. Recuperado em 10 de julho de 2020, de http://www.agricultura.mg.gov.br/index.php/2020-03-20-17-37-05.

Serafim, N. K. P.; Dias, T. F. (2016). Tecnologias Sociais e as Redes de Comercialização Solidárias: O Caso da Rede Xique Xique de Comercialização Solidária, Rio Grande do Norte – Brasil. Interface - Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, v. 13, n. 2, p. 99-114.

Silva, O. J.; Gomes J. N. N. (2020). O amanhã vai à mesa: abastecimento alimentar e COVID-19. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00095220.

Teodolino, F. C.; Cócaro, H. (2020). Diagnóstico da oferta de alimentos entregues no Programa Nacional de Alimentação Escolar do município de Rio Pomba/MG. Anais...LVIII Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Foz do Iguaçu.

Downloads

Publicado

28/12/2022

Como Citar

Leão, A. C. da S., Pelegrino, T. S. ., & Cócaro, H. (2022). A REDE MÃOS À HORTA: PROMOVENDO GERAÇÃO DE RENDA E SEGURANÇA ALIMENTAR EM TEMPOS DE PANDEMIA DE COVID-19. HOLOS, 4. https://doi.org/10.15628/holos.2022.12397

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.