NEM A MORTE NOS UNE: O FUTURO DA HUMANIDADE NO PÓS-COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.11655

Palavras-chave:

Crise, Imitação, Condição humana, Pós-pandemia

Resumo

Este texto tem a pretensão de deslocar a centralidade do debate sobre a COVID-19 para a condição humana pós-pandemia. Utilizamos como eixo o conceito de imitação (Tarde, 1978), além de outros autores que contribuem para a reflexão sobre as “tragédias” geradas pelo novo Coronavírus, a partir do clima de insegurança e medo instaurados na humanidade e na economia. Propomos um ensaio teórico em que utilizamos de recursos da “imaginação sociológica”, no sentido de prospecção da inversão da ordem estabelecida e apresentamos nove argumentos distintos e correlacionados, como análise do panorama possível que ofereça um fito na esperança, dentro do contexto do uso do verbo transitivo direto e pronominal “esperançar”, da ação política, do almejar, do buscar e contrário ao ato de esperar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Alberto Máximo Pimenta, Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), Instituto de Engenharia de Produção e Gestão (IEPG).

Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor do Programa de Mestrado em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade (DTecS/UNIFEI).

 

Vítor de Sousa, Universidade do Minho (UMinho), Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS).

Doutor em Ciências da Comunicação (Comunicação Intercultural) pela Universidade do Minho (UMinho). Pesquisador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS/UMinho).

Pedro Rodrigues Costa, Universidade do Minho (UMinho), Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS).

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (UMinho). Pesquisador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS/UMinho).

Edson Capoano, Universidade do Minho (UMinho). Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)

Doutor em Comunicação e Cultura pelo Programa de Integração Latino-Americana da Universidade de São Paulo (PROLAM-USP). Pesquisador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS/UMinho).

Referências

Acosta, A. (2016). O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Editora Elefante.

Alberoni, F. (1975). Statu Nascenti. Milão: Il Mulino.

Alcântara, V. de C., Souza, A. P. L. de, Silva, J. N. da, Campos, A. C. (2021). Atila, o Lançador de Alertas: Constituição da COVID-19 como Problema Público no Brasil. Holos. 37(1), 1-21. DOI: 10.15628/holos.2021.11603.

Batista, P. N. (1994). O consenso de Washington: a visão neoliberal dos problemas latino-americanos. In. B. L. Sobrinho, H. Souza, J. Fantine, M. C. Tavares, M. Santayana, P. N. Batista, R. Archer, S. X. Ferolla (Orgs.), Em defesa do interesse nacional: desinformação e alienação do patrimônio público. São Paulo: Paz e Terra.

Bauman, Z. (2008). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Berman, M. (1986). Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Costa, P. R. (2020a, 22 de maio). A imitação do medo e a síndrome de um “mundo doente”. Minho Digital. Recuperado de: https://www.minhodigital.com/news/imitacao-do-medo-e-sindrome

Costa, P. R. (2020b). Eu sou tu: tu és intelecto contingente. In. J. P. Neves, P. R. Costa, P. Mascarenhas, V. Salgado (Eds), Eu sou tu: experiências ecocríticas. Braga: CECS.

Eco, U. (1998). Cinco escritos morais. Algés: Difel.

Fechine, Y. (2018). Transmidiação como modelo de produção: uma abordagem a partir de estudos da televisão e de linguagem. In. J. Massarolo, I. Santaella, S. Nesteriuk (Orgs.), Desafios da transmídia: processos e poéticas (pp. 42-64). São Paulo: Estação das Letras e Cores.

Freitas, A. C. (2020, abril 03). COVID-19: há um indicador chamado R0 que vale muito. Público, Seção Ciência. Recuperado de https://www.publico.pt/2020/04/03/ciencia/noticia/covid19-ha-indicador-chamado-r0-vale-1910730.

Genesini, S. (2018). A pós-verdade é uma notícia falsa. Revista USP, (116), 45-58. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i116p45-58

Han, B. C. (2016). A expulsão do outro. Lisboa: Relógio d'Água.

Harvey, D. (1993). Condição pós-moderna. São Paulo, Loyola.

Huntington, S. (2009). O Choque das Civilizações e a Mudança da Ordem Mundial. Lisboa: Gradiva.

Latour, B. (2020, abril 03). Imaginando gestos que barrem o retorno ao consumismo e à produção insustentável pré-pandemia. Jornal Clima Info, Seção Política. Recuperado de https://climainfo.org.br/2020/04/02/barrar-producao-insustentavel-e-onsumismo/.

Leiderfarb, L. (2015, abril 18). O regresso do grande conspirador. Entrevista a Umberto Eco. Expresso, ed. 2216, p. 28-33.

Morin, E. (2011). Compreender o mundo que aí vem. In. E. Morin, P. Viveret (Orgs.), Como viver em tempo de crise?. (pp. 9-25). Lisboa: INCM.

Morris, I. (2015). O Domínio do Ocidente. Lisboa: Bertrand Editora.

Negroponte, N. (1996). Ser digital. Lisboa: Caminho.

Nietzche, F. W. (2000). Crepúsculo dos ídolos – ou como filosofar com o martelo. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

ONU (2018, outubro 17). Organizações das Nações Unidas. Banco Mundial: quase metade da população global vive abaixo da linha da pobreza. Seção Desenvolvimento Sustentável. ONU. Disponível em https://nacoesunidas.org/banco-mundial-quase-metade-da-populacao-global-vive-abaixo-da-linha-da-pobreza/.

OPAS (2020, agosto 28). Organização Pan-Americana. Folha informativa COVID-19 - Escritório da OPAS e da OMS no Brasil. OPAS. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19.

OXFAM Brasil. (2018, janeiro 23). Super-ricos estão ficando com quase toda riqueza, às custas de bilhões de pessoas. OXFAM Brasil. Disponível em https://www.oxfam.org.br/noticias/super-ricos-estao-ficando-com-quase-toda-riqueza-as-custas-de-bilhoes-de-pessoas/.

Passos, N. (2020, março 31). As epidemias são frequentes na História, às vezes é que nos esquecemos. Nós – Jornal Online da Uminho. Recuperado de http://www.nos.uminho.pt/Article.aspx?id=3484

Patino, B. (2019). A civilização do peixe-vermelho: como peixes-vermelhos presos aos ecrãs dos nossos smartphones. Lisboa: Gradiva.

Pereira, M. (2020, março 27). Fake news no Twitter sobre vírus quintuplicam num mês. Expresso, Seção Sociedade, p. 27. Recuperado de https://expresso.pt/sociedade/2020-03-28-Fake-news-no-Twitter-sobre-virus-quintuplicam-num-mes.

Pimenta, C. A. M. (2020). Como será o amanhã? Communitas Think Tank –Ideias. Recuperado de: http://www.communitas.pt/ideia/como-sera-o-amanha.

Sakamoto, L. (2020, março 20). "Gripezinha": Menosprezo de Bolsonaro por coronavírus o tornou cúmplice. UOL Notícias, Coluna Leonardo Sakamoto. Disponível em https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2020/03/20/gripezinha-menosprezo-de-bolsonaro-por-coronavirus-o-tornou-cumplice.htm.

Santos, B. S. (2000). Crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Editora Cortez.

Sousa, V. (2020). “O passado tranquiliza, o futuro mete medo”: reflexões sobre o impacto social da pandemia da Covid-19, a partir do livro ‘O Futuro tem futuro’, de Jacques Séguéla (1998). Communitas Think Tank –Ideias. Recuperado de: http://www.communitas.pt/ideia/o-passado-tranquiliza-o-futuro-mete-medo.

Souza, G. T. C. de. (2020). Lições da pandemia: questões para reorganização da sociedade. Holos. 36(5), 1-9. DOI: 10.15628/holos.2020.10867

Downloads

Publicado

06/08/2021

Como Citar

Pimenta, C. A. M., Sousa, V. de, Costa, P. R., & Capoano, E. (2021). NEM A MORTE NOS UNE: O FUTURO DA HUMANIDADE NO PÓS-COVID-19. HOLOS, 3, 1–19. https://doi.org/10.15628/holos.2021.11655

Edição

Seção

Dossiê COVID-19 e o mundo em tempos de pandemia