QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DE AMOSTRAS DE ÁGUA EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA, MATO GROSSO

Marsani Josiani Viana, Hilton Marcelo de Lima Souza, Ílio Fealho de Carvalho, Maurecilne Lemes da Silva Carvalho

Resumo


A água potável corresponde a toda água disponível na natureza e que não oferece riscos para os seres vivos que a consomem. A ausência da presença de bactérias do grupo coliforme é um dos principais parâmetros estabelecidos na legislação que garante potabilidade. Desta forma, monitorar a qualidade da água dentro do ambiente escolar, local em que os estudantes passam grande parte do seu tempo, torna-se necessário para garantir que os mesmos tenham acesso a água de qualidade. Diante deste contexto, esta pesquisa teve como objetivo avaliar a qualidade bacteriológica de amostras de água de escolas públicas do município de Tangará da Serra, Mato Grosso. Foram realizadas duas coletadas de amostras em 14 escolas e o método utilizado para detecção de coliformes totais e Escherichia coli foi o uso do Kit “Colitag™”. Os resultados revelaram que não houve amostras positivas para E. coli, no entanto, 21.4% das amostras apresentaram confirmação da presença de coliformes totais, não atendendo os parâmetros exigidos pela portaria n° 2.914/2011 do Ministério da Saúde. Vale ressaltar que a contaminação por bactérias do grupo coliformes totais é fator preocupante, uma vez que estas podem indicar a existência de micro-organismos patogênicos na água. Entre as escolas avaliadas, uma escola (E2) apresentou coliformes totais nas duas coletas. Os resultados deixam evidente que em algumas escolas, há necessidade de maior vigilância da qualidade da água e identificação dos fatores locais que podem estar ligados a contaminação encontrada.


Palavras-chave


Coliformes Totais; Coliformes Termotolerantes; escola; potabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, M. (2011) Análise microbiológica de caixas d’água de colégios estaduais de Foz do Iguaçu – Paraná. (Trabalho de Conclusão de Curso - Especialização) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Antunes, C. A., Castro, M. C. F. M. & Guarda, V. L. M. (2004) Influência da qualidade da água destinada ao consumo humano no estado nutricional de crianças com idades entre 3 e 6 anos, no município de Ouro Preto - MG. Alimentos e Nutrição, 15(3), 221-226.

Barbosa, D. A., Lage, M. M., Badaró, A. C. L. (2009). Qualidade microbiológica da água dos bebedouros de um campus universitário de Ipatinga, Minas Gerais. Nutrir Gerais, 3(5), 505-517.

Beneti, A. D. (2011) Guidelines for drinking water quality. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, 16(4), 499-513.

Brasil. (2013) Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água. (4a ed). Brasília: Funasa.

Brasil. (2014) Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS. (1a ed) Brasília: Funasa.

Castro, A. S., Silva, B. M. & Fabri, R. L. (2013) Avaliação da qualidade físico-química e microbiológica da água dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de juiz de fora, Minas Gerais. Nutrir Gerais, 7(12), 984-998.

Commision for Environmental Cooperation (CEC). (2006) (Children's health and the environment in North America: a first report on available indicators and measures. p. 144. Disponível em: Acesso em: 10 de nov. 2015.

Dantas, A. K. D., Souza, C., Ferreira, M. S., Andrade, M. A., Andrade, D. & Watanabe, E. (2010) Qualidade microbiológica da água de bebedouros destinada ao consumo humano. Revista Biociências, 16(2), 132-138.

Fernandes, M. S. M. [Maniza], Alves, R. V., Costa, T. S. & Franca, K. B. (2014) Avaliação da qualidade microbiológica da água disponibilizada em bebedouros de uma instituição de ensino superior. In: X Encontro Nacional de Águas Urbanas, 2014, São Paulo. X Encontro Nacional de Águas Urbanas.

Fernandes, L. L [Luana] & Gois, R. V. (2015). Avaliação das principais metodologias aplicadas às análises microbiológicas de água para consumo humano voltadas para a detecção de coliformes totais e termotolerantes. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, 6(2), 49-64.

Franco, B. D. G. M. & Landgraf, M. (2003) Microbiologia dos alimentos. Atheneu: São Paulo.

Freitas, M. B. & Freitas, C. M. A. (2005). Vigilância da qualidade da água para consumo humano – desafios e perspectivas para o Sistema Único de Saúde. Ciência e saúde coletiva, 10(4), 993-1004.

Hofstra, H. & Veld, J. H. J. H. (1988). Methods for the detection and isolation of Escherichia coli including pathogenic strains. Journal of Applied Bacteriology, Symposium Supplement, 197S-212S.

Koster, W, EgliI, T., Ashbolt, N., Botzenhart, K., Burliom, N.; Endo, T., Grimond, P., Guillot, E., Mabilat, C., Newport, L., Niemi, M., Payment, P., Prescott, A., Renaud, P. & Rust, A. (2003). Analytical methods for microbiological water quality testing. In: Assessing microbial safety of drinking water. (pp. 237-292).London: OECD.

Marquezi, M. C.; Gallo, C. R.; & Dias, C. T. S. (2010). Comparação entre métodos para a análise de coliformes totais e E. coli em amostras de agua. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 69(3), 291-296.

Olstadt, J.; Schauer, J. J.; Standridge, J. & Kluender, S. (2007). A comparison of ten USEPA approved total coliform/E. coli tests. Journal of Water and Health, 5(2), 267-282.

Sá, L. L. C.; Jesus, I. M; Santos, E. C. O.; Vale, E. R.; Loureiro, E. C. B. & Sá, E. V. (2005) Qualidade microbiológica da água para consumo humano em duas áreas contempladas com intervenções de saneamento – Belém do Pará, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 14 (3), 171–180.

Silva, N.; Junqueira, V. C. A.; Silveira, N. F. A.; Taniwaki, M. H. & Santos, R. F. S. (2010). Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos e água. (4a ed). São Paulo: Varela.

Siqueira, L. P.; Shinohara, N.K.S.; Lima, R.M.T.; Paiva, J.E.; Filho, J. L. L., & Carvalho, I. T. (2010). Avaliação microbiológica da água de consumo empregada em unidades de alimentação. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1), 63-66.

Sperling, M. V. (2014). Introdução a qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. (4a ed). UFMG: Belo Horizonte.

Trindade, G. A. DA; Sá-Oliveira, J. C. & Silva, E. S. (2015). Avaliação da qualidade da água em três Escolas Públicas da Cidade de Macapá, Amapá. Biota Amazônia, 5(1), 116-122.

US Environmental Protection Agency (2004). Federal Register 40 CFR Part141, February 13(69), nº 30 – Colitag™.

Zago, B. W., Carvalho, I. F. & Carvalho, M. L. S. (2013) Qualidade bacteriológica de água mineral. Alimentos e Nutrição, 24 (3), 311-315.

Zulpo, D. L.; Peretti, J.; Ono, L. M. & Garcia, J. L. (2006). Avaliação microbiológica da água consumida nos bebedouros da Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, Paraná, Brasil. Semina: Ciências Agrárias, 27(1), 107-110.

World Health Organization (WHO). (2005). Children’s health and environment: developing action plans. 2005. Who Regional Office for Europe, Denmark.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5124



 

HOLOS IN THE WORLD