EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA E USO DO FACEBOOK PARA FINS EDUCACIONAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.4737

Palavras-chave:

Facebook, multiplicidade de leitores, rede social, Santaella.

Resumo

O presente artigo pretende expor o resultado de um processo de pesquisa qualiquantitativa do tipo estudo de caso, desenvolvido dentro de uma linha de pesquisa de um programa de pós-graduação stricto sensu em Educação de uma universidade particular de grande porte do Estado do Paraná, como parte das atividades de um dos grupos de pesquisa. Com base nas reflexões e discussões, acerca dos perfis de leitores sistematizados pela pesquisadora Lucia Santaella (2014), buscou-se uma maneira de explicar os conceitos e envolver o maior número de pessoas, estendendo a proposta para além dos participantes do grupo de pesquisa, com o objetivo de possibilitar a interação, a colaboração e a disseminação da temática. O objetivo desse estudo é analisar a experiência do desenvolvimento de uma exposição e do uso de uma rede social para fins educacionais. A primeira fase centrou nas atividades realizadas no grupo de pesquisa com leituras, reflexões e discussões sobre o tema. A segunda fase focou na realização de uma exposição de fotografias e textos, denominada “Multiplicidade de Leitores”, juntamente com a disseminação em uma página no Facebook, a qual possibilitou a compreensão e a interação por um extenso número de pessoas, ultrapassando os muros da instituição. Com base nos resultados obtidos foi possível perceber que o desenvolvimento dessa experiência foi positivo, por propiciar aos apreciadores o entendimento sobre o tema de modo interativo e dinâmico. Ademais, evidenciou-se que a rede social tem sido cada vez mais utilizada pelos professores como ambiente de aprendizagem, por possibilitar aos estudantes um espaço de troca, colaboração e liberdade de expressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Amante, L. (2015). Facebook e novas sociabilidades: contributos da investigação. In P. L. Torres (Org.), Redes e mídias sociais (pp.41-62). Curitiba: Appris.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: SAGE.

Cruz, M. (28 de janeiro de 2016). Facebook revela dados do Brasil na CPBR9 e WhatsApp 'vira ZapZap'. TechTudo. Recuperado de http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/facebook-revela-dados-do-brasil-na-cpbr9-e-whatsapp-vira-zapzap.html

Ferreira, J. de L., Corrêa, B. R. do P. G. & Torres, P. L (2012). O uso pedagógico da rede social Facebook. In P. L. Torres & P. R. Wagner (Orgs.). Redes sociais e educação: desafios contemporâneos. Comunidade Virtual de Aprendizagem. Porto Alegre: EDIPUCRS. Recuperado de http://pead.ucpel.tche.br/revistas/index.php/colabora/article/view/199

Gil, A. C. (2009). Estudo de caso: fundamentação científica, subsídios para coleta e análise de dados, como redigir o relatório. São Paulo: Atlas.

Macedo, N. M. R. & Ribes, R. (2014). Ser amigo e ter amigos no Facebook: uma análise com crianças. In C. Porto & E. Santos (Orgs.), Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar (pp.149-166). Campina Grande: EDUEPB.

Moraes, M. C. (2008). Ecologia dos saberes: complexidade, transdisciplinaridade e educação. São Paulo: Antakarana/WHH – Willis Harman House.

Moreira, J. A. & Januário, S. (2014). Redes sociais e educação reflexões acerca do Facebook enquanto espaço de aprendizagem. In C. Porto & E. Santos (Orgs.), Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar (pp.67-84). Campina Grande: EDUEPB.

Okada, A. (2011). colearn 2.0 - Coaprendizagem via comunidades abertas de pesquisa, práticas e recursos educacionais. Revista e-Curriculum, 7(1). Recuperado de http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/viewFile/5813/4128

Palloff, R. M. & Pratt, K. (2015). Lições da sala de aula virtual: as realidades do ensino on-line. Porto Alegre: Penso.

Prass, R. (10 de maio de 2011). Entenda o que são os ‘QR Codes’, códigos lidos pelos celulares. G1. Recuperado de http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/05/entenda-o-que-sao-os-qr-codes-codigos-lidos-pelos-celulares.html

Prensky, M. (2001). Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon, October 2001, 9 (5). Lincoln: NCB University Press. Recuperado de http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf

Santaella, L. (2014). O leitor ubíquo e suas consequências para a educação. In P. L. Torres (Org.), Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento (pp.27-44). Curitiba: SENAR-PR.

Sobre nós. (s.d.). Campus Party. Recuperado de http://brasil.campus-party.org/sobre-nos

Sumares, G. (31 de março de 2016). Facebook ainda é a rede social mais usada por jovens, diz pesquisa. Olhar Digital Pro – O futuro passa primeiro aqui. Recuperado de http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/facebook-ainda-e-a-rede-social-mais-usada-por-jovens-diz-pesquisa/56758

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

18/07/2017

Como Citar

Torres, P. L., Boaron, D. C., & Kowalski, R. P. G. (2017). EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA E USO DO FACEBOOK PARA FINS EDUCACIONAIS. HOLOS, 1, 415–428. https://doi.org/10.15628/holos.2017.4737

Edição

Seção

ARTIGOS