TRANSPORTE PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE NATAL: aspectos de parafiscalidade do caso SETURN

Autores

  • Manoel Damião Machado da Silva IFRN
  • Lúcia Fátima Lúcio Gomes da Costa IFRN

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.2310

Palavras-chave:

Transporte público, Parafiscalidade, Terceiro setor, Eficiência.

Resumo

A proposta deste trabalho é compreender como os aspectos da gestão parafiscal do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Natal – SETURN contribuem para a eficiência do transporte público e para a melhoria a mobilidade urbana, visando contribuir na qualidade de vida da população local. A pesquisa foi desenvolvida no Sindicato, baseada no estudo de caso, por meio de entrevista semiestruturada, onde foram feitas análises, com o objetivo de descrever a situação do transporte coletivo relativo à eficiência que, na visão da pesquisa, fica comprometida, uma vez que os automóveis particulares disputam o mesmo espaço nas vias, juntamente com os transportes coletivos, impedindo assim, agilidade nas viagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Manoel Damião Machado da Silva, IFRN

Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação.

Gestão pública

Lúcia Fátima Lúcio Gomes da Costa, IFRN

Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação.

Referências

Onde Farah (2001, p. 126) relata que:

No final da década de 1980 e início dos anos 1990, já sob o impacto da crise fiscal, a escassez de recursos passou a ser uma questão central, ao limitar a capacidade de resposta do Estado às demandas crescentes na área social. Assim, ao lado da preocupação com a democratização dos processos e com a equidade dos resultados, foram introduzidas na agenda preocupações com a eficiência, a eficácia e a efetividade da ação estatal, assim como com a qualidade dos serviços públicos.

Segundo Borges (2011, p. 2):

Em regra a doutrina sempre entendeu os serviços sociais autônomos como entidades com criação autorizada por lei, com personalidade de direito privado, sem fins lucrativos, para ministrar assistência ou ensino a certas categorias sociais ou profissionais, vinculadas ao sistema sindical, mantidas por contribuições paraficais ou dotações orçamentárias.

De acordo com Bowersox e Closs (2001, p. 23):

[...] a logística de uma empresa é um esforço integrado com o objetivo de ajudar a criar valor para o cliente pelo menor custo total possível. A logística existe para satisfazer às necessidades do cliente, facilitando as operações relevantes de produção e marketing. Do ponto de vista estratégico, os executivos de logística procuram atingir uma qualidade predefinida de serviço ao consumidor por meio de competência operacional que representa o estada-da-arte. O desafio é equilibrar as expectativas de serviços e os gastos de moldo a alcançar os objetivos do negócio.

De acordo com Lacerda (2006, p. 90):

A efetividade dos corredores exclusivos de ônibus para a solução dos problemas de trânsito urbano é ilustrada pela experiência internacionalmente conhecida de Curitiba, onde foi implantado, a partir da década de 1970, um sistema sobre pneus de média capacidade, com faixas exclusivas, pagamento de passagens anterior ao embarque e plataformas de embarque acima do nível da rua.

Agarão et al (2004, p. 37), diz que:

Contudo, essa problemática social tem se confrontado com os benefícios sociais e ambientais advindos de serviços melhores e mais baratos, capazes de atrair até parcelas consideráveis dos usuários do carro particular. Afinal, o valor básico a ser perseguido no setor, antes de qualquer consideração, é o interesse do usuário e da cidade [...].

O trânsito hoje é caótico na maioria das capitais do Brasil e do próprio mundo, né. Você vê que inclusive uma coisa interessante, isso vai até servir pra você. Na Alemanha, hoje, se constrói apartamentos sem garagem, que é pro pessoal diminuir a quantidade de utilizações de carros próprios, e poder usar mais o transporte coletivo. Porque o transporte, isso é uma questão de começar, por exemplo, por que que a população usa muito o carro próprio (ENTREVISTADO).

Downloads

Publicado

11/12/2015

Como Citar

Machado da Silva, M. D., & Lúcio Gomes da Costa, L. F. (2015). TRANSPORTE PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE NATAL: aspectos de parafiscalidade do caso SETURN. HOLOS, 6, 236–250. https://doi.org/10.15628/holos.2015.2310

Edição

Seção

ARTIGOS