DIAGNÓSTICO E PROAGNÓSTICO DOS RSU PARA MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS

Autores

  • Marília Fracasso UERGS
  • Roger Dalepiane UERGS
  • Marcia R. M. H. Porsch UERGS
  • Ernane Ervino Pfuller Uergs
  • Rodrigo Sanchotene Silva Universidade Estadual do Rio Grande do Sul http://orcid.org/0000-0002-9119-698X

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.3699

Palavras-chave:

Resíduos Sólidos Urbanos, Gestão, Meio Ambiente

Resumo

A falta de uma gestão adequada dos resíduos sólidos urbanos (RSU) tem provocado ao longo dos anos nos Municípios com menos de vinte mil habitantes, diversos prejuízos nas áreas da saúde pública, equidade social e conservação ambiental, além de impactos significativos na ordem econômica em diversos segmentos de atividade. Dentro deste contexto, é necessária a efetiva implantação das diretrizes que preconizam a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com isso, o objetivo deste trabalho foi realizar o diagnóstico e o prognóstico para a gestão de resíduos sólidos urbanos (RSU) do município de Sananduva/RS, e como a proposta de novos métodos de gerenciamento de RSU pode contribuir na redução e adequada destinação de RSU. A metodologia deste trabalho foi dividida em três etapas: revisão literária do tema, avaliação da situação atual de gerenciamento de resíduos sólidos e a análise e cruzamento dos dados obtidos. Os resultados obtidos demonstram que a população urbana do município de Sananduva/RS, no período de set/2012 a ago/2013 teve uma geração de 3.577.440 kg de RSU, o que representa uma produção per capita 0,919 kg.hab-1.d-1 de RSU. Com isto, verifica-se a necessidade da inserção de novas técnicas de tratamento final dos RSU, como a compostagem, coleta seletiva/logística reversa e incineração, aliadas a efetiva conscientização ambiental da população, buscando mudanças de hábitos sustentáveis

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marília Fracasso, UERGS

Bióloga e Tecnóloga em Gestão Ambiental

Roger Dalepiane, UERGS

Tecnóloga em Gestão Ambiental

Marcia R. M. H. Porsch, UERGS

Docente da Uergs

Ernane Ervino Pfuller, Uergs

Docente da Uergs

Rodrigo Sanchotene Silva, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4488304T2

Referências

ABNT NBR 8.419/1992: Apresentação de Projetos de Aterros Sanitários de Resíduos Sólidos Urbanos.

ABNT NBR 12.980/1993: Coleta, varrição e acondicionamento de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro.

ABNT NBR 10.004/2004: Resíduos Sólidos – Classificação.

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, 2012. 116 p. PDF. Recuperado em 15 de setembro de 2014, de <http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2012.pdf/>.

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, 2013. 114 p. PDF. Recuperado em 15 de setembro de 2014, de <http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2013.pdf/>.

BARROS, R. T. V.(2012). Elementos de Gestão de Resíduos Sólidos. Editora Tessitura: Belo Horizonte, 424 p.

Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, nº 147, p. 303 de ago. 2010. Recuperado em 03 de outubro de 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm

Lei n. lei, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o Saneamento Básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, p. 308 de janeiro de 2007. Recuperado em 04 de outubro de 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm

BIDONE, F. R. A. & POVINELLI, J. (1999). Conceitos Básicos de Resíduos sólidos. São Carlos: EESC/USP.

CALDERONI, S. (2003).Os bilhões perdidos no lixo. 4ª ed. São Paulo. Humanitas Editora. 346 p.

CONSONI, A.J. & GONZALEZ, C. C. C. (2000). Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. 2ª ed. São Paulo. Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT/ Compromisso Empresarial para Reciclagem – CEMPRE, cap. 8, p. 317 – 342.

GRIPP, W. G. (1998). Aspectos técnicos e ambientais da incineração de resíduos sólidos urbanos: considerações sobre a proposta para São Paulo. Dissertação de estrado em Hidráulica e Saneamento, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil.

IBGE. Sananduva. Estatística, população, estimativa 2010. Recuperado em 9 de novembro de 2014, de <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2014/estimativa_tcu.shtm/>.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Recuperado em 10 de novembro de 2014, de <http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=431660>.

KIEHL, E.J., Manual de Compostagem: maturação e qualidade do composto. Piracicaba, SP, Divisão de Biblioteca e Documentação “Luiz de Queiros” /USP, 1998.

LAKATOS, E.M. & MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Cientifica. São Paulo: Atlas, 270 p. 1991.

LIMA, L. M. Q. Lixo Tratamento e Biorremediação. 3ª ed. Hemus. São Paulo, 2004.

MAZZER , C. & CAVALCANTI, O.A. Introdução a Gestão Ambiental de Resíduos. Informa, v.16, nº 11-12, 2004.

Ministério do Meio Ambiente (2011). Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos – Brasília – DF, 2011. 289 p. Recuperado em 21 de setembro de 2015, de <http://www.mma.gov.br/estruturas/srhu_urbano/_arquivos/guia_elaborao_plano_de_gesto_de_resduos_rev_29nov11_125/>.

ZVEIBIL, V. Z.; MONTEIRO, J. H. P.; FIGUEIREDO, C. E. M.; MAGALHÃES, A. F.; MELO, M. A. F.; BRITO, J. C. X.; ALMEIDA, T. P. F. & MANSUR, G. L. Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 204p. 2001. Recuperado em 5 de outubro de 2014, de <http://www.resol.com.br/cartilha4/manual.pdf/>.

RUSSO, M. A. T. (2003). Tratamento de resíduos sólidos. Tese de doutorado em Engenharia Agrícola, Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciência e Tecnologia, Departamento de Engenharia Civil, Coimbra, Portugal.

SANDRINI, N. S (2005). Estudo das características próprias da coleta seletiva informal. Monografia Especialização em Gestão de Recursos Naturais, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, SC, Brasil.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Fracasso, M., Dalepiane, R., Porsch, M. R. M. H., Pfuller, E. E., & Silva, R. S. (2017). DIAGNÓSTICO E PROAGNÓSTICO DOS RSU PARA MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS. HOLOS, 4, 282–298. https://doi.org/10.15628/holos.2017.3699

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.