AUTOBIOGRAFIA, A (RE) CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS E SIGNIFICADOS NA FORMAÇÃO DE GESTOR AMBIENTAL

Autores

  • Eric Mateus Soares Dias UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE http://orcid.org/0000-0001-9347-8932
  • Daisy Daniele da Silva UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Maria Betânia Torres Ribeiro UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.6112

Palavras-chave:

Ambientalização, Gestão Ambiental, Formação Profissional, Meio Ambiente

Resumo

As discussões sobre a formação, perfil profissional e campo de trabalho de gestores ambientais no Brasil ainda são recentes e isso demonstra a importância de identificar os fatores que possibilitaram o desejo, a escolha e as oportunidades para o ingresso profissional na Gestão Ambiental. O objetivo deste trabalho foi o de compreender o que motivou o ingresso de estudantes no curso de Gestão Ambiental da UERN e impulsionou o desejo, a escolha e encontrou oportunidades para a construção do percurso profissional na área ambiental. A pesquisa se configura em uma abordagem qualitativa, tendo em vista a utilização do método autobiográfico como mecanismo de pesquisa, que apresenta experiências dotadas de sentido. O debate que aqui se faz procura responder a duas questões norteadoras: o que motivou a escolha para o ingresso no curso de gestão ambiental? Quais lembranças de aproximações/relações com o ambiente vivido foram narradas pelos estudantes nas suas autobiografias? Dessa forma, o principal objetivo deste trabalho foi mostrar as principais evidências para a motivação e ingresso na área de formação em gestão ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Eric Mateus Soares Dias, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Gestão Ambiental

Daisy Daniele da Silva, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Gestão Ambiental

Maria Betânia Torres Ribeiro, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Gestão Ambiental

Referências

BOURDIEU, P. (1996). Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus Editora.

BRASIL.(1999). Casa Civil. Política nacional de educação ambiental. Brasília. Recuperado em 11 de maio de 2016 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm

BRASIL. (2002). Regulamentação da Política Nacional de Educação Ambiental - Decreto No. 4.281, de 25 de junho de 2002. Recuperado em 21 de maio de 2016 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4281.htm

BRASIL. (2012). Resolução CNE no 2 de 15 de junho de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais em Educação Ambiental. Recuperado em 04 de maio de 2016 http://portal.mec.gov.br

CARVALHO, I. C. M. (2003). Biografia, identidade e narrativa: elementos para uma análise hermenêutica. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 9, n. 19.

______. (2004). Métodos qualitativos de pesquisa em EA: análise de trajetórias como modalidade narrativa. PPGEDU/ ULBR. Recuperado em 12 de janeiro de 2016 http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2004/Mesa_Redonda/Mesa_Redonda/12_25_40_METODOS_QUALITATIVOS_DE_PESQUISA_EM_EA_ANALISE_DE_TRAJETORIA.pdf

ELALI, G. A.; PINHEIRO, J. Q. (2008). Autobiografia ambiental como estratégia para incentivar o vínculo estudante-ambiente. In: III Congresso Internacional sobre Pesquisa [Auto] biográfica/ CIPA III, 2008, Natal, RN. Anais... III Congresso Internacional sobre Pesquisa [Auto] biográfica, v. 1. p. 1-10. Recuperado em 12 de janeiro de 2016 http://projedata.grupoprojetar.ufrn.br/dspace/bitstream/123456789/909/1/Artigo%20III%20CIPA%202008_ELALI_Gleice.pdf

ELSTER, Jon. (1994) Peças e engrenagens das ciências sociais. Rio de Janeiro, Relume/Dumará.

GAUTHIER, J. Z. (2004). A questão da metáfora, da referência e do sentido em pesquisas qualitativas: o aporte da sociopoética. Revista Brasileira de Educação, 24, jan./fev./mar./abr., 127-142.

GUIMARÃES, J. M. M.; ALVES, J. M. (2012). Formação de professores na área de Educação Ambiental: uma análise dos anais da ANPEd (2009-2011). Pesquisa em Educação Ambiental, v. 7, n. 1, p. 49-67.

JOSSO, M. C. (2010). A experiência de vida e formação. 2.ed. rev. e ampl. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus. 341 p. (Coleção Pesquisa (auto) biográfica & Educação. Série Clássicos das Histórias de Vida).

LEITE LOPES, J. S. (2006). Sobre processos de ambientalização dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes Antropológicos, v. 12, p. 31-64.

LIMA, Ricardo Barbosa de (2001). O princípio da participação em gestão ambiental: a fronteira entre gerir e gestar. In: Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. 2001, Belém. Anais...Belém. Recuperado em 13 de fevereiro de 2016 http://www.nepamunicamp.br/ecoeco/artigos/encontros/iv_en/mesa4/4.pdf

RODRIGUES, C. F. (2010). Narrativas de si: estratégia de formação para (re) pensar à docência articulada ao processo de formação do sujeito. Poiesis pedagógica, v. 8, p. 172-186.

SCHAMA, Simon.(1996) Paisagem e Memória. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Cia. das Letras.

TORRES, Maria Betânia Ribeiro. (2013). As cidades, os rios e as escolas: um estudo das práticas de educação ambiental nas cidades de Natal e Mossoró – RN. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Natal.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN. (2012). Projeto Pedagógico do Curso de Gestão Ambiental. Mossoró-RN. Recuperado em 11 de maio de 2016 http://www.uern.br/controledepaginas/gestao-ambiental-projeto-pedagógico/arquivos/1316ppcga_mossoro_final_(ricardo).pdf

Downloads

Publicado

14/11/2017

Como Citar

Soares Dias, E. M., Silva, D. D. da, & Ribeiro, M. B. T. (2017). AUTOBIOGRAFIA, A (RE) CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS E SIGNIFICADOS NA FORMAÇÃO DE GESTOR AMBIENTAL. HOLOS, 5, 214–227. https://doi.org/10.15628/holos.2017.6112

Edição

Seção

ARTIGOS