TRANSPIRAÇÃO EM COFFEA CANEPHORA L. VIA BALANÇO DE CALOR NO CAULE E LISÍMETRO DE PESAGEM ELETRÔNICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.3041

Palavras-chave:

café conilon, métodos térmicos, lisimetria, Instrumentação Agrometeorológica

Resumo

O consumo de água em uma planta de café conilon cultivado em lisímetro foi avaliado. O experimento objetivou estudar a transpiração diária do café e foi realizado no Departamento de Energia Nuclear da UFPE, em Recife – PE, em 2011, por meio de dois métodos: a) lisimetria, por análise de variação de massa; b) fluxo de seiva via método térmico do balanço de calor no caule. A área foliar variou de 1,39 a 1,87 m2 durante o experimento. O consumo de água medido através do lisímetro variou entre 2,61 L a 5,16 L com média de 3,86 L por dia. A demanda atmosférica foi determinada com dados obtidos em duas estações meteorológicas, uma situada próximo ao lisímetro, e a outra, distante cerca de um quilômetro, situada no pátio externo do CRCN. A transpiração medida pelo fluxo de seiva via método térmico subestimou em 10% as medidas realizadas no lisímetro. Os resultados do estudo indicaram grande precisão na estimativa da transpiração do café conilon. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Alexandre Barros de Almeida, Instituto Federal do Rio Grande do Norte - IFRN

É Licenciado em Física pela Universidade Federal de Pernambuco (2003), é Mestre em Tecnologias Energéticas Nucleares pela Universidade Federal de Pernambuco (2006), na área de concentração de Engenharia de Reatores Nucleares, é Doutor pelo Departamento de Energia Nuclear, da Universidade Federal de Pernambuco (2012), na área de concentração de Física do Solo, com ênfase em Instrumentação Agrometeorológica, e finalizou, em 2014, um Pós-Doutorado pelo Programa Ciência Sem Fronteira pela CAPES, com o título: Quantificação da microestrutura nas Geociências, usando alta resolução Raios-X Tomografia Computadorizada. Tem experiência na área de educação, lecionando Física, Matemática, Estatística e Biofísica, e na área de pesquisa com ênfase em Engenharia de Reatores Nucleares, Análise Numérica, Instrumentação Agrometeorológica, Física do Solo e Tomografia Computadorizada de Raio-X. Foi Professor Substituto da UFPE em dois momentos, no primeiro atuando no Núcleo de Biologia da UFPE, no Campus de Vitória de Santo Antão, onde lecionou as disciplinas de Biofísica, Matemática e Introdução à Física, para os Cursos de Enfermagem, Biomedicina e Ciências Biológicas, e o segundo momento no Centro Acadêmico do Agreste, onde lecionou Introdução à Física, Fundamentos da Física I e II, para os Cursos de Licenciatura em Física, Química e Matemática. Ministrou aulas no Centro Acadêmico Maurício de Nassau (UNINASSAU) onde lecionou as seguintes disciplinas: Física Geral e Experimental, Mecânica Básica, Eletricidade e Magnetismo, Fundamentos da Termodinâmica e Física Experimental, no Ciclo Básico das Engenharias; Cálculo 1, nos Cursos de Farmácia e Biomedicina; Matemática Aplicada, Pesquisa Operacional e Álgebra Linear, nos Cursos de Sistema da Informação, Redes de Computadores e Sistemas para Internet. Atualmente é Professor Efetivo de Física no IFRN - Macau.

Iane Andrade de Oliveira, IFPE

Possui Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual da Paraíba (2003) é Especialista em Gestão e Análise Ambiental pela Universidade Estadual da Paraíba (2005), Mestre em Manejo de Solo e Água pela Universidade Federal da Paraíba (2007), Doutorado em Tecnologia Energéticas e Nucleares pela Universidade Federal de Pernambuco (2012) na área de concentração de Aplicação de Radioisótopos no Meio Ambiente e Agricultura com ênfase em Mudança no Clima Urbano e Pós-Doutorado pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) CAPES/FACEPE (2014) na área de Radiatividade Ambiental. Tem experiência na área de educação, lecionando: Geografia, Metodologia Científica, Estatística e Agrometeorologia. Na área de pesquisa com ênfase em Recursos Naturais e Mudanças Climaticas, Física do solo, Instrumentação Agrometeorológica e Radioatividade Ambiental e Ciência do Ambiente. Foi professora de Metodologia do ensino de Geografia e História no curso de Pedagogia na UNAVIDA/UVA ?Campina Grande/PB; Ministrou aulas na Faculdade Joaquim Nabuco nos cursos de Turismo nas disciplinas de Metodologia da Ciência e Estatística e no curso de Ciências Contábeis as disciplinas de Metodologia da Ciência e Métodos Quantitativos e Aplicados. Professora convidada na Autarquia de Belo Jardim para ministrar disciplina de Geografia das Populações no curso de Especialização de Geografia e novas Tecnologias. Foi professora substituta no IFPE campus de Vitoria de Santo Antão, ministrando geografia nos cursos Técnicos de Agropecuária e Agroindústria e a disciplina de Agrometeorologia no curso de Engenharia Agronômica.

José Angelim da Silva Neto, UFPE

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2007). Mestrado em Tecnologias Energéticas Nucleares pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Atualmente cursa doutorado no Departamento de Energia Nuclear da UFPE, na área de Física do Solo. Professor da Uninassau desde 2012. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Física do Solo, atuando principalmente nos seguintes temas: mobilidade e interação de da água em solos, drenagem, condutividade hidráulica, curva de retenção da água no solo, caracterização do solo, evapotranspiração, transpiração e fluxo de seiva em Coffea canephora, caracterização hidráulica em variedades de café conilon. Quero sempre buscar o desenvolvimento e capacitação na área agronômica, promovendo meu crescimento profissional e pessoal. Contribuindo juntamente com toda a equipe, para que a performace do projeto no qual estiver atuando, seja cada vez maior.

Cassio Jose da Silva, UNINASSAU

Atualmente cursando o curso de engenharia civil (4 período) Auxilia na condução e desenvolvimento de trabalhos acadêmicos de mestrado e doutorado, e práticas laboratoriais e de campo do grupo de pesquisa de Física dos Solos - DEN da Universidade Federal de Pernambuco. Com experiência profissional em instalação de tensiometros e tanque classe A, montagem de coluna de solo e lisímetro. Atuando principalmente em ensaios de granulometria e textura, curva de retenção e condutividade saturada, ensaios de infiltração. Atuando também como técnico de laboratório da UNINASSAU, auxiliando nas aula de física experimental, com experiência em montagem de aulas e aferição de equipamentos de alta precisão, tais como: paquímetro, micrômetro, balança eletrônica, plano inclinado, entre outros. Conhecimento em estequiometria para preparo de soluções químicas em aulas de laboratório de química experimental,e também atua em laboratório de topografia e metrologia.

Referências

ABOUKHALED, A.; ALFARO, A.; SMITH, M. Lysimeters. Irrigarion and Drainage Paper (FAO). Rome – Italy, 73, 1982.

ALMEIDA, H. A., e MACHADO, R. C. R.. Características termodinâmicas do ar no interior de plantações de cacau, no sudeste da Bahia. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 16, n. 1, p. 39-48. 2008.

ALMEIDA, C. A. B.; ANTONINO, A. C. D.; LIMA, J. R. S.; LIRA, C. A. B. O.; PIMENTEL, R. M. M.; AMAZONAS, I. B.; SILVA NETO, J. A.; OLIVEIRA, I. A.; SILVA, A. M.; OLIVEIRA, L. M. M.; CABRAL, J. J. S. P.. Transpiração da Mangueira cultivada em área urbana do município de Recife-PE. IX Simpósio de Recursos Hídrico do Nordeste. Campo Grande, 2009.

ANGELOCCI, L.R.; MARIN, F.R.; OLIVEIRA, R.F.; RIGHI, E.Z. Transpiration, leaf diffusive conductance, and atmospheric water demand relationship in an irrigated acid lime orchard. Brazilian Journal of Plant Physiology, Londrina, v.16, n.1, p.53-64, 2004.

CALDER, I.A. Evaporation in the uplands. John Wiley and Sons, Chichester 148p. 1990.

CARVALHO, E. A. M. DE; POZZA, E. A.; JULIATTI, F. C.; MOREIRA, J. C.; PEIXOTO, A. S.; SANTOS, C. M.. 1998. Impacto dos diferentes sistemas de irrigação e lâminas d’água na evolução da ferrugem do cafeeiro. In: Simpósio Brasileiro de pesquisa em Cafeicultura Irrigada, 1. Araguari-MG. Palestras e resumos. Araguari: UFU, pp. 101-103.

?ERMÁK, J.; DEMIL, M.; PENKA, M. A new method of sap flow rate determination in trees. Biol. Plant. 15. p.171–8, 1973

?ERMÁK, J.; KUCERA, J.; NADEZHDINA, N. Sap flow measurements with some thermodynamic methods, flow integration within trees and scaling up from sample trees to entire forest stands. Trees 18: 529–546, 2004.

DYNAMAX, Inc. Flow32. Houston. E.U.A., 2005.

DALMAGO, G. A.; HELDWEIN, A. B.; NIED, A. H.; GRIMM, E. L.; PIVETTA, C. R.. Evapotranspiração máxima da cultura de pimentão em estufa plástica em função da radiação solar, da temperatura, da umidade relativa e do déficit de saturação do ar. Ciência Rural, Santa Maria, v.36, n.3, p.785-792, mai-jun, 2006. ISSN 0103-8478

FERRÃO, R. G.; FONSECA, A. F. A.; BRAGANÇA, S. M.; FERRÃO, M. A. G.; MUNER, L. H. 2007. Café Conilon. Vitória: Incaper, 702 p.

FLEMING, P. M ; ANTONINO, A.C.D. ; PIMENTEL, R, M. M. ; LIRA, C. A. B. O. ; ALVES, G. D. ; CABRAL, J. J. S. P. Transpiração de Algaroba (Prosopis juliflora (Sw.) DC.) Cultivadas no Semi-Árido Nordestino. Revista Brasileira de recursos Hídricos. 2003.

GRANIER, A. Une nouvelle m´ethode pour la mesure du flux de s`eve brute dans le tronc des arbres Ann. For. Sci. 42. p.193–200,1985.

HOWELL, T. A.; SCHNEIDER, A. D.; JENSEN, M. E. History of lysimeter desing and use for evapotranspiration measurements. New York: American Society of Civil Engineers, 1991, p. 1-9.

HUBER, B. Beobachtung und messing pflanzlicher saftstrome. Berichte Deutsche Botanische Gesellschaft, n. 50, p. 89-109, 1932.

MARIN, F. R.; ANGELOCCI, L. R.; PEREIRA, A. R.; VILLA NOVA, N. A.; SENTELHAS, P. C. Sap flow and evapotranspiration in an irrigated citrus orchard. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v.9, p.219-226, 2001.

NADEZHDINA, N.; ?ERMÁK, J.; NADEZHDINA, V. Heat field deformation method for sap flow measurements. In: ?ERMÁK J. & NADEZHDINA, N. (eds.). Measuring sap flow in intact plants. Proceedings of 4th International Workshop, Židlochovice, Czech Republic, IUFRO Publ. Brno, Czech Republic: Mendel University. p. 72–92, 1998.

PARTELLI, L. F.; VIEIRA, H. D.; DETMANN, E.; CAMPOSTRINI, E. Estimativa da área foliar do cafeeiro Conilon a partir do comprimento da folhar. Revista Ceres, n. 53, vol. 306, p. 204-210, 2006.

ROJAS, J.S.D. Avaliação do uso do fluxo de seiva e da variação do diâmetro do caule e de ramos na determinação das condições hídricas de citros, como base para o manejo de irrigação. 2003. 110p. Tese (Doutorado em Agronomia) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”-USP, Piracicaba.

SAKURATANI, T. A heat balance method for measuring water flux in the stem of intact plants. Journal of Agricultural Meteorology, v.37, n.1, p.9-17, 1981.

SENTELHAS, P. C.. Agrometeorologia aplicada à irrigação. In: Miranda, J. H.; Pires, R. C. M. Irrigação. Jaboticabal: Série Engenharia Agrícola, 1. p. 63-120, 2001

SILVA, T. J. S; FOLEGATTI, M. V.; SILVA, C. R.; ALVES JUNIOR, J.; PIRES, C. M. P.. Evapotranspiração e Coeficientes de Cultura do Maracujazeiro Amarelo Conduzido Sob Duas Orientações de Plantio. Irriga. Botucatu. v. 11, n. 1, p. 90-106, 2006.

SILVA NETO, J. A.; ALMEIDA, C. A. B.; ANTONINO, A. C. D.; PIMENTEL, R. M. M.; LIRA, C. A. B. O.; OLIVEIRA, I. A.; LIMA, L. E. Evapotranspiração por meio de lisímetro de pesagem em coffea canephora pierre ex a. Froehner. In: XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Anais... 2011, Maceió. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 2011.

PARTELLI, L. F.; VIEIRA, H. D.; DETMANN, E.; CAMPOSTRINI, E. Estimativa da área foliar do cafeeiro Conilon a partir do comprimento da folhar. Revista Ceres, ano 53, vol. 306, p. 204-210, 2006.

TREJO-CHANDRA, J.E.; ANGELOCCI, L.R.; OLIVEIRA, R.F.. Aplicação do método de balanço de calor na determinação da transpiração de mudas de limoeiro. Scientia Agrícola. v. 54, n. 3. Piracicaba, 1997.

VALANCOGNE, C.; NASR, Z. Measuring sap flow in the stem of small trees by heat balance method. Hortscience, 1989.

VILLA-NOVA, N. A.; FAVARIN, J. L.; ANGELOCCI, L. R.; DOURADO NETO, D. Estimativa do coeficiente de cultura do cafeeiro em função de variáveis climatológicas e fitotécnicas. Bragantia, Campinas, v. 61, n. 1, p. 81-88, 2002.

WILCOX, D.; DOVE, B.; MCDAVID, D.; GREER, D. 2002. Image Tool. University of Texas Health Science Center. San Antonio. Texas.

Downloads

Publicado

23/06/2016

Como Citar

Almeida, C. A. B. de, Oliveira, I. A. de, Silva Neto, J. A. da, & Silva, C. J. da. (2016). TRANSPIRAÇÃO EM COFFEA CANEPHORA L. VIA BALANÇO DE CALOR NO CAULE E LISÍMETRO DE PESAGEM ELETRÔNICA. HOLOS, 3, 62–75. https://doi.org/10.15628/holos.2016.3041

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)