CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE CARCINICULTURA NO VALE DO RIO AÇU, RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL

Autores

  • Roberto Aurélio Almeida Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, IFRN
  • Pedro Carlos Cunha Martins Universidade Federal Rural do Semi-Árido

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.3427

Palavras-chave:

Carcinicultura

Resumo

Dada a importância social e econômica da carcinicultura para o Nordeste brasileiro e o destaque da Bacia do Rio Açu como polo produtor no Rio Grande do Norte, torna-se importante o levantamento de informações detalhadas sobre esta cadeia produtiva regional, que possam subsidiar ações de gestão visando seu fortalecimento e crescimento sustentável. Este trabalho tem como objetivo caracterizar a situação da carcinicultura praticada no Vale do Rio Açu com ênfase na capacidade produtiva, nível tecnológico e geração de empregos diretos.

A pesquisa foi realizada através da aplicação de questionário semiestruturado em 20 fazendas de camarão localizadas em 04 municípios potiguares: Macau, Pendências, Carnaubais e Alto do Rodrigues. Segundo os resultados, em 2013 a área total de lâmina d’agua ocupada por viveiros de camarão nas 20 fazendas foi de 1843,7 hectares, produziram 6.294,1 toneladas e geram um total de 661 empregos diretos. As fazendas utilizam águas com salinidades que variam de 0 a 60 g/l, sendo a maior parte delas de médio (35%) e grande porte (45%) e elevado nível tecnológico.

Praticamente toda a produção de camarão do Valle do Açu do ano de 2013 foi comercializada no mercado nacional, principalmente para os estados do Rio de Janeiro e São Paulo. As patologias que afetaram o maior número de fazendas foram IMNV, Vibriose e NHP e WSSV foi considerada a patologia que representava o maior risco futuro para a atividade.  

Os resultados demonstram que no período estudado a carcinicultura passava por uma fase de reestruturação e crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Roberto Aurélio Almeida Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, IFRN

Professor do Curso Técnico em Recursos Pesqueiros do IFRN, Campus Macau e aluno de Doutorado em Ciências Marinhas Tropicais do LABOMAR/ Universidade Federal do Ceará.

Referências

ABCC. (2013). Levantamento da infraestrutura produtiva e dos aspectos tecnológicos, econômicos, sociais e ambientais da carcinicultura marinha no Brasil em 2011. ABCC/MPA, Natal, RN.

APOLINÁRIO, D. F. (2009). Avaliação do estado sanitário de camarões (Litopenaeus vannamei) cultivados em quatro fazendas no estado do Ceará. Dissertação apresentada ao curso de Ciências Marinhas Tropicais. Universidade Federal do Ceará, LABOMAR-UFC, Fortaleza, 2009.

BEZERRA, M. A. (2010). A retomada da carcinicultura no Brasil: Vivemos uma nova realidade econômica financeira nas unidades produtoras de camarão no Nordeste Brasileiro? Revista Panorama da Aquicultura, 20(121), 54-59.

BOYD, C. E. (2001). Manejo da qualidade de água na aquicultulra e no cultivo do camarão marinho (Rodrigues, J. Trad.). Associação Brasileira de Criadores de Camarão. (ABCC) (157 pp. 2001) Recife.

COSTA, E. F.; SAMPAIO, Y. S. B. (2004). Geração de empregos diretos e indiretos na cadeia produtiva de camarão marinho cultivado. Revista de Economia Aplicada, 8(2), 327-345.

FAO. (2014). FAO yearbook 2012, Fisheries and aquaculture statistic. 2014. Disponível em: < ftp://ftp.fao.org/FI/CDrom/CD_yearbook_2012/navigation/index_content_aquaculture_e.htm#C> Acesso em: 10 jun. 2015.

FAO. (2015a). World aquaculture production by species groups in 2013. Disponível em: < ftp://ftp.fao.org/FI/STAT/summary/b-1.pdf> Acesso em: 9 jun. 2015.

FAO. (2015b). World aquaculture production of fish, crustaceans, molluscs, etc; by principal species in 2013. Disponível em: < ftp://ftp.fao.org/FI/STAT/summary/a-6.pdf> Acesso em: 9 set. 2015.

FLEGEL, T. W. (2012). Historic emergence, impact and current status of shrimp pathogens in Asia. Journal of Invertebrate Pathology, 110, 166-173.

FONSECA, S.B., MENDES, P.P., ALBERTIM, C. J. L., BITTENCURT, C. F. & SILVA, J. H. B. (2009). Cultivo do camarão marinho em água doce em diferentes densidades de estocagem. Pesq. Agropec. Bras., 44(10), 1352-1358.

GUERRELHAS, A. C. B.; TEIXEIRA, A. P. G.; GODOY. E. (2011). Cultivo intensivo: Pode ser a solução para o aumento da produção da carcinicultura? Revista Panorama da Aquicultura, 21(123), 52-57.

MACGRAW, W. J.; DAVIS, D. A.; TEICHERT-CODDINGTON, D. ROUSE, D. B. (2002) Acclimtion of L. vannamei postlarvae to low salinity: Influence of age, salinity end point, and rate of salinity reduction. Journal of the World Aquaculture Society, 33(1).

MARTINEZ-CORDERO, F. J. & LEUNG, P. (2005). Production performance indicators with externalities: Environmentally-adjusted productivity and efficiency indicators of a sample of semi-intensive shrimp farms in Mexico. Aquaculture, (241), 249-268.

MULLER, I. C., ANDRADE, T. P. D., TANG-NELSON, K. F. J., MARQUES, M. R. F. & LIGHTNER, D. V. (2010). Genotyping of white spot syndrome virus (WSSV) geographical isolates from the Americas. Dis. Aquat. Org. (vol. 88, pp. 91-98, jan, 2010).

NATORI, M. M., SUSSEL, F. R., SANTOS, E. C. B., PREVIERO, T. C., VIEGAS, E. M. M. & GAMEIRO, A. H. (2011). Desenvolvimento da carcinicultura marinha no Brasil e no mundo: Avanços tecnológicos e desafios. Informações econômicas, 41(2), 61-73.

NUNES, A. J. P., MARTINS, P. C. C. & GESTEIRA, T. C. V. (2004). Carcinicultura ameaçada- Produtores sofrem com as mortalidades decorrentes do Virus da Mionecrose Infecciosa. Revista Panorama da Aquicultura, 14(83), 37-51.

NUNES, A. J. P., MADRID, R. M. & ANDRADE, T. P. (2005). Carcinicultura marinha no Brasil: Passado, presente e futuro. Revista Panorama da Aquicultura, 21(124), 26-33.

PANTOJA, C. R. & LIGHTNER, D. V. (2008). Enfermedades Virales. En: Morales, V. y Cuéllar-Anjel, J. (eds). Guia Técnica - Patologia e imunologia de camarones Penaeidos. Programa CYTED-Red II-D: Vannamei, Panamá, Rep. Panamá.

ROCHA, I. P. (2010). Shrimp Farm in Brazil- Burgeoning Industry Recovering, Future Holds Potential. Global Aquaculture Advocate, September/October, 2010, 43-45.

ROCHA, I. P. (2014). Uma análise da importância da aquicultura e de forma especial, da carcinicultura, para o fortalecimento do setor pesqueiro e da sócio economia primária brasileira. Revista da ABCC, ano XVI (3), 22-28.

RODRIGUES, J.; BORBA, M. (2015). Carcinicultura brasileira: Estatísticas e revelações. Coletânea de artigos sobre a indústria do camarão cultivado. Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC). Natal, 2015.

SAMPAIO, Y., COSTA, E. F., ALBUQUERQUE, E. & SAMPAIO, B. R. (2008). Impactos socioeconômicos do cultivo de camarão marinho em municípios selecionados do Nordeste brasileiro. RESR, 46(4), 1015-1042.

SILVA, J. L. M. & SAMPAIO, L. M. B. (2009). Eficiência, gestão e meio ambiente na carcinicultura do Rio Grande do Norte. RESR, 47(4), 883-902.

SOWERS, A. D.; GATLIN, D. M.; YOUNG, S. P.; ISLEY, J. J.; BROWDY, C. L.; TOMASSO, J. R. (2005). Responses of Litopenaeus vannamei (Boone) in water containing low concentrations of total dissolved solids. Aquaculture Research, 36, 819-823.

TAHIM, E. F, & ARAÚJO JR, I.F. (2014). A carcinicultura do Nordeste brasileiro e sua inserção em cadeias globais de produção: Foco nas APLs do Ceará. RESR, 52(3), 567-586.

Downloads

Publicado

2017-08-29

Como Citar

Carvalho, R. A. A., & Martins, P. C. C. (2017). CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE CARCINICULTURA NO VALE DO RIO AÇU, RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL. HOLOS, 2, 96–107. https://doi.org/10.15628/holos.2017.3427

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.