ANÁLISE DO POTENCIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) NA REGIÃO DE UBERLÂNDIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2019.2533

Palavras-chave:

Pagamento por Serviços Ambientais, Pagadores por serviços ambientais, Provedores de serviços ambientais.

Resumo

Os projetos de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) são uma transação voluntária, onde os proprietários das terras que preservam os recursos naturais como florestas, águas e outros, são compensados financeiramente por agentes públicos ou privados que tenham interesse na preservação destes recursos. Esses projetos conseguem unir a preservação do meio com a geração de renda para os proprietários rurais. O presente estudo apresenta a avaliação do potencial de implantação de projetos de PSA na microrregião de Uberlândia/MG, mais especificamente na cidade de Monte Alegre de Minas. Focou na identificação do tipo de projeto mais adequado para a região, no diagnóstico dos potenciais provedores e no levantamento de potenciais pagadores pelos serviços ambientais. Para este fim, foi aplicado um questionário a 50 proprietários rurais da região para verificar sua disposição e interesse de participar de projetos de PSA e foi realizada uma entrevista semiestruturada com agentes atuantes na área ambiental que poderiam tornar-se pagadores para tais projetos. A partir destes resultados, foi realizada uma análise SWOT. Observou-se um potencial favorável da região para a implantação de um projeto de PSA, devido principalmente ao interesse dos proprietários e da Prefeitura Municipal por projetos desta natureza. Além disso, destacou-se a conservação de recursos hídricos como o tipo de PSA mais adequado para a região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Rita Raimundo e Almeida, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Itajubá (2008), mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Itajubá (2010) e doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (2013). Atualmente é professora na Universidade Federal de Uberlândia. Tem experiência na área de Engenharia Ambiental, atuando principalmente com instrumentos de política ambiental, tais como a Avaliação de Impacto Ambiental e o Licenciamento Ambiental.

Roberto Faria Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Estudante de graduação do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Uberlândia.

Alessandra Campos dos Santos, Universidade Federal de Uberlândia

Estudante de graduação do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ATANAZIO, R. Projeto Oásis: Pagamento por Serviços Ambientais. 2011. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/meio_ambiente/arquivos/RPPN_projeto_oasis.pdf>. Acesso em: 05 nov 2014.

BENSUSAN, N. Seria melhor mandar ladrilhar: Biodiversidade como, para que, por que. Brasília: UnB, Instituto Socioambiental, 2002. 420p.

BERNARDES, C., JUNIOR, W. C. S. Pagamento por Serviços Ambientais: Experiências Brasileiras relacionadas à Água. In: V ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 2010, Florianópolis. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT9-522-502-20100831170114.pdf>. Acesso em: 05 nov 2014.

BRASIL. Projeto de Lei nº 5.487 de 2009. Institui a Política Nacional dos Serviços Ambientais, o Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/sileg/integras/667325.pdf>. Acesso em: 05 nov 2014.

BRITTO, G. C., KATO, O. R., HERRERA, J. A. A Prestação de Serviços Ambientais pode ser uma alternativa aos sistemas tradicionais da agricultura familiar no município de Pacajá, Amazônia Paraense – Brasil? Sustentabilidade em Debate, v.3, n.2, p.159-176, 2012.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. PL 792/2007. 2007. Disponível em: < http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_imp;jsessionid=DE1171FB1FCE7CB4A975AB9B0A0ABB02.node1?idProposicao=348783&ord=1&tp=completa>. Acesso em: 05 nov 2014.

CÍLIOS DO RIBEIRA. Pagamentos por Serviços Ambientais. 2011. Disponível em: <http://www.ciliosdoribeira.org.br/pagamentos-por-servicos-ambientais>. Acesso em: 05 nov 2014.

CLAASSEN, R., HANSEN, L., PETERS, M., BRENEMAN, V., WEINBERG, M., CATTANEO, A., FEATHER, P., GADSBY, D., HELLERSTEIN, D., HOPKINS, J., JOHNSTON, P., MOREHART, M., SMITH, M. Agri-environmental policy at the crossroads: Guideposts on a changing landscape. USDA-ERS Report, n. 794, 2001.

FAGANELLO, C. R. F. Fundamentação da cobrança pelo uso da água na agricultura irrigada, na microbacia do Ribeirão dos Marins, Piracicaba/SP. Piracicaba, 2007. Tese de doutorado-Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz-Universidade de São Paulo, 2007.

FORUM REGIONAL. Payment schemes for environmental services in watersheds. Rome: FAO, 2004.76p.

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO. Oásis. 2014. Disponível em: <http://www.fundacaogrupoboticario.org.br/pt/o-que-fazemos/oasis/pages/default.aspx>. Acesso em: 05 nov 2014.

GUEDES, F. B., SEEHUSEN S. E. (Org) Pagamentos por Serviços Ambientais na Mata Atlântica: Lições aprendidas e desafios. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011.

GUSMÃO, A. V. P. Problemas ambientais globais e a compensação por serviços ambientais como alternativa para a proteção do capital social e ecológico. Jus Navigandi, v.9, n.589, 2005. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/6341>. Acesso em: 22 abr. 2013.

HUPFFER, H. M., WEYERMÜLLER, A. R., WACLAWOVSKY, W. G. Uma análise sistêmica do princípio do protetor-recebedor na institucionalização de programas e compensação ambiental por serviços ambientais. Ambiente & Sociedade, v.14, n.1, p.95-114, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=314280#>. Acesso em: 25 abr 2013.

IEF – Instituto Estadual de Florestas (MG). Bolsa verde: manual de princípios, critérios e procedimentos para a implantação da lei n.17.727 de agosto de 2008. Belo Horizonte: Instituto Estadual de Florestas, 2010. 47p.

IEF – Instituto Estadual de Florestas (MG). Bolsa Verde, 2012. Disponível em: <http://www.ief.mg.gov.br/bolsa-verde>. Acesso em: 20 nov 2013.

JARDIM, M. H. Pagamentos por Serviços Ambientais na Gestão de Recursos Hídricos: o Caso do Município de Extrema-MG. Brasília, 2010. Dissertação de mestrado-Centro de Desenvolvimento Sustentável-Universidade de Brasília, 2010.

JODAS, N. Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) como ferramenta efetiva à aplicabilidade do Código Florestal Brasileiro: uma proposta combativa ao Projeto de Lei nº 1876/99. Relatos da experiência pioneira de PSA no município de Londrina – PR. Revista de Direito Público, v.5, n.3, p.66-80, 2010.

KAWAICHI, V. M., MIRANDA, S. H. G. Políticas públicas ambientais: a experiência dos países no uso de instrumentos econômicos como incentivo à melhoria ambiental. In: XLVI Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 2008, Rio Branco/AC. Amazônia, Mudanças Globais e Agronegócios: O desenvolvimento em questão. Brasília - DF: SOBER, 2008.

KING, N., LETSAOLO, A., RAPHOLO, B. Developing markets for watershed protection services and improved livehoods: a diagnostic for South Africa. London: International Institute for Environment and Development – IIED. 2003, 62p.

LANDELL MILLS, N.; PORRAS, I. Silver buller or fool’s gold? A global review of markets for forest environmental services and their impact on the poor. IIED Catalogue. 2002.

MICOL, L.; ANDRADE, J.; BORNER, J. Redução das emissões do desmatamento e da degradação florestal (REDD): potencial de aplicação no Estado de Mato Grosso. Cuiabá: Instituto Socioambiental, The Nature Conservancy Brazil, 2008.

MILLENIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and human well-being: Mountain Systems. Washington, DC: Island Press and World Resources Institute, 2005. Disponível em: <http://www.fao.org/forestry/12480-0ace03c1c3b00d717817f18379f9414e.pdf>. Acesso em: 05 nov 2014.

MINAM - Ministerio del Ambiente. Compensación por servicios ecosistémicos: Lecciones aprendidas de una experiência demonstrativa. Las microcuencas Mishiquiyacu, Rumiacu y Almendra de San Martín, Peru. Lima: Ministerio del Ambiente, 2010.

MINAS GERAIS. Lei nº 17.727, de 13 de agosto de 2008. Dispõe sobre a concessão de incentivo financeiro a proprietários e posseiros rurais, sob a denominação de Bolsa Verde, para os fins que especifica, e altera as Leis nº s 13.199, de 29 de janeiro de 1999, que dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos, e 14.309, de 19 de junho de 2002, que dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado. Belo Horizonte, 13 ago. 2008.

MORAES, J. L. A. Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) como instrumento de Política de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais: o projeto Protetor das águas de Vera Cruz, RS. Sustentabilidade em Debate, v.3, n.1, p.43-46, 2012.

PAGIOLA, S., ARCENAS, A., PLATAIS, G. Can Payments for Environmental Services Help Reduce Poverty? An Exploration of the Issues and the Evidence to Date from Latin America. World Development. p.237–253, 2005.

PAGIOLA, S., PLATAIS, G. Pagos por servicios ambientales. Para apresentação no Tercer Congreso Latinoamericana de Manejo de Cuencas Hidrográficas, Foro Regional sobre Sistemas de Pago por Servicios Ambientales. Arequipa, Peru, 9-12 Junho 2003.

RIBEIRO, S. C., CHAVES, H. M. L., JACOVINE, L. A. G., SILVA, M. L. Estimativa do abastecimento de erosão aportado por um sistema agrossilvipastoril e sua contribuição econômica. Revista Árvore, v.31, n.2, p.285-293, 2007.

SANTOS, P., BRITO, B., MASCHIETTO, F., OSÓRIO, G.; MONZONI, M. (org.). Marco regulatório sobre pagamento por serviços ambientais no Brasil. Belém: IMAZON; FGV, 2012. 76p.

SANTOS, G. E. O. Cálculo amostral: calculadora on-line. Disponível em: <http://www.calculoamostral.vai.la>. Acesso em: 10 fev 2014.

SEROA DA MOTTA, R. Manual para valoração econômica dos recursos ambientais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 1998.

SEROA DA MOTTA, R.; RUITENBEEK, J.; HUBER, R. Uso de instrumentos econômicos na gestão ambiental da América Latina e Caribe: lições e recomendações. Rio de Janeiro: IPEA, 61 p., 1996.

SHIKI, S., SHIKI, S. F. N. Os Desafios de uma Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais: lições a partir do caso do Proambiente. Sustentabilidade em Debate, v.2, n.1, p.99-118, 2011.

SILVA, A., JOVIANO, P. E. A. pagamento por serviços ambientais (PSA): princípio do protetor-recebedor. Cadernos de resumos: IX Congresso Brasileiro de Direito Constitucional e Cidadania, p.28-32, 2012.

WUNDER, S., BÖRNER, J., TITO, M. R., PEREIRA, L. Pagamentos por Serviços ambientais: perspectivas para a Amazônia legal. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2009.

YOUNG, R.A. Determining the economic value of water. Washington: RFF, 2005. 356p.

ZILBERMAN, D., LIPPER, L., MCCARTHY, N. Putting payments for environment services in the context of economic development. Roma: ESA, 2006, p.06-15.

Downloads

Publicado

03/12/2019

Como Citar

Almeida, M. R. R. e, Silva, R. F., & Santos, A. C. dos. (2019). ANÁLISE DO POTENCIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) NA REGIÃO DE UBERLÂNDIA. HOLOS, 1, 1–17. https://doi.org/10.15628/holos.2019.2533

Edição

Seção

ARTIGOS