USO DA ARGILA CHOCOLATE COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REFINARIAS DE PETRÓLEO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5151

Palavras-chave:

Refinarias de Petróleo, H2S, Aeração, Argila

Resumo

Contando com uma produção média de 2 milhões e 799 mil barris de óleo por dia (bpd), o Brasil conta com 15 refinarias petróleo. Contudo, as refinarias têm forte impacto poluidor. Utilizam-se aproximadamente 246 a 340 litros de água por barril de petróleo cru, que serão responsáveis por 0,4 a 1,6 vezes de águas residuais em relação ao volume de óleo processado. As águas residuais têm como característica a presença de gases odorantes, destacando-se, o sulfeto de hidrogênio (H2S). O H2S é considerado como principal substância geradora de odor, pois proporciona incomodo já em baixas concentrações (0,00047 ppm). Portanto, a presente pesquisa buscou avaliar o tratamento de efluentes de refinarias de petróleo com teor de H2S por aeração, com e sem a presença da argila, buscando comparar o desempenho da mesma como adsorvente. Para isso montou-se um sistema piloto composto por 6 reatores, e utilizou-se a argila Chocolate em três deles. A concentração de H2S foi determinada por um detector multigases e por iodometria. Usou-se o planejamento experimental fatorial 2x2, onde foram estudados dois fatores: presença/ausência de argila, e o método utilizado. Para comprovar a significância dos resultados, realizou-se a análise de variância (ANOVA), com nível de significância de 5%. Os resultados encontrados mostraram que há diferença significativa entre o tratamento com e sem argila, como também entre os métodos utilizados. Constatou-se que os melhores resultados encontrados foram os que utilizaram a argila como adsorvente. A partir disso, obteve-se uma resposta otimizada do teor de H2S, de 8,1667 ppm.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALVA-ARGÁEZ, A., KOKOSSIS, A.C. & SMITH, R. (2007). The design of waterusing systems in petroleum refining using a water-pinch decomposition. p. 33-46. Chemical Engineering Journal, v. 128, n. 1.

BALBINOT, A. (2007). Poluição Olfativa – Composição, Mensuração e Técnicas de Tratamento de Efluente com Potencial Odorífero. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre – RS.

BARAÚNA, O.S. (2006). Processo de Adsorção de Pigmentos de Óleo Vegetal com Argilas Esmectíticas Ácido-Ativadas.Tese de Doutorado em Engenharia Química, Faculdade de Engenharia Química. Campinas – SP.

CUNHA, R. S.S. (2013). Obtenção de Argila Organofílica visando o processo de Descontaminação de águas oleosas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Campina Grande, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. Campina Grande – PB.

FREITAS, C.A.L.B. (2013). Avaliação do Impacto de Substâncias Odoríferas Geradas a partir da Emissão de Gases Oriundos de uma Industria Química. Dissertação de Mestrado, Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida.

GODKE, M. M. (2011). Avaliação do Potencial de Degradação de H2S por Fotocatálise Heterogênea. Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis – SC.

GUERRA, T. F. M. F., MUNIZ, A. C. S., RODRIGUES, M. G. F., BRITO, A. L. F de. & ARAÚJO, J. G. (2015). Determinação da Eficiência na Remoção de Gás Odorante em Sistema de Aeração com Argila. In: 28o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Anais... Rio de Janeiro.

LOPES, E. S., SANTOS, J. M., REIS, N. C., GONÇALVES, R. F. & MAI, B. G. (2005). Modelagem da emissão de sulfeto de hidrogênio em ETE considerando os mecanismos de remoção por biodegradação e oxidação química. In: 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Anais... Campo Grande.

MINITAB INC. STATISTICAL SOFTWARE Data. Analysis Software. Version 17, 2014.

OLIVEIRA, M. V. de. & MUNIZ, A. C. S. (2013). Avaliação da Aeração como Processo de Tratamento de Gás Sulfídrico Proveniente de Estações de Tratamento de Efluentes. X Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Campina Grande.

PETROBRAS - Pétroleo Brasileiro, Refinarias da Petrobras. Recuperado em 10 de janeiro de 2016 de: http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/principais-operacoes/refinarias

SÁ, L. M., SANTOS, J. M., REIS, N. C. & GONÇALVES, R. F. (2005). Modelagem da emissão de sulfeto de hidrogênio proveniente de estações de tratamento de esgotos. In: 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Campo Grande.

SALES, E.M., SANTOS, J.C.M., COSTA, A.B., LISBOA, V.N.F. & MEDEIROS, A.M. (2014). Odores Provenientes de Graves Problemas Ambientais. In: XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química, Florianópolis.

SCHIMER, W. N. (2004). Amostragem, Análise e Proposta de Tratamento de Compostos Orgânicos Voláteis e Odorantes na Estação de Tratamento de Efluentes de uma Refinaria de Petróleo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental. Florianópolis – SC.

SKOOG, A.D., WEST, D.M., HOLLER, F.J. & CROUCH, R.S., (2008). Fundamentos de Química Analítica, 999p. São Paulo: Cengange Learning.

TECHNICAL HANDBOOK DRÄGER X-AM 7000. Multi-gas monitor – software 2.nm. Dräger, 2013.

ZAT, M. (2009). Remoção de Compostos Odoriferos de Águas de Abastecimento Através de Processos de Aeração, Dessorção Gasosa e nanofiltração. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Porto Alegre – RS.

ZATZ, M. & BENETTI A.D. (2011). Remoção dos Compostos Odoriferos Geosmina 2-metilisoborneol de Águas de Abastecimento Através de Processos de Aeração em Cascata, Dessorção por Ar e Nanofiltração. Instituto de Pesquisas Hidraulicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Downloads

Publicado

18/07/2017

Como Citar

Albuquerque, N. P., Muniz, A. C. S., & Brito, A. L. F. (2017). USO DA ARGILA CHOCOLATE COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REFINARIAS DE PETRÓLEO. HOLOS, 1, 229–240. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5151

Edição

Seção

ARTIGOS