AS RELAÇÕES DE PODER EM ESTUDO OBSERVACIONAL

Autores

  • Rafael Fernandes de Mesquita Universidade de Fortaleza - Unifor/ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI
  • Sâmya Nagle de Oliveira Sousa Universidade Federal do Piauí
  • Fátima Regina Ney Matos Universidade de Aveiro

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3156

Palavras-chave:

Poder, Dominação, Obediência, Linguagem Fílmica

Resumo

Este trabalho objetiva analisar como se desenvolvem as relações de poder no filme “Django Livre” (2013). Assim, atende-se a este objetivo a partir de um estudo observacional, de abordagem metodológica qualitativa, em linguagem fílmica com observador não participante, e caráter teórico-empírico. Toma-se por base, principalmente, a abordagem sobre poder de Weber (1991), Lukes (1980), Foucault (2012) e Hard e Clegg (2001), destacando que as relações sociais estão permeadas por lutas pelo poder, sobretudo a dominação tradicional, o cerceamento e a disciplina. O tema foi escolhido a partir do filme “Django Livre”, em que a escravatura é palco para o estudo das relações de poder naquela sociedade. Considera-se, finalmente, que o poder se manifesta, principalmente, através da tradição e poder econômico. A obediência não era a um estatuto, mas sim pessoal ao senhor. As relações estabelecidas se davam através do costume e que, ao tentar mudar a dinâmica do sistema, Django sofre violência física e a liberdade acontece diante da não mais aceitação daquela situação de disciplina e obediência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Fernandes de Mesquita, Universidade de Fortaleza - Unifor/ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI

Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas da Universidade de Fortaleza. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI.

Sâmya Nagle de Oliveira Sousa, Universidade Federal do Piauí

Cientista Social e Mestre em Ciência Política pela UFPI. Gestora de Recursos Humanos pelo IFPI e Especialista/MBA em Recursos Humanos pelo Centro Universitário Internacional - UNINTER.

Fátima Regina Ney Matos, Universidade de Aveiro

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará com mestrado em Administração pela Universidade Estadual do Ceará e doutorado em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco. Estágio pós-doutoral na Universidade de Aveiro/Portugal.

Referências

BECKER, H. S. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

BOBBIO, N. et al. Dicionário de política. 1. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 2. ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1998.

CARVALHO. C. A.; VIEIRA, M. M. F. O poder nas organizações. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

CROZIER, M. The bureaucratic phenomenon. Chicago: University of Chicago Press, 1964.

DENZIN, N. K.; LINCOLN. Y S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

DJANGO LIVRE. Direção: Quentin Tarantino. Produção: Stacey Sher; Reginald Hudlin; Pilar Savone. Intérpretes: Jamie Foxx; Christoph Waltz; Leonardo DiCaprio; Kerry Washington; Samuel L. Jackson. Produção executiva: Harvey Weinstein; Michael Shamberg; Bob Weinstein. Direção de fotografia: Robert Richardson. Roteiro: Quentin Tarantino. Música: Luis Bacalov; Robb Boyd; Mary Ramos. Estados Unidos: Sony Pictures, 2013. 1 DVD (165 min). Widescreen, color., legendado.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 40. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

HARDY, C.; CLEGG, S. R. Alguns ousam chamá-lo de poder. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. Volume 2. São Paulo: Atlas, 2001. (p. 260-289).

KRAUSZ, R. R. Compartilhando o poder nas organizações. São Paulo: Nobel, 1991.

LEITE, N. R. P.; LEITE, F. P. A linguagem fílmica na formação e no fortalecimento de grupos, equipes e times de trabalho: aplicações do estudo observacional. REGE – Revista de Gestão da USP, v. 17, n. 1, pp. 75-97, 2010.

LUKES, S. Poder e autoridade. In: BOTTOMORE, T.; NISBET, R. História da análise sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1980. (p. 823-880).

MACHADO, D. Q.; BEZERRA, C. A. S. Avatar: uma análise dos aspectos fundamentais da terceirização em um estudo observacional. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, v. 9, n. 3, p. 44-62, set./dez. 2010.

MACHADO, D. Q.; IPIRANGA, A. S. R.; MATOS, F. R. N. “Quero matar meu chefe”: retaliação e ações de assédio moral. Pretexto, v. 14, n. 1, p. 52-70, jan./mar., 2013.

MACHADO, D. Q.; MATOS, F. R. N. (Org.). Estudos observacionais em linguagem fílmica. 1. ed. Curitiba, PR: CRV, 2012.

MAQUIAVEL, N. O príncipe. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

MATOS, F. R. N.; LIMA, A. C.; GIESBRECHT, C. M. Estudo observacional das relações de poder no filme O Óleo de Lorenzo. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 2, artigo 11, jun. 2011.

MESQUITA, R. F.; SOUSA, L. R. M.; MATOS, F. R. N.; MILEN, A. F. Proposal of a Debate on Science and Power Relations in World War Z. Espacios, v. 35, n. 5, 2014a.

MESQUITA, R. F.; SOUSA, M. B.; MARTINS, T. B.; MATOS, F. R. N. Óbices metodológicos da prática de pesquisa nas ciências administrativas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 1, p. 50-65, 2014b.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec, 2007.

PATTON, M. Q. Qualitative research and evaluation methods. London: Sage Publications, 2002.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. vol. 1. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1991.

Downloads

Publicado

2016-01-13

Como Citar

Mesquita, R. F. de, Sousa, S. N. de O., & Matos, F. R. N. (2016). AS RELAÇÕES DE PODER EM ESTUDO OBSERVACIONAL. HOLOS, 8, 201–215. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3156

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)