REFLEXÕES ACERCA DA COVID-19 E A ORGANIZAÇÃO DAS/OS CATADORAS/ES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS ORGANIZADOS EM REDE: O CASO DA REDESUL SUDOESTE MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2022.11502

Palavras-chave:

Catadoras/es de Materiais Recicláveis, Redes, Economia Solidária, COVID-19, pandemia.

Resumo

A pandemia provocou uma crise mundial acarretando consequências socioeconômicas e à saúde pública a toda sociedade. As/os catadoras/es de materiais recicláveis são profissionais da linha de frente do campo do saneamento e sofrem impactos econômicos, além de estarem constantemente sob o risco de contaminação. A organização das/os catadoras/es em Redes é uma estratégia adotada pelas Associações e Cooperativas em busca de fortalecimento e melhores condições de trabalho e durante a pandemia tem sido fundamental para manutenção socioeconômica das/os profissionais da catação. Neste sentido, este trabalho busca apresentar reflexões interdisciplinares a partir da análise das experiências da Redesul Sudoeste MG, dos desafios e estratégias de enfrentamento adotadas pela referida organização, bem como as articulações realizadas com demais atores da cadeia produtiva da reciclagem no sentido de atenuar os prejuízos causados em decorrência da COVID–19. Realizou-se levantamento bibliográfico e coleta de dados por meio de entrevista semiestruturada com o representante da organização, cujos dados foram analisados por meio do método de análise de conteúdo. Os resultados apontam desafios no âmbito da saúde, manutenção financeira, ineficiência de políticas públicas e participação da população. Entretanto, observou-se a potência da organização em Rede pautada pela solidariedade entre os grupos e as articulações com parceiros para o enfrentamento dos desafios e preenchimento das lacunas deixadas pelo poder público quanto a efetivação de políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Éder Luiz Araújo Silva, Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Mestrando no Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade na Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI. Graduado em Tecnologia em Gestão Ambiental pelo IFSULDEMINAS - Câmpus Inconfidentes.

Rosinei Batista Ribeiro, Centro Universitário Teresa D`Ávila – UNIFATEA / Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Pós-Doutorado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) no Instituto de Estudos Avançados - IEAv, Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial - DCTA - 2020. Pós-Doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Guaratinguetá - FEG-UNESP 2014. Bolsista de Produtividade em Pesquisa-PQ -2015/2018. Doutorado em Engenharia Mecânica pela UNESP- FEG (2004). Coordenador Institucional das Bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica do CNPq - PIBIC, PIBITI e PIBIC-EM - UNIFATEA. Docente Permanente no Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Design, Tecnologia e Inovação - PPG-DTI e líder do Grupo de Pesquisa - DGP - CNPq "Projeto de Produto e Tecnologias Sociais". Docente Permanente no Programa de Mestrado Profissional em Gestão e Tecnologia em Sistemas Produtivos no Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza - CEETEPS - Unidade de Pós-Graduação, Extensão e Pesquisa, Professor Associado na Faculdade de Tecnologia de Cruzeiro/SP e Presidente da Câmara de Ensino, Pesquisa e Extensão - CEPE. Docente Permanente no Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento, Tecnologias, Sociedade - Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI. Possui experiência em atividades de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Desenho Industrial, Engenharia de Produção e Materiais, com ênfase em Design e Materiais, Projeto de Produto, Tecnologias Sociais, Planejamento de Experimentos (DOE), Processos de Fabricação, Corrosão, Materialografia, Gestão Estratégicas, Inovação Tecnológica e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (SCM).

 

Adilson da Silva Mello, Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Professor Associado I da Universidade Federal de Itajubá. Possui graduação em Filosofia, mestrado em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999) e Doutorado pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008). Professor e Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade. Áreas de interesse: Tecnologias e Sociedade; Trabalho; Cultura e Desenvolvimento. Coordenador do GEPE de Ciências Sociais e Desenvolvimento do Instituto de Engenharia de Produção e Gestão da Universidade Federal de Itajubá.

 

Bianca Siqueira Martins Domingos, Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP / Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional na Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP (2019 - ) com bolsa CAPES. Mestre em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade pela Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI (2013-2015) com bolsa CAPES e FAPEMIG. Graduada em Administração pelo Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA (2009-2012) com bolsa CNPq (PIBITI e ATNM). Coordenadora de Relações Institucionais, do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - SEER/Periódicos Científicos e Professora Titular no Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA, na disciplina de Metodologia de Pesquisa. Diretora de Ciência, Tecnologia e Inovação na Prefeitura Municipal de Lorena, São Paulo (vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação) (2017 - 2018). Professora orientadora de projetos do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica para o Ensino Médio - PIBIC-EM - CNPq. Participa dos Grupos de Pesquisa do Núcleo de Extensão, Pesquisa Ação, Cartografias Sociais e Metodologias Participativas da UNIVAP e do Grupo Projeto de Produto e Tecnologias Sociais do UNIFATEA. Atua nos campos de Planejamento Urbano e Regional, Direito à Cidade e Intervenções Artísticas Urbanas.

 

Referências

Antunes, R. (2012). A nova morfologia do trabalho no Brasil. Nueva Sociedad especial em português.

Antunes, R. (2020). O laboratório e a experimentação do trabalho na pandemia do capital. Le Monde diplomatique Brasil. Ed.155. Recuperado de: https://diplomatique.org.br/o-laboratorio-e-a-experimentacao-do-trabalho-na-pandemia-do-capital/. Acesso em: Ago/2020.

Aquino, I. F., Castilho JR., & A. B.; Pires, T. S. L. (2009). A organização em rede dos catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva reversa de pós-consumo da região de grande Florianópolis: uma alternativa de agregação de valor. Gestão e Produção, v. 16, n. 1, p. 15-24.

Baqui, P., Bica, I., Marra, V., Ercole, A., & Van Der Schaar, M. (2020). Ethnic and regional variations in hospital mortality from COVID-19 in Brazil: a cross-sectional observational study. The Lancet Global Health. v. 8, n. 8, p. e1018-e1026. doi:10.1016/s2214-109x(20)30285-0. Recuperado de: https://www.thelancet.com/action/showPdf?pii=S2214-109X%2820%2930285-0. Acesso em: Set/2020.

Besen, G.R., Ribeiro, H., Günther, W.M.R., & Jacobi, P.R. (2014). Coleta seletiva na Região Metropolitana de São Paulo: impactos da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v.17, n.3, p. 259-278.

Brasil. (2010). Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Carvalho, J.B. (2019). Pesquisa-ação como ferramenta de informação sobre comercialização de recicláveis e prestação de serviços na gestão de resíduos: o caso da rede sul e sudoeste de minas gerais. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Alfenas.

Cempre. (2019). Cempre Review 2019. Recuperado de:<http://cempre.org.br/upload/CEMPRE-Review2019.pdf>. Acesso em Set/2020.

Cerqueira-Streit, J.A.; Guarnieri, P. (2013). Análise da Situação Atual das Cooperativas

de Materiais Recicláveis do Distrito Federal quanto ao Conhecimento da Logística Reversa e

PNRS e à Infraestrutura Existente. In: Anais do 4FIRS - Fórum Internacional de Resíduos Sólidos, Porto Alegre, 22/24 de julho de 2013.

Costa, L. et al. (Coord.). (2003). Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. Brasília: WWF. Recuperado de: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/et000023.pdf. Acesso em: Set/2020

Franca Filho, G. C. (2008). A via sustentável-solidária no desenvolvimento local. Organ. Soc., Salvador, v. 15, n. 45, p. 219-232. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/osoc/v15n45/v15n45a17.pdf . Acesso em: Set/2020.

Franco, M. L. P. B. (2005). Análise de conteúdo. 2ª edição. Brasília: Liber Livro Editora.

Fuzzi, F. R., & Leal, A. C. (2018). Cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis organizadas em rede: rede cataoeste, São Paulo, Brasil. Formação (Online), v. 25, n. 45. Recuperado de:https://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/view/5495/4513. Acesso em: Set/2020.

Gil, A.C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª edição. São Paulo: Atlas.

Harvey, D. (2020). Política anticapitalista em tempos de COVID-19. In DAVIS, Mike, et al: Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil.

IBGE. (2010). Censo demográfico. Recuperado de: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em Set/2020.

ILO. International Labour Organization. (2020). ILO Monitor 1st Edition COVID-19 and the world of work: impact na policy responses. Recuperado de: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/briefingnote/wcms_738753.pdf. Acesso em: Set/2020

______. ILO Monitor: COVID-19 and the world of work. 5th edition. (2020b). Recuperado de: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/briefingnote/wcms_749399.pdf. Acesso em: Set/2020

Ipea. (2013). Situação Social das Catadoras e dos Catadores de Material Reciclável e Reutilizável – Brasil. Brasília: IPEA.

Júnior, S., Ibdaiwi, T., Almeida, D., Lopes, L., & Costa, V. (2015). Processo de coleta seletiva de resíduos sólidos: um estudo de caso de sustentabilidade na cidade de Santa Maria/RS. HOLOS, 3, 148-165.

Kampf, G., Todt, D., Pfaender, S., & Steinmann, E. (2020). Persistence of coronaviruses on inanimate surfaces and

their inactivation with biocidal agents. Journal of Hospital Infection , v. 104, n. 3, pág. 246-251. Recuperado de: https://www.journalofhospitalinfection.com/action/showPdf?pii=S0195-6701%2820%2930046-3. Acesso em: Ago/2020.

Moura, G.R.; Serrano, A.L.M.; Guarnieri, P. (2016). Análise socioeconômica dos catadores de lixo no Distrito Federal. HOLOS, [S.l.], v. 3, p. 251-273.

ORIS. Observatório da Reciclagem Inclusiva e Solidária. (2020). As atividades dos catadores e a coleta seletiva durante e após a pandemia COVID-19 Manual Operacional. Recuperado de: http://www.insea.org.br/wp-content/uploads/MANUAL-OPERACIONAL-catadores-na-pandemia-da-COVID-19-XXXX-rev-3.0.pdf. Acesso em: Set/2020

Pires, L. N; Carvalho, L., & Xavier, L. L. (2020). COVID-19 e desigualdade: a Distribuição dos fatores de risco no Brasil. Experiment Findings. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/340452851. Acesso em: Set/2020.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada; Fundação João Pinheiro. (2013). Atlas de desenvolvimento humano do Brasil de 2013. Recuperado de: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/. Acesso em: Out/2020

PREPIDEMIA. Pesquisadores Associados. Observatório PrEpidemia. (2020). Recomendações para prevenção da Covid-19 entre os trabalhadores da coleta e triagem de resíduos sólidos. Recuperado de: https://www.prepidemia.org/. Acesso em: Set/2020.

Rutkowski, J. E. (2013). Redes solidárias de catadores e gestão de resíduos sólidos. Tecnologia e Sociedade. vol. 9, núm. 18. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curitiba, Brasil. Recuperado de: https://www.redalyc.org/pdf/4966/496650340008.pdf. Acesso em: Ago/2020.

Singer, P. (2001). Economia solidária versus economia capitalista. Soc. estado., Brasília, v. 16, n. 1-2, pág. 100-112.

Singer, P. (2002). Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Ed. Fundação Perseu. Abramo.

Souza, F.C.S; Cavalcanti, C.R; Alves, G.S. (2011). A Gestão da coleta seletiva dos resíduos sólidos pelo poder público municipal, em Mossoró-RN. HOLOS, [S.l.], v. 4, p. 51-64.

Tirado Soto, M. M. (2011). Análise e formação de redes de cooperativas de catadores de materiais recicláveis no âmbito da economia solidária. 214 f. Tese (Doutorado em

Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Tirado-Soto, M.M.; Zamberlan, F.L. (2013). Networks of recyclable material waste-picker’s

cooperatives: An alternative for the solid waste management in the city of Rio de Janeiro.

Waste management, Vol. 33, no. 4, p.1004–1012.

Van Doremalen, N., Bushmaker, T., Morris, D. H., Holbrook, M. G., Gamble, A., Williamson, B. N., ... & Lloyd-Smith, J. O. (2020). Aerosol and surface stability of SARS-CoV-2 as compared with SARS-CoV-1. New England Journal of Medicine, v. 382, n. 16, p. 1564-1567. Recuperado de: https://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMc2004973?articleTools=true Acesso em: Set/2020.

WHO. World Health Organization. Origin of SARS-CoV-2. (2020a). Recuperado de: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/332197/WHO-2019-nCoV-FAQ-Virus_origin-2020.1-eng.pdf. Acesso em: Set/2020

______. Q&As on coronaviruses (COVID-19). (2020b). Recuperado de: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/question-and-answers-hub/q-a-detail/q-a-coronaviruses. Acesso em: Set/2020

______. Coronavirus Disease (COVID-19) Dashboard. (2020c). Recuperado de: https://covid19.who.int/region/amro/country/br. Acesso em: Set/2020.

______. Q&As on coronaviruses (COVID-19). (2020d). Recuperado de: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/question-and-answers-hub/q-a-detail/q-a-coronaviruses>. Acesso em: Set/2020

Downloads

Publicado

07/01/2022

Como Citar

Araújo Silva, Éder L., Ribeiro, R. B., Mello, A. da S., & Martins Domingos, B. S. (2022). REFLEXÕES ACERCA DA COVID-19 E A ORGANIZAÇÃO DAS/OS CATADORAS/ES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS ORGANIZADOS EM REDE: O CASO DA REDESUL SUDOESTE MG. HOLOS, 2, 1–25. https://doi.org/10.15628/holos.2022.11502

Edição

Seção

ARTIGOS