VANTAGENS E LIMITAÇÕES DO SEBO BOVINO ENQUANTO MATÉRIA-PRIMA PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BIODIESEL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5010

Palavras-chave:

Vantagens, Limitações, Sebo bovino, Biodiesel.

Resumo

Recentemente, a escassez global dos combustíveis fosseis, além de questões políticas, econômicas e ambientais impulsionaram a busca por combustíveis oriundos de fontes renováveis. Neste contexto, o biodiesel surge como um promissor combustível sucedâneo ao diesel mineral, seja parcial ou totalmente. O Brasil é o segundo maior produtor e consumidor mundial de biodiesel, sendo que o sebo bovino é o segundo insumo mais utilizado para a produção deste biocombustível no país, atrás apenas da soja. Diante disso, este artigo de revisão bibliográfica aborda as principais vantagens e limitações relacionadas ao uso desta matéria-prima para obtenção de biodiesel no Brasil, destacando fatores econômicos e ambientais, suas características físico-químicas, além de aspetos relativos à sua cadeia produtiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leandro Henrique Ribeiro Varão, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Possui graduação em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - Campus Itumbiara (2012). Atualmente é Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Biocombustíveis da Universidade Federal de Uberlândia (UFVJM/UFU).

Thiago Alves Lopes Silva, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Possui Graduação em Licenciatura em Ciências com habilitação em Biologia pelo Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara/Ulbra (2009), Graduação em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - Campus Itumbiara (2014) e Especialização latu senso em Gerenciamento Ambiental pelo Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara/ Ulbra (2014). Atualmente é Professor P-III de Biologia da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte(Subsecretaria Regional de Itumbiara). Mestre em Ciência e Tecnologia de Biocombustíveis pela Universidade Federal de Uberlândia (UFVJM/UFU) (2017). Atualmente é Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Biocombustíveis da Universidade Federal de Uberlândia (UFVJM/UFU).

Hernán Darío Zamora Zamora, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Nacional de Colômbia (Manizales, 2005). Especialização em Gestão Ambiental Local pela Universidade Tecnológica de Pereira (Colômbia, 2013). Mestre em Ciência e Tecnologia de Biocombustíveis pela Universidade Federal de Uberlândia (UFVJM/UFU) (2017).

Daniel Pasquini, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Possui graduação em Licenciatura Em Química pela Universidade Federal de Uberlândia (1998), mestrado em Ciências (Físico-Química) (2000) e doutorado em Ciências (Físico-Química) (2004) pela Universidade de São Paulo (2004). Atualmente é Professor Adjunto no Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia e Coordenador local do Programa de Pós-Graduação em Biocombustíveis (UFVJM/UFU).

Referências

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais. (2016). Produção de biodiesel por matéria-prima. Recuperado em 20 fevereiro, 2016, de http://www.abiove.org.br/site/busca.php?tag=biodiesel

Andrade Filho, M. (2007). Aspectos técnicos e econômicos da produção do biodiesel a partir do sebo bovino no Brasil.. Dissertação de Mestrado,Universidade Salvador, Salvador, BA, Brasil.

Resolução ANP Nº 45, de 25 de agosto de 2014. (2014). Dispõe sobre a especificação do biodiesel contida no Regulamento Técnico ANP nº 3 de 2014 e as obrigações quanto ao controle da qualidade a serem atendidas pelos diversos agentes econômicos que comercializam o produto em todo o território nacional. Brasília, DF. Recuperado em 04 janeiro, 2016, de http://nxt.anp.gov.br/NXT/gateway.dll/leg/resolucoes_anp/2014/agosto/ra

np%2045%20-%202014.xml?fn=document-frameset.htm$f=templates$3.0]

Aransiola, E. F., Ojumu, T. V., Oyekola, O. O., Madzimbamuto, T. F. & Ikhu-Omoregbe, D. I. O. (2014). A review of current technology for biodiesel production: State of the art. Biomass and Bioenergy, 61, 276-297.

Balen, M. Aditivos melhoradores das propriedades de fluxo a frio em biodiesel. (2012). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Balen, M., Tanobe, V. O. A., Yamamoto, C. I. (2014, outubro). Aditivos para a melhoria das propriedades de escoamento do biodiesel a frio. Anais do Congresso Brasileiro de Engenharia Química, São Paulo, SP, Brasil, XX.

Barros, T. D. & Jardine, J. G. Biodiesel. (2016a). Recuperado em 17 fevereiro, 2016, de http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/agroenergia/arvore/CONT000f837cz5s0z8kfsx007poikmekcqea.html

Barros, T. D. & Jardine, J. G. Gordura animal. (2016b). Recuperado em 24 fevereiro, 2016, de http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/agroenergia/arvore/CONT000fj1om7kf02wyiv802hvm3jholyoom.html

Bello, E. I. & Daniel, F. (2015). Optimization of groundnut oil biodiesel production and characterization. Applied Science Reports, 9, 172-180.

Cárdenas, O. (2011). Estudo comparativo da combustão de sebo bovino e diesel em fornalha calorimétrica flamotubular. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil.

Chen, J., Jia, L., Guo, X., Xiang, L. & Lou, S. (2014). Production of novel biodiesel from transesterification over KF-modified Ca-Al hydrotalcite catalyst. Royal Society of Chemistry Advances, 4, 60025-60033.

Cunha, M. E. (2008). Caracterização de biodiesel produzido com misturas binárias de sebo bovino, óleo de frango e óleo de soja. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto de Alegre, RS, Brasil.

Cunha Jr., A., Feddern, V., De Prá, M. C., Higarashi, M. M., De Abreu, P.G. & Coldebella, A. (2013). Synthesis and characterization of ethylic biodiesel from animal fat wastes. Fuel, 105, 228-234.

De Quadros, D. P. C., Chaves, E. S., Silva, J.S.A., Teixeira, L. S. G., Curtius, A.J. & Pereira, P.A.P. (2011). Contaminantes em Biodiesel e Controle de Qualidade. Revista Virtual Química, 3(5), 376-384.

Díaz, G. C. (2012). Hidrólise e hidrogenação simultânea (óleo de soja e de sebo bovino): efeito do metal suportado. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Empresa de Pesquisa Energética. (2016). Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis: Ano 2015. Recuperado em 15 fevereiro, 2016, de http://www.epe.gov.br/Petroleo/Documents/An%C3%A1lise%20de%20Conjuntura%20dos%20Biocombust%C3%ADveis%20%20boletins%20peri%C3%B3dicos/An%C3%A1lise%20de%20Conjuntura%20dos%20Biocombust%C3%ADveis1%20-%20Ano%202015.pdf.

Fernandes, D. M., Serqueira, D. S., Portela, F.M., Assunção, R. M. N., Muñoz, R. A. A., Terrones, M. G. H. (2012). Preparation and characterization of methylic and ethylic biodiesel from cottonseed oil and effect of tert-butylhydroquinone on its oxidative stability. Fuel, 97, 658-661.

Giakoumis, E. G. (2013). A statistical investigation of biodiesel physical and chemical properties, and their correlation with the degree of unsaturation. Renewable Energy, 50, 858-878.

Glaude, P. A., Fournet, R., Bounaceur, R. & Molière, M. (2010). Adiabatic flame temperature from biofuels and fossil fuels and derived effect on NOx emissions. Fuel Processing Technology, 91(2), 229-235.

Hemmat, Y., Ghobadian, B., Loghavi, M., Kamgar, S. & Fayyazi, E. (2013). Biodiesel fuel production from residual animal fat as an inedible and inexpensive feedstock. International Research Journal of Applied and Basic Sciences, 5(1), 84-91.

Isioma, N., Muhammad, Y., SylvesteR, O., Innocent, D. & Linus, O. (2013). Cold flow properties and kinematic viscosity of biodiesel. Universal Journal of Chemistry, 1(4), 135-141.

Krause. L. C. (2008). Desenvolvimento do processo de produção de biodiesel de origem animal. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Levy, G. (2011). A inserção do sebo bovino na indústria brasileira de biodiesel: análise sob a ótica da economia dos custos de mensuração. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP, Brasil.

Lôbo, I. P., Ferreira, S. L. C. & Cruz, R. S. (2009). Biodiesel: parâmetros de qualidade e métodos analíticos. Química Nova, 32(6), 1596–1608.

Martins, L. O. S. & Carneiro, R. A. F. (2013). O sebo bovino como insumo estratégico da cadeia de biodiesel: uma análise crítica. Bioenergia em revista: diálogos, 3(1), 32-44.

Melo, M.A.M.F. (2010). Avaliação das propriedades de óleos vegetais visando a produção de biodiesel. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2014a). Benefícios ambientais da produção e do uso do biodiesel. Recuperado em 22 fevereiro, 2016, de http://www.bsbios.com/media/adminfiles/relatorio_biodiesel_p_web.pdf

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2014b). Plano mais pecuária. Recuperado em 23 fevereiro, 2016, de http://www.sgc.goias.gov.br/upload/arquivos/2014-02/mais_pecuaria.pdf

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2016). Dados de rebanho bovino e bubalino no Brasil – 2015. Recuperado em 24 agosto, 2016, de http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/Dados%20de%20rebanho%20bovino%20e%20bubalino%20do%20Brasil%202015_site.pdf

Ministério do Desenvolvimento Agrário. (2015). Mudanças na portaria do Selo Combustível Social. Recuperado em 05 janeiro, 2016, de http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/mudan%C3%A7as-na-portaria-do-selocombust%C3

%ADvel-social

Moraes, M. S. A. (2008). Biodiesel de sebo: avaliação de propriedades e testes de consumo em motor a diesel. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Neves, T. A. (2011). Tratamento físico-químico dos efluentes líquidos da produção de biodiesel metílico em regime de funcionamento contínuo e batelada. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, Brasil.

Pacheco, J. W. (2006a). Guia técnico ambiental de frigoríficos: industrialização de carnes bovina e suína (1ª ed.). São Paulo: Cetesb.

Pacheco, J. W. (2006b). Guia técnico ambiental de graxarias (1ª ed.). São Paulo: Cetesb.

Padula, A. D., Santos, M. S., Ferreira, L. & Borenstein, D. (2012). The emergence of the biodiesel industry in Brazil: current figures and future prospects. Energy Policy, 44, 395-405.

Pires, A. (2012). Sebo bovino e o biodiesel. Recuperado em 22 abril, 2016, de http://www.biodieselbr.com/noticias/materia-prima/sebo/sebo-bovino-biodiesel-70812.htm

Rebouças, A. S., Zanini, A., Kiperstok, A., Pepe, I.M. & Embiruçu, M. (2010). Contexto ambiental e aspectos tecnológicos das graxarias no Brasil para a inserção do pequeno produtor na indústria da carne. Revista Brasileira de Zootecnia, 39, 499-509.

Santos, A. G. D. (2010). Avaliação da estabilidade térmica e oxidativa do biodiesel de algodão, girassol, dendê e sebo bovino. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Santos, V. C. (2014). Investigação e uso de sólidos baseados em compostos inorgânicos para a obtenção de ésteres metílicos a partir da catálise heterogênea de esterificação de ácidos graxos. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Sendzikiene, E., Makareviciene, V. & Janulis, P. (2005). Oxidation stability of biodiesel fuel produced from fatty wastes. Polish Journal of Environmental Studies, 14(3), 335-339.

Severgnini, K. & Langer, M. (2011). Gordura animal: um novo destino; um novo combustível. Unoesc & Ciência, 2(2), 157-164.

Silva, A. A. L., Santos, A. G. D., Di Souza, L., Caldeira, V. P. S., Luz Junior, G.E. & Araújo, A.S. (2015). Síntese e caracterização de biodiesel de sebo bovino e de sua mistura B10. Orbital: Electronic Journal of Chemistry, 7(1), 21-27.

Tan T., Lu, J., Nie, K., Deng, L. & Wang, F. (2010). Biodiesel production with immobilized lipase: a review. Biotechnology Advances, 28(5), 628-634.

Teixeira, L. S. G., Couto, M. B., Souza, G. S., Andrade Filho, M., Assis, J. C. R., Guimarães, P. R. B., Pontes, L. A. M., Almeida, S. Q. & Teixeira, J.S.R. (2010). Characterization of beef tallow biodiesel and their mixtures with soybean biodiesel and mineral diesel fuel. Biomass and Bioenergy, 34, 438-441.

Teixeira, G. A. A. (2011). Avaliação do tempo de vida útil de biodiesel metílico obtido a partir da mistura de sebo bovino e óleos de soja e babaçu. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene. (2016). Biodiesel: combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável. Recuperado em 10 março, 2016, de http://www.ubrabio.com.br/sites/1800/1891/20151103BiodieselcombustAvelalinhadoaono.pdf

Villela, H. D. M. (2014). Utilização das técnicas de engenharia genética e bioquímica em Chlamydomonas reinhardtii visando o aumento da produção de lipídeos para obtenção de biocombustível. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Wang, H., Covarrubias, J., Prock, H., Wu, X., Wang, D. & Bossmann, S.H. (2015). Acid-functionalized magnetic nanoparticle as heterogeneous catalysts for biodiesel synthesis. The Journal of Physical Chemistry C, 119(46), 26020-26028.

Yaakob, Z., Narayanan, B. N., Padikkaparambil, S., Unni, K. S. & Akbar, P.M. (2014). A review on the oxidation stability of biodiesel. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 35, 136-153.

Downloads

Publicado

21/12/2017

Como Citar

Varão, L. H. R., Silva, T. A. L., Zamora, H. D. Z., & Pasquini, D. (2017). VANTAGENS E LIMITAÇÕES DO SEBO BOVINO ENQUANTO MATÉRIA-PRIMA PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BIODIESEL. HOLOS, 7, 39–54. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5010

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)