Cobertura, ocupação do solo e erosão no entorno da Laguna Guaraíras/RN, Brasil

Erick Jordan da Silva Gomes, Ivaniza Sales Batista, Zuleide Maria Carvalho Lima

Resumo


As zonas costeiras são espaços bastante dinâmicos e complexos, de elevada fragilidade e instabilidade natural. As intensas modificações acarretadas pelas ações antrópicas no ambiente costeiro são agravantes significativos na acentuação dos processos erosivos. Este artigo objetiva-se analisar a ocupação e cobertura do solo no entorno da Laguna de Guaraíras, RN, associando-os com a acentuação dos processos erosivos locais. Os procedimentos metodológicos adotados, pautaram-se na efetivação de pesquisas bibliográfica e de campo, produções cartográficas, análises dos processos erosivos atrelados a cobertura ocupação do solo na área de estudo. Os resultados encontrados demonstram que a área do entorno da laguna vem sendo historicamente ocupada e preenchida pelas mais diversas atividades humanas, Agricultura, Pastagem, área urbana e Carcinicultura são algumas das mais representativas, e sua existência e principalmente a atividade constante causa sérios impactos ao meio ambiente, como a erosão costeira, visivelmente presente e altamente susceptível a ser acentuada

Palavras-chave


Zona costeira; Cobertura e ocupação do solo; Processos erosivos

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, E.P., Teles, M.G.L., Lago, W.J.S. (2009). Delimitação das bacias hidrográficas da Ilha do Maranhão a partir de dados SRTM. In: Simpósio Brasileiro De Sensoriamento Remoto, XIV, 2009, Natal. Anais. Natal: 2009. p.4631-4638.

Diniz, R.F. (2002). A erosão costeira ao longo do litoral oriental do Rio Grande do Norte: causas, consequências e influência nos processos de uso e ocupação da região costeira. Tese (Doutorado em Geociências), Universidade Federal da Bahia/Instituto de Geociências, Salvador.

Cardoso, L.R. (2017). Análise evolutiva geológico-geomorfológica e uso e cobertura do solo da planície costeira e zona litorânea do entorno da laguna das gaivotas, ilha de Santa Catarina, SC, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação em geografia), Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas.

Fabiano, R.B. (2004). Conflitos socioambientais e gestão integrada e sustentável de recursos pesqueiros. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

IBGE. (2013). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de uso da terra. 3ª Ed. Rio de Janeiro: IBGE.

Maciel, A.B.C., Silva, R.V.M., Lima, Z.M.C. (2016). Processo erosivo e gestão costeira: Estudo de Caso da Praia de Ponta Negra, Natal/RN, Revista OKARA: Geografia em debate, 10(3), 429-452.

Magalhães, R.A. (2001). Erosão: definições, tipos e formas de controle. In: VII Simpósio Nacional de Controle de Erosão Goiânia (GO), 03 a 06 de maio.

Menezes, A.F. (2016). Análise da vulnerabilidade à erosão costeira no estado de Pernambuco através de indicadores ambientais e antrópicos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação Geociências.

MMA. (2006). Ministério do meio ambiente, Ministério do planejamento, orçamento e gestão. Projeto Orla: fundamentos para gestão integrada. Brasília: MMA.

Sanchez, L.E. (2013). Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. 2ª ed. São Paulo: Oficina de Textos.

Tricart, J. (1977). Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, SUPREN.

Vital, H. (2005). Erosão e Progradação no litoral do Rio Grande do Norte. In: Muehe, D. Erosão e progradação do litoral brasileiro. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p.159-176.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5509



 

HOLOS IN THE WORLD