ANÁLISE DA VIABILIDADE DE UNIVERSITY COWORKING SPACE (UCS) COM BASE NA TEORIA DA INFLUÊNCIA SOCIAL (TIS)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9776

Palavras-chave:

University Coworking Space (UCS), Teoria da Influência Social (TIS), Feedback.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a viabilidade de implementação de University Coworking Space (UCS) com base na Teoria da Influência Social (TIS) sob a perspectiva discente. Trata-se de uma pesquisa aplicada, exploratória e bibliográfica, de natureza qualitativa. A técnica de coleta de dados foi uma entrevista de grupo focal e análise de dados foi feita através de análise do conteúdo, na qual as categorias que representam o material coletado foram obtidas através de perguntas relacionando a implementação de UCS com a TIS, proposta por Kelman (1958), sob a luz do trabalho de Grillo et al. (2014). A TIS se mostrou positivamente relacionada ao UCS, visto que as respostas dos alunos mostraram interesse em participar do modelo, por acreditarem que essa atitude seria vista como positiva por seus professores e colegas ou melhoraria os relacionamentos interpessoais. Conclui-se que o UCS traz benefícios a instituição de ensino e aos alunos que a frequentam, através de ambientes inovativos que promovem a melhoria do processo de formação discente, por permitir a comunicação, socialização e o compartilhamento de conhecimento entre os estudantes e o incentivo a pesquisa, extensão e feedback, tornando sua criação viável e seu funcionamento eficaz, e o apoio efetivo por parte da gestão de cada escola determinante da sua manutenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariane Bezerra Nóbrega, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR)

Possui graduação em Administração de Empresas pela Universidade Federal de Campina Grande (2011), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (2014) e especialização em Docência na Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá (2018).

Rodrigo Leite Farias de Araújo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR)

Graduado em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Mestre em Administração com ênfase em Finanças pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB. MBA na linha de Finanças, Controladoria e Auditoria pela Fundação Getúlio Vargas - FGV. Atualmente é professor EBTT do Instituto Federal do Paraná - IFPR.

Referências

Amabile, T. M., Conti, R., Coon, H., Lazenby, J., & Herron, M. (1996). Assessing the work environment for creativity. Academy of management journal, 39(5), 1154-1184.

Ashford, S. J., & Cummings, L. L. (1983). Feedback as an individual resource: Personal strategies of creating information. Organizational behavior and human performance, 32(3), 370-398.

Barbour, R., & Kitzinger, J. (Eds.). (1999). Developing focus group research: politics, theory and practice. Sage.

Barnett, C., Cloke, P., Clarke, N., & Malpass, A. (2005). Consuming ethics: Articulating the subjects and spaces of ethical consumption. Antipode, 37(1), 23-45.

Bauman, Z. (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 121-130.

Bautista, G., & Borges, F. (2013). Smart classrooms: Innovation in formal learning spaces to transform learning experiences. Bulletin of the IEEE technical Committee on learning Technology, 15(3), 18-21.

Belk, R. (2007). Why not share rather than own?. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 611(1), 126-140.

Bissola, R., & Imperatori, B. (2011). Organizing individual and collective creativity: Flying in the face of creativity clichés. Creativity and Innovation Management, 20(2), 77-89.

Botsman, R., & Rogers, R. (2011). O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. Bookman Editora.

Briceno, T., & Stagl, S. (2006). The role of social processes for sustainable consumption. Journal of Cleaner Production, 14(17), 1541-1551.

Bussacos, H. (2015). Codesign Impact Hub Floripa. São Paulo: Impact Hub.

Caldeira, T. P. R. (1997) Enclaves Fortificados: a Nova Segregação Urbana. Estudos CEBRAP, 47, 155-176.

Campos, J. G. C., Teixeira, C. S., & Schmitz, A. (2015). Coworking spaces: Conceitos, tipologias e características. In Conference Paper presented at Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação, Joinville, SC, Brazil (Vol. 5).

Devine, M. (2006). Creativity in the World of Work. Peer Review, 8(2), 8.

Dubois, E., Schor, J., & Carfagna, L. (2014). Connected consumption: a sharing economy takes hold. Rotman Management, 1, 50-55.

Dul, J., Ceylan, C., & Jaspers, F. (2011). Knowledge workers' creativity and the role of the physical work environment. Human resource management, 50(6), 715-734.

Florida, R. L., & Lopes, A. L. (2011). A ascensão da classe criativa. Porto Alegre, RS: L&PM.

Gansky, L. (2010). The mesh: Why the future of business is sharing. Penguin.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. In Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas, 77-77.

Gondim, S. M. G. (2002). Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia (Ribeirão Preto), 12(24), 149-161.

Grillo, T. L. H., Nascimento, T. M., Damacena, C., & Brasil, V. S. (2014). Cocriação de valor com alunos: uma análise da influência social e do engajamento na disciplina como antecedentes de feedback do estudante. Administração: Ensino e Pesquisa, 15(3), 533-559.

Kelman, H. C. (1958). Compliance, identification, and internalization three processes of attitude change. Journal of conflict resolution, 2(1), 51-60.

Leforestier, A. (2009). The coworking space concept. CINE Term Project. Indian Institute of Management (IIMAHD). Ahmedadad, n. February, 1-19.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de Metodologia Científica (8 ed.). São Paulo: Atlas.

Maurer, A. M., Figueiró, P. S., Campos, S. A. P., Silva, V. S., & Barcellos, M. D. (2015). Yes, we also can! O desenvolvimento de iniciativas de consumo colaborativo no Brasil. BASE: revista de administração e contabilidade da Unisinos. BASE: UNISINOS accounting and administration journal. São Leopoldo, RS. Vol. 12, n. 1 (jan./mar. 2015), p. 68-80.

Mendes, F., & Duarte, C. (2015). Coworking as a stigmergic and informal learning space. In 8th International Conference Senses and Sensibility, Lisbon.

Nicolaci-da-Costa, A. M. (2011). O talento jovem, a internet e o mercado de trabalho da "economia criativa". Psicologia & Sociedade, 23(3), 554-563.

Payne, A. F., Storbacka, K., & Frow, P. (2008). Managing the co-creation of value. Journal of the academy of marketing science, 36(1), 83-96.

Shirky, C. L. A. Y. (2012). Lá vem todo mundo: o poder de organizar sem organizações. Editora Schwarcz-Companhia das Letras.

Vivek, S. D. (2009). A scale of consumer engagement (Doctoral dissertation). The University of Alabama.

Vivek, S. D., Beatty, S. E., & Morgan, R. M. (2012). Customer engagement: Exploring customer relationships beyond purchase. Journal of marketing theory and practice, 20(2), 122-146.

Downloads

Publicado

16/12/2020

Como Citar

Nóbrega, M. B., & Araújo, R. L. F. de. (2020). ANÁLISE DA VIABILIDADE DE UNIVERSITY COWORKING SPACE (UCS) COM BASE NA TEORIA DA INFLUÊNCIA SOCIAL (TIS). HOLOS, 6, 1–15. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9776

Edição

Seção

ARTIGOS