MOAGEM SEMI-AUTÓGENA DA USINA DO SOSSEGO – HISTÓRICO DOS 10 ANOS DE OPERAÇÃO E OTIMIZAÇÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3656

Palavras-chave:

Moagem semi-autógena, Simulação, Otimização, Cobre, Geometalurgia

Resumo

A usina do Sossego foi a primeira operação da Vale S.A. a operar com um moinho semi-autógeno (SAG) para o processamento de minério sulfetado de cobre e ouro. A usina está localizada no sudeste do estado do Pará. O circuito de cominuição foi projetado para processar 41.000 toneladas por dia de run of mine, sendo o circuito composto por um britador primário, um moinho semi-autógeno de 11,6 m de diâmetro que opera em circuito fechado com britadores cônicos, seguido de dois moinhos de bolas de 6,7 m de diâmetro. O projeto do circuito se baseou em dados de extensa campanha piloto, assim como em simulações baseadas nos resultados de ensaios de caracterização em amostras de furos de sonda. Após o comissionamento do circuito, observou-se que algumas variáveis estavam contribuindo para vazões horárias abaixo das esperadas. Uma série de otimizações e adequações foram realizadas ao longo dos 10 anos de operação do moinho semi-autógeno, incluindo mudança na área aberta, tamanho e disposição das aberturas das grelhas, perfil dos revestimentos e mudanças no plano de fogo da mina. Este trabalho descreve os principais aspectos do projeto do circuito, assim como as otimizações realizadas ao longo dos primeiros anos de operação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mauricio Guimarães Bergerman, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Engenharia de Minas pela Universidade de São Paulo(2003), mestrado em Engenharia Mineral pela Universidade de São Paulo(2009) e doutorado em Engenharia Mineral pela Universidade de São Paulo(2013). Atualmente é Professor Doutor da Universidade de São Paulo, Revisor de periódico da Holos (Natal. Online), Revisor de periódico da REM. Revista Escola de Minas (Impresso), Revisor de periódico da International Journal of Mining Engineering and Mineral Processing e Membro de corpo editorial da Holos (Natal. Online). Tem experiência na área de Engenharia de Minas, com ênfase em Tratamento de Minérios. Atuando principalmente nos seguintes temas:cobre, tratamento de minérios.

Homero Delboni Júnior, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Engenharia de Minas pela Universidade de São Paulo (1983), mestrado em Engenharia Mineral pela Universidade de São Paulo (1989) e doutorado em Minerals Processing - University of Queensland (1999). Atualmente é professor doutor da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Engenharia de Minas, com ênfase em Tratamento de Minérios, atuando principalmente nos seguintes temas: britagem, moagem, classificação, simulação de circuitos de cominuição e concentração de minerais.

Referências

BERGERMAN, M.G.; MORAIS, J.; CASTRO, A.; ROSA, M.A.N.; DELBONI JR.; H. Variability studies for the Sossego 41 ktpd grinding circuit. In: INTERNATIONAL MINERAL PROCESSING CONFERENCE, 24th, 2008, Beijing. Proceedings. Beijing: Science Press, 2008. v.1, p. 407-416.

BERGERMAN, M.G. Modelagem e simulação do circuito de moagem do Sossego. 2009. 207 p. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.]

BERGERMAN, M.G.; DELBONI, H.; NANKRAN, M. Estudo de variabilidade e otimização do circuito de moagem Sag da usina do Sossego. Revista da Escola de Minas, Ouro Preto, v. 62, n. 1, p. 93-97, jan./mar. 2009.

BERGERMAN, M.G.; FONSECA, R.; DELBONI JÚNIOR, H.; DAYRELL, M.; MIRANDA, A., ROSA, M. A. N. Otimização da ciclonagem de 33" do circuito de moagem do Sossego. In: XXIV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa. Proceedings do XXIV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa; 2011; Salvador, Brasil. p. 895-902.

DELBONI JÚNIOR, H.; ROSA, M. A. N.; BERGERMAN, M. G.; NARDI, R. Optimization of the Sossego SAG mill. In: ADVANCES IN AUTOGENOUS AND SEMIAUTOGENOUS GRINDING TECHNOLOGY, 2006, Vancouver. Proceedings.Vancouver: University of British Columbia, 2006. v. 1, p. I39-I50.

MORELL, S.; VALERY, W. Influence of feed size on AG/SAG mill performance. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON AUTOGENOUS AND SEMIAUTOGENOUS GRINDING TECHNOLOGY, 2001, Vancouver. Proceedings: SAG 01. Vancouver: University of British Columbia, 2001. v. 1, p. I-203 – I-214.

ROSA, M. A. N.; BERGERMAN, M. G.; FONSECA, R. A.; QUEIROZ, A.; GERALDO, J. Abertura do circuito de moagem da usina do sossego, In: XXII Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa. Proceedings do XXII Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa; 2007; Ouro Preto, Brasil. v. I. p. 123-126. (a)

ROSA, M.A.N., BERGERMAN, M.G., MIRANDA, A., OLIVEIRA, J.L., SOUZA, M., BATISTA FILHO, J., CARDOSO, W. Controle operacional da usina do Sossego. In: Meeting of the southern hemisphere on mineral technology e Encontro nacional de tratamento de minérios e metalurgia extrativa. Proceedings do VII Meeting of the southern hemisphere on mineral technology e XXII Encontro nacional de tratamento de minérios e metalurgia extrativa. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto, 2007. v. III. p. 505-512. (b)

Vale S.A.. Relatório de viabilidade do Projeto Sossego. Carajás: Minerconsult, Bechtel, ECM e Concremat, 2001. 451 p. (Relatório interno).

Downloads

Publicado

24/12/2015

Como Citar

Bergerman, M. G., Miranda, A., Luiz, D., Oliveira, G., & Delboni Júnior, H. (2015). MOAGEM SEMI-AUTÓGENA DA USINA DO SOSSEGO – HISTÓRICO DOS 10 ANOS DE OPERAÇÃO E OTIMIZAÇÕES. HOLOS, 7, 43–50. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3656

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)