A DICOTOMIA PORTUÁRIA BRASILEIRA E A CARÊNCIA POR SISTEMAS EFICIENTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.6080

Palavras-chave:

Logística Portuária, Burocracia, Sistema de gestão Porto Sem Papel

Resumo

Este artigo abordará sobre o contexto do mercado exterior brasileiro e as maiores dificuldades enfrentadas pelos exportadores no processo de liberação das cargas nos portos devido aos trâmites burocráticos. No estudo de caso, será realizado uma análise qualitativa, extraída de dados estatísticos, figuras e gráficos produzidos por organismos governamentais e órgãos de relevância para indústrias. O texto também explorará o assunto sistema de gestão Porto Sem Papel e suas funcionalidades, implantado pelo Governo Federal, com objetivo de aumentar a eficiência das atracações e desatracações de navios, assim, reduzindo a ociosidade das cargas nos portos e o tempo de entrega no destino final. O objetivo geral do trabalho é elucidar a necessidade de racionalização dos procedimentos portuários, por meio de uma reforma nas práticas rotineiras dos órgãos mais envolvidos nas liberações alfandegárias e a necessidade do governo em desenvolver os portos e terminais para que continuem recebendo investimentos externos e se mantenham como uma economia forte de mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kamylle Rubin Rodrigues, Universidade Federal Fluminense

Kamylle Rubin Rodrigues

Especialista em Logística Empresarial

Carla Guimarães Ferreira, Universidade Federal Fluminense

Carla Guimarães Ferreira

MSc. em Administração

Dpto de Administração, UFF

Aurélio Lamare Soares Murta, Universidade Federal Fluminense

Aurélio Lamare Soares Murta

Dr. em Engenharia de Transportes

Dpto de Administração, UFF

Maria da Penha Araujo Murta, Universidade Veiga de Almeida

Maria da Penha Araujo Murta

MSc. em Engenharia de Transportes

Curso de Engenharia de Produção, UVA/RJ

Referências

ANTAQ (Agência Nacional De Transportes Aquaviários, S/D). Estatísticas – Anuários. Recuperado em http://web.antaq.gov.br/Portal/Estatisticas_Anuarios.asp.

ANTAQ (Agência Nacional De Transportes Aquaviários, 2017).

ANTAQ Apresenta Anuário Estatístico Aquaviário 2016. Notícias. Recuperado em http://portal.antaq.gov.br/index.php/ 2017/02/23/antaq-apresenta-anuario-estatistico-aquaviario-2016/.

Araújo, F. H. C. B. (2013). Sistema Portuário Brasileiro: Evolução e Desafios. 67p. Curso de Especialização em Engenharia e Gestão Portuária do Departamento de Engenharia Civil. Florianópolis/SC.

Ballou, R. H. (2001). Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Planejamento, Organização e Logística Empresarial. 4ª Edição. Bookman.

Confederação Nacional Indústria (CNI, 2014). Entraves às Exportações Brasileiras. 97p.

Confederação Nacional Indústria (CNI, 2015). Interesses da Indústria na América do Sul: Comércio e Investimentos. Brasília: 20p.

Confederação Nacional Indústria (CNI, 2016). As Barreiras da Burocracia: O Setor Portuário. Brasília: 94p.

Dantas, R. (2013). A Importância dos Portos para o Comércio Exterior Brasileiro. Manual do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: 19p. Recuperado em https://legis. senado. leg.br/sdleg-getter/documento?dm=3766993.

Farranha, A. C., Frezza, C. da S. & Barbosa, F. de O. (2015). Nova Lei dos Portos: Desafios Jurídicos e Perspectivas de Investimentos. Revista Direito GV, São Paulo 11(1), pp. 89-116.

Furtado, U. De M.; Jacinto, K. (2010). E-Gov e sua Importância na Desburocratização Administração Pública. Revista HOLOS, Rio Grande do Norte 26(5), pp. 56-73.

Lima, M. (2014). Custo Logístico no Brasil. ILOS - Especialistas em Logística e Supply Chain. Ano 10. Recuperado em http://www.ilos.com.br/web/custos-logisticos-no-brasil/.

Maffei, C. (2016). Criação de Valor nas Empresas de Transporte e Logística – Revista Mundo Logística. Recuperado em: http://www.revistamundologistica.com.br/artigos/criacao-de-valor-nas-empresas-de-transporte-e-logistica.

Mesquita, P. (2014). Tecnologia da Informação. In: Relações Internacionais. In: SEP/PR/MTPA. Recuperado em 08 de abril de 2017, de http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/relacoes-internacionais.

Montenegro, L. C. S. (2015). Projeto Porto Sem Papel. In: Marques, M. Solucionando problemas na administração pública: três estudos de caso sobre a implementação de inovações na gestão pública federal. Casoteca de Gestão Pública – ENAP. 48p.

Sánchez, R. J.; Hoffmanm J.; Micco, A.; Pizzolitto G. V.; Sgut M.; Wilmsmeier G. (2003). Port Efficiency And International Trade: Port Efficiency As A Determinant Of Maritime Transport Cost. Springer Link, 5(2), pp. 199-218.

Secretaria Nacional de Portos da Presidência da República do Brasil (SEP/PR, 2013). Projeto Porto Sem Papel. Recuperado em 10 de janeiro de 2017, de http://repositorio.enap.gov.br/bitstream/ handle/1/251/Projeto%20Porto%20Sem%20Papel.pdf?sequence=1.

Silva, B. de A. (2014). Comissão Nacional das Autoridades nos Portos – CONAPORTOS. In: SEP/PR/MTPA. Recuperado em 08 de dezembro de 2014, de http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos1/gestao/ conaportos.

Tardio, V. (2017). Benefícios da Janela Única (Single Window). In: Porto sem Papel – PSP. Recuperado em 14 de março de 2017, de http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/inteligencialogistica/ porto-sem-papel-psp.

Tavares, A. M. B. N.; Zevedo, M. A.; Morais, P. S. (2014). A Administração Burocrática e Sua Repercussão na Gestão Escolar. Revista HOLOS, Rio Grande do Norte 30(2), pp. 154-162.

Downloads

Publicado

21/12/2017

Como Citar

Rodrigues, K. R., Ferreira, C. G., Soares Murta, A. L., & Murta, M. da P. A. (2017). A DICOTOMIA PORTUÁRIA BRASILEIRA E A CARÊNCIA POR SISTEMAS EFICIENTES. HOLOS, 7, 110–126. https://doi.org/10.15628/holos.2017.6080

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)