UTILIZAÇÃO DE PLANTAS ORNAMENTAIS COMO NOVOS INDICADORES NATURAIS ÁCIDO-BASE NO ENSINO DE QUÍMICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.3869

Palavras-chave:

Plantas Ornamentais, Novos Indicadores, Ácido-Base, Estabilidade Térmica

Resumo

A química é uma disciplina de caráter teórico-prática, mas vem sendo praticamente repassada na base de teoria, podendo acarretar desinteresse dos alunos. Isso acontece pela falta de estrutura e materiais laboratoriais nas escolas para a realização das práticas. Tal problema pode ser solucionado com a utilização de materiais alternativos para a realização das aulas praticas. A utilização de indicadores naturais ácido-base é uma proposta que vem sendo bastante trabalhada. Os indicadores naturais são substâncias que possuem extratos ricos em antocianinas, apresentando coloração diferente dependendo do meio reacional que sejam inseridas. O objetivo desse estudo foi avaliar a eficácia do extrato aquoso de duas plantas ornamentais a Allamanda cathartica L. e a Codiaeum variegatum (L.) A. Juss. como novos indicadores naturais ácido-base, comparando sua potencialidade com extrato da beterraba (Beta vulgaris L) e do repolho roxo (Brassica oleracea L. var. capitata L.) descritos na literatura. Este estudo começou com a extração do extrato das flores da alamanda-amarela e das folhas do louro variegado, testando em soluções de pH com variação de 1 a 14. Para o teste de estabilidade foram acondicionados 2 amostras de cada extrato: uma a 0 ºC (período de 30 dias) e  a 25 ºC (período de 5 e 10 dias). Os resultados obtidos demonstraram uma boa eficácia dos novos indicadores, apresentando uma estabilidade térmica significativa em comparação com os já presentes na literatura, sendo uma alternativa de fácil aquisição e baixo custo para serem usados nas práticas do conteúdo de ácido-base da disciplina química na Educação Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Valdiléia Teixeira Uchôa, Universidade Estadual do Piauí Departamento de Química

Licenciada em Química

Especialista em Docência do Ensino Superior

Especialista em Controle de Qualidade de Alimentos

Mestrado em Química e Biotecnologia

Doutorado em Ciências

Profa. Adjunto do Departamento de Química - UESPI

Antônio Mardonio Marques de Lima, Universidade Estadual do Piauí

Graduando do curso de Licenciatura Plena em Química

Rothchild Sousa de Morais Carvalho Filho, Universidade Estadual do Piauí

Graduando do curso de Licenciatura Plena em Química

Jairo Borges de Assis, Universidade Estadual do Piauí

Licenciado em Química (UESPI)

Mestre em Ciências (USP)

Doutor em Ciências (USP

 

Referências

ABE, L. T.; DA MOTA, R. V.; LAJOLO, F. M.; GENOVESE, M. I. Compostos fenólicos e capacidade antioxidante de cultivares de uvas Vitis labrusca L. e Vitis vinifera L. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2007.

BRAINER, M. S. C. P.; OLIVEIRA, A. A. P. Floricultura: perfil da atividade no Nordeste Brasileiro. Fortaleza: Banco do Nordeste. 2007. 351p. (Documentos do ETENE, n. 17).

BRIDLE, P.; TIMBERLAKE, C.F. Anthocyanins as natural food colours – selected aspects. Food Chemistry, v.58, n.1-2, p.103-109, 1997.

CHEYNIER, V. Polyphenols in foods are more complex than often thought. Am J Clin Nutr 2005; 81(1 Suppl): 223S-9S.

CARDOSO, P. H. F.; SILVA, A. S.; COSTA, A. N. S.; SANTOS, J. M. A.; SILVA, P. C. L.; SILVA, R. A. O EXTRATO DE BRASSICA OLERACEA VAR. CAPITATA (REPOLHO ROXO) PARA SUBSTITUIÇÃO DOS INDICADORES CONVENCIONAIS DE pH. Recife, 5º Congresso Brasileiro de Química, 2012. Disponível em: <http://www.abq.org.br/cbq/2012/trabalhos/7/1276-14534.html>Acesso em: 16 JUN 2015.

COELHO, A. G. Estudo da degradação térmica de antocianinas de extratos de uva (Vitis vinifera L. 'Brasil') e jabuticaba (Myrciaria cauliflora). 2011. 98f. Dissertação (Mestrado em Química Analítica) - UNICAMP, Campinas. 2011.

COOK, N. C.; SAMMAN, S. Review article: Flavonoids-Chemistry, metabolism, cardioprotective effects, and dietary sources. J. Nutr. Biochem., v. 7, p. 66-76, 1996.

CURTRIGHT, R.; RYNEARSON, J. A.; MARKWELL, J. Anthocyanins Model compounds for learning about more than pH. J. Chem. Educ., v.73, n. 4, p.306-309, 1996.

DI CARLO, G.; MASCOLO, N.; IZZO, A. A.; CAPASSO, F. Review article: Flavonoids old

and new aspects of a class of natural therapeutic drugs. Life Sci., v. 65, n. 4, p. 337-353, 1999.

DREOSTI, I. E. Antioxidant polyphenols in tea, cocoa, and wine. Nutrition. n. 692, p. 7-8, 2000.

EMBRAPA. Catálogo brasileiro de hortaliças: saiba como plantar e aproveitar 50 das espécies mais comercializadas no País. Brasília: EMBRAPA, 2010. 60 p. Disponível em <http://201.2.114.147/bds/BDS.nsf/C22F9A4962A6E2E68325771C0065A2E4/$File/NT0004404E.pdf>. Acesso em: 10 JUN 2015.

FALCÃO, A. P. Comportamento reológico e estabilidade de antocianinas de uvas em sistema modelo de geléia. 2006. 91f. Dissertação (Mestrado em Ciências dos Alimentos.) - Universidade Federal de Santa Catarina, Campinas. 2006.

FILGUEIRA, F. A. R. Manual de olericultura: cultura e comercialização de hortaliças. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Agronômica Ceres Ltda., 1982. 357 p. v.2.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, 2008. p. 279-299.

FRANCIS, F. J. A new group of foods colourants. Food Science & Technology, v. 3, p. 27-30, 1992.

HARBORNE, J. B.; GRAYER, R.J. The anthocyanins. In: The flavonoids: advances in research since 1980. Chapmam & Hall, London, 1988, p. 1-20.

HARBONE, J. B.; WILLIAMS, C. A. Review: Advances in flavonoid research since 1992. Phytochemistry, v. 55, p. 481-504, 2000.

JACKSON, R. Chemical Constituents of grapes. In: WINE science: principles and applications. London: Academic Press, 1994. p. 178-219

LEE, J.; DURST, R. W.; WROLSTAD, R. E. Determination of total monomeric anthocyanin pigment content of fruit juices, beverages, natural colorants, and wines by the pH differential method: Collaborative study. Journal AOAC International, v. 88, n. 5, p. 1269-1278, 2005.

LIMA, R. Escala de PH e indicadores ácido-base naturais. Disponível em: <http://www.pontociencia. org.br/experimentos/visualizar/escala-de-ph-e-indicadores-acido-base-naturais/1148>. Acesso em: 11 JUN 2015.

LOPES, T. J.; XAVIER, M. F.; QUADRI, M. G. N.; QUADRI, M. B. Antocianinas: uma breve revisão das características estruturais e da estabilidade. R. Bras. Agrociência, v.13, n.3, p. 291-297, 2007.

LÓPEZ O.P.; JIMÉNEZ A.R.; VARGAS F.D. et al. Natural pigments: carotenoids, anthocyanins, and betalains – characteristics, biosynthesis, processing, and stability, Critical Reviews Food Science Nutrition, v.40, n.3, p.173-289, 2000.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 1. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 512p. 2002.

LORENZI, H.; SOUSA, H. M. Plantas ornamentais do Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 1092p. 1999.

MARÇO, P. H.; POPPI, R. J.; SCARMINIO, I. S. Procedimentos analíticos para identificação de antocianinas presentes em extratos naturais. Química Nova. v. 31, nº. 5, 1218-1223, 2008.

MARKAKIS, P. Anthocyanin as food colors. New York: Academic Press, Inc., 1982, 263p.

MARTINEZ-FLÓREZ, S.; GONZÁLEZ-GALLEGO, J.; CULEBRAS, J. M.; TUÑON, M. J. Los flavonoides: propiedades y acciones antioxidantes. Nutr. Hosp., v. 17, n. 6, p. 271-278, 2002.

MAZZA, G., MINIATI, E. Anthocyanins in fruits, vegetables and grains. Boca Raton: CRC Press Inc., 362p., 1993.

MUSCHIETTI, L.V.; MARTINO, V.S. Atividades biológicas dos flavonóides naturais. In: YUNES, R.A.; CECHINEL FILHO, V. Química de produtos naturais, novos fármacos e a moderna farmacognosia. Itajaí: Univali, 2007. p. 183-207.

NIJVELDT, R. J.; VAN, N, H.; BOELENS, P. G, VAN, N. K.; VAN, L. P. A. Flavonoids: a review of probable mechanisms of action and potenctial applications. Am J Clin Nutr 2001;74(4):418-25.

OTT, D. B. Manual de laboratório de ciencia de los alimentos. Zaragoza: Acribia S. A., p. 168-174, 1992.

SILVA, G. M. Degradação da antocianina e qualidade sensorial de polpa de Juçara (Euterpe edulis) embalada e submetida à pasteurização. 2012. 91f. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologia de Alimentos.) - Universidade de São Paulo, Piracicaba. 2012.

SILVA, K. A. B. S. Caracterização dos efeitos do Plumerídeo, um iridóide isolado de Allamanda cathartica L. (Apocynaceae), em modelos de inflação e dor. Programa de pós graduação CAPES. UFSC/ Farmacologia. Mestrado. 2007.

SOARES, M. H. F. B.; SILVA, M. V. B.; CAVALHEIRO, E. T. G. Aplicação de corantes naturais no ensino médio. Eclética Química, v. 26. p. 98-103, 2001.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. 2008. Botânica sistemática. (2.Ed.) Nova Odessa: Instituto Plantarum.

STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica, 2. ed. São Paulo. UNESP. 604p. 2002.

STRINGHETA, P.C.; Identificação da estrutura e estudo da estabilidade das antocianinas extraídas da inflorescência de capim gordura (Mellinis minutuflora, Pal de Beauv.), Campinas, 1991,138 p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – UNICAMP.

TERCI, D. B. L.; ROSSI, A. V. Indicador natural de pH: usando papel ou solução?. Química Nova, v. 25, n. 4, p. 684-688, 2002.

TIVELLI, S. W.; PURQUERIO, L. F. V. Repolho. 2005. Disponível em: <http://www.iac.sp.gov.br/Tecnologias/Repolho/Repolho.htm>. Acesso em: 23 SET 2015.

VITTI, M. C. D.; KLUGE, R. A.; YAMAMOTO, L. K.; JACOMINO, A. P. Comportamento da beterraba minimamente processada em diferentes espessuras de corte. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 21, n. 4, p. 623-626, out./dez. 2003.

WANG, W.; XU, S. Degradation Kinetics of anthocyanins in blackberry juice and concentrate. Journal of Food Engineering 82, 271. 2007.

Downloads

Publicado

20/04/2016

Como Citar

Uchôa, V. T., Lima, A. M. M. de, Carvalho Filho, R. S. de M., & Assis, J. B. de. (2016). UTILIZAÇÃO DE PLANTAS ORNAMENTAIS COMO NOVOS INDICADORES NATURAIS ÁCIDO-BASE NO ENSINO DE QUÍMICA. HOLOS, 2, 152–165. https://doi.org/10.15628/holos.2016.3869

Edição

Seção

ARTIGOS