INVESTIMENTO EMPRESARIAL E REFLEXOS NA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.3997

Palavras-chave:

Capital de Giro, Finanças de Curto Prazo, Investimento, Modelo Dinâmico

Resumo

Este trabalho busca compreender como as variações nos investimentos de longo prazo influenciam a gestão do capital de giro das empresas brasileiras. A amostra computou 255 empresas não financeiras de capital aberto da BM&FBOVESPA, com dados financeiros para o período de 2011 a 2015. A partir de uma abordagem quantitativa com base na análise de regressão com dados em painel, refutou-se a expectativa de trade-off entre liquidez e rentabilidade tendo em vista que os investimentos em ativos imobilizados impactam positivamente o Saldo de Tesouraria e influenciam no crescimento da Necessidade de Capital de Giro, o que denota preocupação por parte das empresas em manter a liquidez. Constatou-se, ainda, que o efeito positivo dos investimentos em Imobilizado no Saldo de Tesouraria e Necessidade de Capital de Giro reforçam que as fontes de financiamento de Longo Prazo devem ser suficientes para garantir os investimentos de longo prazo e a folga financeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Monique Micale dos Reis, UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Graduanda em Administração de Empresas pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

David Ferreira Lopes Santos, UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Atua como Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Economia, Administração e Educação, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Referências

Almeida, J. R., & Eid Jr., W. (2014) Access to finance, working capital management and company value: Evidences from Brazilian companies listed on BM&FBOVESPA. Journal of Business Research, 67(5), 924-934.

Assaf Neto, A. (2005) Finanças Corporativas e Valor. (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Assaf Neto, A ., & Silva, C. A. T. (2010) Administração do Capital de Giro. (3a. ed.). São Paulo: Atlas.

Baños-Caballero, S., García-Teruel, P. J., & Martínez-Solano, P. (2014) Working capital management, corporate performance, and financial constraints. Journal of Business Research, 67(34), 332-328.

Baker, H. K., Kumar, S., Colombage, S., Singh, H. P. (2017) Working capital management practices in India: survey evidence, Managerial Finance, 43(3), 331-353.

Ben-Nasr, H. (2016) State and foreign ownership and the value of working capital management. Journal of Corporate Finance, 41, 217-240.

Berk, J., Demarzo, P., & Harford, J. (2010) Fundamentos de Finanças Empresariais. Porto Alegre: Bookman.

Braga, R. (1991) Análise avançada do capital de giro. Caderno de Estudos, 3, 1-20.

Brealey, R. A., Myers, S. C., & Marcus, A. J. (2002) Fundamentos da Administração Financeira. (3a. ed.). Rio de Janeiro: McGraw-Hill Irwin.

Bussab, W. D., & Morettin, P. A. (2003) Estatística Básica. (5a. ed.). São Paulo: Saraiva.

Camargos, M. A., Camargos, M. C. S., & Leão, L. C. G. (2014) Empirically testing the “Fleuriet’s model”: Evidences of Brazilian Market. Business and Management Review, 92(Special Edition), 165-177.

Carvalho, C. J., & Schiozer, R. F. (2012) Gestão de Capital de Giro: um Estudo Comparativo entre Práticas de Empresas Brasileiras e Britânicas. Revista de Administração Contemporânea, 16(4), 518-543.

Felix Jr., J. C., Brunório, W., Cardozo, C. A. S., & Pasotti, J. R. (2017) A aplicabilidade do modelo dinâmico de gestão do capital de giro nas Instituições Hospitalares. Revista de Tecnologia Aplicada, 6(1), 34-47.

Filbeck, G., Zhao, X., & Knoll, R. (2017) An analysis of working capital efficiency and shareholder return. Review of Quantitative Finance and Accounting, 48(1), 265-288.

Fleuriet, M. J. (2005) Fleuriet's Rebuttal to 'Questioning Fleuriet's Model of Working Capital Management on Empirical Grounds'. [Working Paper n. 741624]. Social Science Research Network. Rochester, NY.

Fonseca, J. L., & Ceretta, P. S. A (2012) Gestão da Liquidez e o seu reflexo no retorno sobre o capital próprio e no lucro por ação das empresas pertencentes à BMF&BOVESPA. Revista Alcance, 19(2), 202-221.

Frezatti, F., Bido, D. S., Cruz, A. P. C., Barroso, M. F. G., & Machado, M. J. C. (2012) Decisões de Investimento em Ativos de Longo Prazo nas Empresas Brasileiras: Qual a Aderência ao Modelo Teórico? Revista de Administração Contemporânea. 16(1), 1-22.

Gao, J., & Wang, J. (2017) Is Working Capital Information Useful for Financial Analysts? Evidence from China. Emerging Markets Finance and Trade, 53(5), 1135-1151.

Gimenes, R. M., & Gimenes, F. M. (2008) Aplicabilidade da Análise Dinâmica do Capital de Giro como Instrumento de Avaliação da Gestão Financeira em Cooperativas Agropecuárias. Revista Economia Contemporânea, 12(1), 129-150.

Guimarães, A. L. S., & Nossa, V. (2010) Working capital, profitability, liquidity and solvency of healthcare insurance companies. BBR - Brazilian Business Review, 7(2), 37 – 59.

Gujarati, D. (2006) Econometria Básica. São Paulo: Campus.

Jones, G. D., & Jacinto, A. C. (2013) Análise da Gestão dos Investimentos em Capital de Giro por meio do Modelo Fleuriet em uma Empresa do Agronegócio: Um Estudo de Caso. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, 6(1), 9-30.

Knauer, T., & Wöhrmann, A. (2013) Working capital management and firm profitability. Journal of Management Control, 24(1), 77-87.

Lind, L., Pirttilä, M., Viskari, S., Schupp, F., & Kärri, T. (2012) Working capital management in the automotive industry: Financial value chain analysis. Journal of Purchasing & Supply Management, 18(2), 92-100.

Loncan, T. R., & Caldeira, J. F. (2014) Estrutura de capital, liquidez de caixa e valor da empresa: estudo de empresas brasileiras cotadas em bolsa. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), 46-59.

Marques, J. A., & Braga, R. (1995) Análise Dinâmica do Capital de Giro. O Modelo Fleuriet. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 49-63.

Matias, A. B. (2007) Finanças Corporativas de Curto Prazo. São Paulo:

Atlas.

Medeiros, O. R., & Rodrigues, F. F. (2004) Questionando Empiricamente a Validade do Modelo Fleuriet. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 1(2), 25-32.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958) The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. American Economic Review, 48(3), 261-297.

Mongrut, S., Fuenzalida, D., Cubillas, C., & Cubillas, J. (2014) Determinants of Working Capital Management in Latin American Companies. Innovar, 24(51), 5-18.

Nascimento, C. D., Espejo, M. M., Voese, S. B., & Pfitscher, E. D., & Teles, J. (2013) Crise Financeira de 2008 em meio à Gestão do Capital de Giro de Empresas do Setor Industrial Brasileiro. Revista de Gestão Industrial, 9(2), 465-483.

Oliveira, A. M., Ramalho, R., & Moura, A. A. (2013) Gestão de Capital de Giro Líquido e de Fluxo de Caixa em Risco de Empresas de Bens Industriais Listadas na BM&FBOVESPA. Revista de Contabilidade UFBA, 7(2), 38-51.

Paixão, R. B., Bruni, A. L., Murray, A. D., & Garcia, M. (2008) Análise dinâmica do setor comercial nacional: uma aplicação do modelo Fleuriet. Revista Gestão e Planejamento, 9(2), 199-216.

Palombini, N. V.& Nakamura, W. T. (2012) Key factors in working capital management in the Brazilian market. Revista de Administração de Empresas, 52(1), 55-69.

Perobelli, F. F. C., Pereira, J. F., & David, M. V. (2006, setembro) Relação liquidez-retorno: existiria também uma “estrutura de liquidez” ideal para cada perfil de empresa? Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Rodrigues, S. V., Moura, H. J., & Santos, D. F. L. (2011) O relacionamento entre o ciclo financeiro e a estrutura de capital de giro das empresas sustentáveis do ISE da BM&FBOVESPA. Ciências Sociais Aplicadas em Revista, 11(21), 153-169.

Ross, S. A., Westerfield, R. W., & Jordan, B. D. (2000) Princípios de Administração Financeira. (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Silva, S. S., Botelho, D. O., & Ferreira, P. A. (2009) Influência da liquidez sobre o lucro empresarial. Revista Ingepro: Inovação, Gestão e Produção, 3, 64-72.

Silva, T. S., & Miranda, G. J. (2016) Os indicadores relativos à Gestão do Capital de Giro antes e depois da adoção dos Padrões Internacionais de Contabilidade no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(3), 258-271.

Souza, M. C., Saueressig, G. G., Ubirajara Jr., J. G., Luchese, J., Bauer, J. M., Sellitto, M. A. (2016) Identificação de perdas em processo de e-commerce segundo o referencial do sistema toyota de produção. Holos, 32(8), 192-210.

Starke Jr., P. C.,Freitag, V. D., & Cherobim, A. P. A (2008) Erraticidade das Contas Circulantes Financeiras: uma resposta a questões sobre o Modelo Fleuriet. Revista de Informação Contábil, 2(3), 43-60.

Teruel, P. J. G., & Solano, P. M. (2006) Effects of working capital management on SME profitability. [Working Paper id 894865]. Social Science Research Network. Rochester, NY .

Weinraub, H. J., & Visscher, S. (1998) Industry Practice Relating to Aggressive Conservative Working Capital Policies. Journal of Financial and Strategic Decisions, 11(2), 11-18.

Zouain, D. M., Ferreira, C. C., Macedo, M. A. S., Sant’Anna, P. S., Longo, O. C., & Barone, F. M. (2011) Gestão de capital de giro: contribuição para as micro e pequenas empresas no Brasil. Revista de Administração Pública, 45(3), 863-884.

Downloads

Publicado

2017-11-14

Como Citar

Reis, M. M. dos, & Santos, D. F. L. (2017). INVESTIMENTO EMPRESARIAL E REFLEXOS NA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. HOLOS, 5, 263–282. https://doi.org/10.15628/holos.2017.3997

Edição

Seção

ARTIGOS