CARACTERIZAÇÃO DE AGREGADO MIÚDO FORNECIDO NA MICRORREGIÃO DO AGRESTE POTIGUAR, POPULARMENTE DENOMINADO “AREIA BARRADA”.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5954

Palavras-chave:

Agregado miúdo, areia barrada, qualidade, aplicabilidade

Resumo

Profissionais de diversas áreas do conhecimento buscam incessantemente descobrir ou criar novos materiais para aplicação no setor da construção civil visando a proporcionar avanços tecnológicos e redução dos custos. Dessa forma, até a areia lavada, material básico para construção civil, dentro da qual seu uso está consolidado, possui novos concorrentes, os quais se apresentam com algum diferencial em relação ao agregado miúdo em questão. Antes de chegar ao canteiro de obras, um agregado deve necessariamente passar por uma série de avaliações a fim de se garantir que é realmente confiável. Para tanto, o setor da construção civil conta com o auxílio das normas técnicas elaboradas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Tendo isso em vista, este artigo pretende caracterizar um agregado miúdo popularmente denominado “areia barrada”, amplamente utilizado na produção de argamassas e de concretos estruturais na microrregião agreste do estado Rio Grande do Norte. Ensaios de massa unitária, massa específica, granulometria, inchamento, determinação do teor de argila em torrões, determinação do teor de materiais pulverulentos e determinação de impurezas orgânicas, permitiram a avaliação da qualidade e a aplicabilidade deste material para construção civil. Assim, foi possível observar que o agregado miúdo apresentou uma série de inconformidades, fato preocupante, uma vez que vem sendo aplicado indiscriminadamente sem um atestado de conformidade balizado pelas normas técnicas vigentes. Diante disso, a pesquisa objetiva garantir a qualidade das argamassas e dos concretos estruturais produzidos na região mencionada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2000). NBR NM 27: Agregados - Redução da amostra de campo para ensaios de laboratório. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2001a). NBR NM 46: Agregados - Determinação do material fino que passa através da peneira 75 µm, por lavagem. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2001b). NBR NM 49: Agregado miúdo - Determinação de impurezas orgânicas. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2003). NBR NM 248: Agregados - Determinação da composição granulométrica. (p. 4) Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2005). NBR 7211: Agregados para concreto - Especificação. (p. 4). Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2006a). NBR NM 45: Agregados – Determinação da massa unitária e do volume de vazios. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2006b). NBR 6467: Agregados - Determinação do inchamento de agregado miúdo Método de ensaio. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2009a). NBR NM 26: Agregados – Amostragem. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2009b). NBR NM 52: Agregado miúdo - Determinação de massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2010). NBR 7218: Agregados — Determinação do teor de argila em torrões e materiais friáveis. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2011). NBR 9935: Agregados - Termologia. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) (2012). NBR 7221: Agregado — Índice de desempenho de agregado miúdo contendo impurezas orgânicas - Método de ensaio. Rio de Janeiro.

Bauer, L. A. F (2001). Materiais de Construção 1. (5a ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Mehta, P. K., & Monteiro, P. J. M. (2008). Concreto: microestrutura, propriedades e materiais. (3a ed.). São Paulo: Ibracon.

Neville, Adam M. (1982). Propriedades do Concreto. São Paulo: Pini.

Yazigi, W. (2013). A técnica de edificar. (13a ed., pp. 218-219). São Paulo: Pini.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Mendonça de Souza, M., Luiz de Oliveira Silva, A., & Virgínia Gomes Pina, L. (2017). CARACTERIZAÇÃO DE AGREGADO MIÚDO FORNECIDO NA MICRORREGIÃO DO AGRESTE POTIGUAR, POPULARMENTE DENOMINADO “AREIA BARRADA”. HOLOS, 4, 395–407. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5954

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)