AJUSTE DE MODELO REOLÓGICO PARA ESMALTE CERÂMICO FORMULADO COM FRITA CERÂMICA DE DIFERENTE GRANULOMETRIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.4596

Palavras-chave:

Frita transparente, Esmalte Cerâmico, Viscosidade, Reologia

Resumo

Esmaltes cerâmicos são camadas finas e contínuas de constituição fundamentalmente vítrea, formadas a partir de uma mistura de matérias-primas a qual se funde sobre a superfície de uma matriz. As fritas cerâmicas aparecem como matéria-prima majoritária desse tipo de revestimentos, os quais exibem a natureza física e química de vidros, insolúveis e impermeáveis a líquidos e gases. A produção de esmaltes com qualidade e especificações técnicas para o uso como revestimentos cerâmicos requer estudo de propriedades relevantes inerentes aos processos de formulação e aplicação dos esmaltes cerâmicos, de forma a se alcançar efeitos e características desejados no produto final. O estudo visou o entendimento da influência da granulometria e composição química da frita cerâmica transparente no comportamento reológico das suspensões de esmalte cerâmico, parâmetro importante para assegurar a qualidade do processo de produção e aplicação dos esmaltes cerâmicos. A formulação de esmalte cerâmico com frita de menor granulometria apresentou um comportamento reológico mais viscoso com maiores tensões de escoamento em relação a formulação de maior granulometria. O modelo Hershel Bulkley foi o que melhor se ajustou ao comportamento reológico dos esmaltes cerâmicos em relação aos modelos de Bingham e Ostwald de Waele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

André Luis Mileo Ferraioli Silva, Universidade Federal do Pará, Departamento de Engenharia Química

Universidade Federal do Pará - Instituto de Tecnologia - Faculdade de Engenharia Química

Augusta Maria Paulain Ferreira Felipe, Universidade Federal do Pará, Departamento de Engenharia Química

Universidade Federal do Pará - Instituto de Tecnologia - Faculdade de Engenharia Química

José Antônio da Silva Souza, Universidade Federal do Pará, Departamento de Engenharia Química

Universidade Federal do Pará - Instituto de Tecnologia - Faculdade de Engenharia Química

Referências

BRAGANÇA, A.C.C. Avaliação de reagentes alternativos para a substituição da cal em sistemas de longa distância de polpa de minério de ferro. Minas Gerais – Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado em Engenharia Metalúrgica e de Minas). Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) 2008.

CASASOLA, R. , MA RINCÓN, J. , ROMERO, M. Glass–ceramic glazes for ceramic tiles: a review. Journal of Materials Science, v.47, p. 553-582, 2012.

CHAVARRIA,J.; Esmaltes. 4° edição, Ed. Parramón Ediciones, S.A, 1998.

DURAN, A., HEVIA, R., CENTRITTO, N., OLIVEIRA, A. P. N., BERNARDIN, A. M. Introducción a los esmaltes cerâmicos. Madrid: FaenzaEditriceIbérica, p. 224, 2002.

GLENN, I., STELZER, e KLUG, E.D. Handbook of watersoluble gums and resins. New York: McGraw Hill, p. 4-2 a 4-28, 1980.

WANG, HE, M., Y. & FORSSBERG, E. Parameter Studies on the Rheology of Limestone Slurries. International Journal of Mineral Processing, v.78, p.63-77, 2006.

HOTZA, D. et al. Influência da adição de defloculante, ligante e partículas de alumina no comportamento reológico de suspensões a base de frita e caulim. Química Nova, v. 21, p. 526-528, 1998.

MELCHIADES, F.G. et al. Formulação de Fritas Cerâmicas com Auxílio da Técnica de Planejamento Estatístico de Experimentos. Cerâmica Industrial, v.14, n. 3, p. 23-29, 2009.

NORTON, F. H. Introdução a tecnologia cerâmica. São Paulo, Editora Edgard Blucher, 1973.

SAMPAIO, J. A.; FRANÇA, S. C. A. e BRAGA, P. F. A. Tratamento de Minérios: Práticas Laboratoriais. Rio de Janeiro. CETEM/MCT, p. 3-34, 2007.

SERPA, E.C.N. Obtenção de fritas cerâmicas a partir de resíduo refratário proveniente do setor metalúrgico. Santa Catarina- Florianópolis. Dissertação. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2007.

SILVA, A. L. M. F.; FELIPE, A. M. P. F. ; SOUZA, J. A. S. . Estado da Arte do Emprego da Lama Vermelha como Materias-Prima Fundente na Formulação de Esmaltes Cerâmicos. Revista SODEBRAS, v. 11, p. 168-171, 2016.

SILVA, A. L. M. F.; CARDOSO, D. N. P.; FELIPE, A. M. P. F.; SOUZA, J. A. S. . Influência de aditivo PVA no comportamento reológico de argamassa elaborada a partir de resíduos Industriais.. Cerâmica Industrial (Impresso), v. 20, p. 24-29, 2015.

Downloads

Publicado

12/11/2016

Como Citar

Silva, A. L. M. F., Felipe, A. M. P. F., & Souza, J. A. da S. (2016). AJUSTE DE MODELO REOLÓGICO PARA ESMALTE CERÂMICO FORMULADO COM FRITA CERÂMICA DE DIFERENTE GRANULOMETRIA. HOLOS, 7, 100–109. https://doi.org/10.15628/holos.2016.4596

Edição

Seção

ARTIGOS