BIODIGESTOR SERTANEJO COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SEMIARIDO POTIGUAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.10125

Palavras-chave:

Biodigestor. Semiárido. Desmatamento. Caatinga.

Resumo

No Oeste do Rio Grande do Norte, região semiárida, o Biodigestor Sertanejo emerge, enquanto tecnologia social, como alternativa ao uso do carvão e da lenha, fonte de combustível principal das famílias da zona rural. Assim, diante dos impactos socioambientais positivos do uso desta tecnologia, o objetivo deste trabalho foi apresentar a tecnologia do Biodigestor Sertanejo como alternativa para a conservação do semiárido potiguar. Para isso, realizou revisão da literatura, visita à campo com registro fotográfico e aplicação de formulário de pesquisa com agricultores contemplados com a instalação do Biodigestor Sertanejo. Após a coleta dos dados constatou que o Biodigestor Sertanejo propiciou ganho ambiental ao fornecer uma alternativa ao combustível da Caatinga, como também uma melhoria na qualidade de vida desses moradores, que agora podem cozinhar de forma mais cômoda e econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jose Edson da Silva, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Técnico em agropecuária pelo Instituto federal do Pernambuco, licenciado em Educação física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Especialista em Educação ambiental e geografia do semiárido pelo Instituto federal do Rio Grande do Norte.

Lais Ariane Correia, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela mesma Universidade (2016). Licenciada em Geografia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN (2013). Pesquisadora no Núcleo de Pesquisas e Estudos Geográficos - NUPEG/ IFRN. Atua nos seguintes temas: Cidades Saudáveis,Planejamento e Gestão do Território,Geografia e Meio ambiente, Saneamento Básico, Vulnerabilidade Socioambiental, Metodologia do trabalho científico.

Referências

ALEIXO, A. L. P., ALBERNAZ, A. L. K. M., GRELLE, C. E. V., VALE, M. M., RANGEL, T. F. Mudanças climáticas e a biodiversidade dos biomas brasileiros: passado, presente e futuro. Natureza & Conservação, dezembro de 2010.

ALVES, J.J. A., ARAÚJO, M.A., NASCIMENTO, S.S. 2008. Degradação da caatinga: uma investigação ecogeográfica. Caminhos de Geografia, Uberlândia. v. 9, n. 27. p. 143 – 155.

Arruda, M. H., Amaral, L. D. P., Pires, O. P., & Barufi, C. R. (2002). Dimensionamento de biodigestor para geração de energia alternativa. Revista científica eletrônica de agronomia, 1(2), 1-8.

CORREIA, R. C; KIILL, L. H. P; MOURA, M. S. B; CUNHA, T. J. F; JESUS JÚNIOR, L. A; ARAÚJO, J. L. P. (2011). A região semiárida brasileira. Embrapa Semiárido-Capítulo em livro científico (ALICE).

FERREIRA; R.C.S. Emissão de Gás Metano por Bovinos de leite em exposições/feiras. Curitiba, 2011. 28 p. (Pós-graduação em MBA em Gestão Ambiental). Departamento de Economia Rural e Extensão, Setor de Ciências Agrárias. Universidade Federal do Paraná. 2011.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação?. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. 65p

GIULIETTI, A. M., BOCAGE NETA, A. L., CASTRO, A. A. J. F., GAMARRA-ROJAS, C. F. L., SAMPAIO, E. V. S. B., VIRGÍNIO, J. F., ... & HARLEY, R. M. (2004). Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação

GASPAR. R.M.B.L. Utilização de biodigestores em pequenas e médias propriedades rurais, com ênfase na agregação de valor: um estudo de caso na região de toledo-pr. Dissertação de mestrado em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis 2003

JUNQUEIRA, S. L. C. D. "Geração de energia através de biogás proveniente de esterco bovino: estudo de caso na fazenda aterrado." Universidade do Rio Janeiro, Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ, Rio de Janeiro 22 (2014).

KIILL, L. H. P. et al. Preservação e uso da caatinga. Área de Informação da Sede-Col Criar Plantar ABC 500P/500R Saber (INFOTECA-E), 2007.

Mapas do Rio Grande do Norte. Disponível em: https://mapasblog.blogspot.com/2011/12/mapas-do-rio-grande-do-norte.html. Acesso em 25/03/2020 ás 15:51.

PRODANOV, C. C. FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnica da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. Ed. Nova Hamburgo: Feevale, 2013.

Redbiolac. Disponível em: http://redbiolac.org/pt-br/. Acesso em 08 de julho de 2020.

SANTOS, H. G; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C; OLIVEIRA, V. A; LUMBRERAS, J. F; COELHO, M. R; ALMEIDA, J. A; CUNHA, T. J. F; OLIVEIRA, J. B. de. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 2013. 353 p. il.

SENA; L.M.M. Conheça e conserve a caatinga – O bioma caatinga. Vol.1. Fortaleza: associação caatinga, 2011. 54p.

HILTON.L. F; LÊNIO.S. G; IEDA.S; TAURA. A.T. Use of MSI/Sentinel-2 and airborne LiDAR data for mapping vegetation and studying the relationships with soil attributes in the Brazilian semi-arid region. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, v. 73, p. 179-190, 2018.

SOUZA, B.I; ARTIGAS, R.C; LIMA, E. R. V. Caatinga e desertificação. Mercator (Fortaleza), v. 14, n. 1, p. 131-150, 2015.

Turdera, M. V., & Yura, D. (2006). Estudo da viabilidade de um biodigestor no município de dourados. Proceedings of the 6. Encontro de Energia no Meio Rural.

VIVAN, M., KUNZ, A., STOLBERG, J., PERDOMO, C., & TECHIO, V. H. (2010). Eficiência da interação biodigestor e lagoas de estabilização na remoção de poluentes em dejetos de suínos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14(3), 320-325.

Downloads

Publicado

16/12/2020

Como Citar

da Silva, J. E., & Correia, L. A. (2020). BIODIGESTOR SERTANEJO COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SEMIARIDO POTIGUAR. HOLOS, 6, 1–11. https://doi.org/10.15628/holos.2020.10125

Edição

Seção

ARTIGOS