ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ASSOCIADA A DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X: UMA CLASSIFICAÇÃO MINERALÓGICA PRÁTICA DE BAUXITAS E SEUS PRODUTOS DE DIGESTÃO BAYER

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.6387

Palavras-chave:

DRX, Análise de Agrupamentos, Bauxita, Sílica Reativa

Resumo

Este trabalho teve como objetivo principal utilizar a ferramenta de análise de agrupamentos associada a difratometria de raios-X para classificar mineralogicamente horizontes bauxíticos e seus sólidos residuais da digestão Bayer. Foram utilizadas 172 amostras: 168 de horizontes bauxíticos e 4 de finos cauliníticos derivados da lavagem de bauxitas destes horizontes, da Mina Miltônia 3, Paragominas-PA. Os resultados mostram que as fases mineralógicas presentes em todas as amostras de bauxitas foram: gibbsita, caulinita, Al-goethita, hematita e anatásio. Industrialmente, a distinção desses horizontes é feita quimicamente (teor de alumina aproveitável e sílica reativa – medida indireta da quantidade de gibbsita e caulinita, respectivamente). No entanto, através da análise de agrupamentos, tem-se mais um parâmetro para distinção das fases, no caso a “cristalinidade”, apurando a classificação mineralógica/cristaloquímica dos diferentes tipos de bauxitas. Para os sólidos residuais da digestão foi possível observar as fases inertes do processo: Al-goethita, hematita e anatásio; ausência e/ou presença de sodalita, caulinita e gibbsita. Também foi possível pela análise de agrupamentos diferenciar as litologias que continham caulinita(s) mais reativa(s) na digestão Bayer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caio César Amorim Melo, Universidade Federal do Pará

Engenheiro de Materiais, especialista em Engenharia de Produção pela Universidade Cândido Mendes, Mestre em Ciências na área de Geoquímica e Doutorando em Engenharia de Recursos Naturais da Amazônia na area de Engenharia de Processos ambos pela Universidade Federal do Pará. Trabalha no Laboratório de Caracterização Mineral (LCM-IG-UFPA). Atua principalmente nas áreas de hidrometalurgia do aluminio, sintese de zeólitas, caracterização mineral e difração de raios X.

Referências

Almeida, D. S. G., Silva, F. A. N. G., Santos, C. G. M., Medeiros, M. E., Sampaio, J. A., Garrido, F. M. S. (2012). Estudo de beneficiamento químico e físico e caracterização de bauxitas do Pará. HOLOS. 5, 115-124.

Amigó, J. M., Bastida, J., Sanz, A., Signes, M., Serrano, J Crystallinity of lower cretaceous kaolinities of Teruel - Spain. Applied Clay Science. 9, 51-69.

Cases, J. M., Liétard, O., Yvon, J., Delon, J. F. (1982). Etude des proprietes cristallochimiques, morphologiques, superficielles, de kaolinites désordonnés. Bull. Mineral. 105, 439-455.

Costa, M. L. (1997). Lateritization as a major process of ore deposit formation in the Amazon region. Exploration and Mining Geology. 6, 79-104.

Freyssinet, Ph., Butt, C. R. M., Morris, R. C., Piantone, P. (2005). Ore-forming process related to lateritic weathering. Economic Geology. 100, 681-722.

Ishida, D. A. (2010). Caracterização e gênese de solos e de depósitos de caulim associado, São Gabriel da Cachoeira – AM. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, 172.

Kotschoubey, B., Truckenbrodt, W., Calaf, J. M. C. (2005). Evolução geológica da porção meridional da província bauxitífera de Paragomias durante o Neógeno/Pleistoceno (nordeste da Bacia do Grajaú, nordeste do Pará e extremo oeste de Maranhão). Rev. Bras. Geoc. 35(2), 263-272.

Macchiarola, K., Gobbo, L., Campbel. I., Mcdonald. A. M., Cirelli, J. (2007). Modern X-Ray diffraction techniques for exploration and analysis of ore bodies. In: Proceedings of Exploration 07: Fifth Decennial International Conference on Mineral Exploration. Geochemical Case Histories & Geochemical Exploration Methods. 86, 1007-1011.

Melo, C. C. A. (2016). Cristaloquímica da sodalita Bayer derivada de bauxitas com alta sílica reativa de Paragominas-PA. Dissertação de Mestrado. Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará.

Melo, C. C. A., Paz, S. P. A., Angélica, R. S. (2017). Fases sodalita formada a partir de caulinitas amazônicas sob condições de digestão Bayer. Matéria (Rio de Janeiro), 22(3), e11862.

Paz, S. P. A., Angélica, R. S., Kahn, H. (2017a). Optimization of the reactive silica quantification method applied to Paragominas-type gibbsitic bauxites. International Journal of Mineral Processing. 162, 48-57.

Paz, S. P. A., Torres, P. W. T. S., Angélica, R. S., Kahn, H. (2017b). Synthesis, Rietveld re?nement and DSC analysis of Al-goethites to support mineralogical quanti?cation of gibbsitic bauxites. Journal of Thermal Analysis and Calorimetry. 128, 841–854.

Peixoto, S. F. & Horbe, A. M. C. (2008). Bauxitas do nordeste do Amazonas. Rev. Bras. Geoc. 38(2), 406-422.

Pereira, C. B. (2015). Mineralogia e geoquímica dos perfis bauxíticos da mina Miltônia 3, região de Paragominas-PA. Dissertação de Mestrado. Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará.

Shimizu, V. K., Kahn, H., Antoniassi, J. L., Ulsen, C. (2012). Copper ore type definition from Sossego Mine using X-ray diffraction and cluster analysis technique. REM: Rev. Esc. Minas. 65(4), 561-566.

Silva, H. M., Picanço, E., Maurity, C., Morais, W., Santos, H. C., Guimarães, O. (2008). Geology, mining operation and scheduling of the Paragominas bauxite mine. Proceedings of the 8th International Alumina Quality Workshop, p. 11-16.

Smith, P. (2009). The processing of high silica bauxites - Review of existing and potential processes. Hidrometallurgy. 98, 162-176.

Thiel, R. (1963). Zum system ?-FeOOH-?-AlOOH. Anorganische und Allgemeine Chemie. 329, 70-78.

Downloads

Publicado

05/12/2017

Como Citar

Melo, C. C. A., Oliveira, K. S., Angélica, R. S., & Paz, S. P. A. da. (2017). ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ASSOCIADA A DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X: UMA CLASSIFICAÇÃO MINERALÓGICA PRÁTICA DE BAUXITAS E SEUS PRODUTOS DE DIGESTÃO BAYER. HOLOS, 6, 32–42. https://doi.org/10.15628/holos.2017.6387

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)