UTILIZAÇÃO DE MAPA CONCEITUAL COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

Autores

  • Mauro Sérgio Teixeira Araújo Universidade Cruzeiro do Sul
  • Ricardo Formenton Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP , campus Guarulhos; Universidade Cruzeiro do Sul

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.2130

Palavras-chave:

Teoria cognitivista ausubeliana, Mapas Conceituais, Análise de Trabalho Científico.

Resumo

Geralmente os mapas conceituais são utilizados como instrumento direcionado para as atividades de ensino e de avaliação, apoiando a sistematização dos conhecimentos construídos. Neste artigo propomos a utilização desse instrumento como ferramenta de análise de trabalhos científicos, caracterizando outra forma de uso deste recurso. Assim, com apoio da teoria cognitivista ausubeliana, exemplificamos esta proposta a partir da construção de mapas conceituais baseados na dissertação de mestrado intitulada “As fontes de energia automotiva abordadas sob o enfoque CTS no ensino profissionalizante”, propiciando uma visão rápida e abrangente de todo o percurso metodológico escolhido em sua construção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mauro Sérgio Teixeira Araújo, Universidade Cruzeiro do Sul

Docente e Pesquisador na pós-graduação da Universidade Cruzeiro do Sul

Ricardo Formenton, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP , campus Guarulhos; Universidade Cruzeiro do Sul

Docente do IFSP, campus Guarulhos e doutorando na Universidade Cruzeiro do Sul

Referências

AULER, D. Alfabetização científico-tecnológico: um novo “paradigma”? Ensaio, v. 5, n. 1, p.

-83. Disponível em< http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/issue/view/8/showToc>. Acesso em: 10 mar. 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1998.

______. Lei 9.394/1996 - Lei de Diretrizes de Bases da Educação Nacional (LDB), 2008.

______. Lei nº 11.892 - Rede Federal de Educação Profissional. Ministério da Educação. Brasília, 2008.

CACHAPUZ, A. et al. A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez 2005,263p.

DAGNINO, R.; THOMAS, H. (org.). Ciência, Tecnologia e Sociedade: uma reflexão latinoamericana. São Paulo: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2003, 190p.

FORMENTON, R. 2011. Dissertação de mestrado. As fontes de energia abordadas sob o enfoque CTS no ensino profissionalizante. Disponível em:< http://ms.ensinodeciencias.cruzeirodosul.edu.br/index.php/menudissertacoes.html>. Acesso em 10 de abr. 2014.

INSTITUTE FOR HUMAN & MACHINE COGNITION (IHMC), Universidade da Florida (EUA)(Org.). Software CmapTools. Disponível em: < http://cmap.ihmc.us/conceptmap.html>.

Acesso em 1 de mar. 2014.

LABURÚ,C.E.; CARVALHO,M. Educação Científica: controvérsias construtivistas e pluralismo

metodológico. Londrina: EDUEL, 2005, 119p.

MORAES, J.U. P.; ARAÚJO, M.S.T. O Ensino de Física e o Enfoque CTSA: Caminhos para uma educação cidadã. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2012, 144 p.

MOREIRA, M.A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: EPU, 2011, 242 p.

MOREIRA, M.A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006, 186 p.

MOREIRA, M.A.; MASINI, E.F.S. Aprendizagem Significativa: A teoria de David Ausubel. São

Paulo: Centauro, 2006, 112p.

MORIN,E. Ciência com Consciencia. 11 ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008, 350p.

NOVAK, J.D.; CAÑAS, A.J. 2007. La teoría subyacente a los mapas conceptuales y cómo construirlo. Disponível em:< http://cmap.ihmc.us/publications/ResearchPapers/TeoriaCmaps/TeoriaSubyacenteMapasConceptuales.html>. Acesso em: 1 de mar. 2014.

SANTOS, M.E.V.M. Que educação? tomo I. Lisboa: Santos-Edu, 2005, 138p.

SEVERINO, A.J. Metodologia do Trabalho Científico. 23 ed., São Paulo: Cortez, 2007, 304p.

VYGOTSKY, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes,

, 496p.

Downloads

Publicado

18/02/2015

Como Citar

Araújo, M. S. T., & Formenton, R. (2015). UTILIZAÇÃO DE MAPA CONCEITUAL COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. HOLOS, 1, 171–181. https://doi.org/10.15628/holos.2015.2130

Edição

Seção

ARTIGOS